sábado, 6 de agosto de 2011

A cretinice exponencial do Expresso

"O caso Jorge Silva Carvalho pode ser o primeiro indício de um esquema clandestino de recolha e passagem de informações nos serviços secretos. O Expresso confirmou que nada do que o ex-director passou para o actual patrão, o grupo privado Ongoing, quando ainda exercia funções, consta do centro de dados onde estão os ficheiros informáticos da secreta."

Oh! Não me digam! O Expresso confirmou mesmo uma coisa dessas? Espectacular trabalho do Expresso, com as fontes internas que violam sistematicamente o dever de sigilo e reserva, de modo mais grave do que aquele que pretendem denunciar.
Mais espectacular ainda: "Ele pode simplesmente ter guardado a informação na cabeça, o que é mais complexo" !

Depois desta tirada, cujo ridículo não liquidou o jornalista, no fim deste artiguelho espectacular, escreve-se que "os procuradores estão preocupados com a forma desorganizada e arcaica como as informações dão entrada e são classificadas nos centros de dados. Os programas informáticos são antiquados e faltam regras claras e específicas sobre o quê, como e com que classificação se devem guardar segredos".

Os procuradores...quê?! Estão preocupados? Então não estão! Preocupadíssimos. Tanto como com a primeira camisa que vestiram.

É sobre esta matéria que o PGR Pinto Monteiro vai ter de se pronunciar brevemente. Espera-se que arquive liminarmente o processo, em fase administrativa ( porque não lhe compete a ele averiguar previamente seja o que for, em sede de inquérito) e diga outra vez que os políticos ( leia-se a Maçonaria) querem resolver problemas políticos em inquéritos criminais.

Como cereja de ignorância no topo do bolo desta cretinice noticiosa, escreve-se que os procuradores que fiscalizam " a secreta", a saber, Mário Gomes Dias e Agostinho Homem, ambos ex-vice-PGR e já jubilados mais o PGA Santos Pais, "têm o poder, pelo que diz a lei-quadro do SIRP, de mandar abrir inquéritos-crime, se encontrarem algo de grave nos serviços."
Quer dizer, poder teriam sempre, em relação a crimes públicos indiciados. Como aliás qualquer pessoa terá, se o quiser fazer. Se o Expresso sabe da existência de crimes públicos neste caso, tem tanto poder como aqueles. Basta fazer a respectiva participação ou até noticiar os tais crimes, de que até agora não foi capaz, e esperar que as instâncias do MºPº actuem como é seu dever. Uma notícia de jornal basta para autuar como inquérito. Quem ensinava isto era...Souto Moura.

Ainda outra coisa: o Expresso escreve que "Marques Júnios foi à A.R. confirmar as fugas de informação investigadas pelo Expresso". Quod erat demonstrandum. Se fugas de informação existiram, não foram confirmadas pelo director do SIRP, o mação Marques Júnior, qua tale. O que este disse foi que existiram fugas insusceptíveis de colocar em causa a segurança interna e a defesa dos interesses nacionais.
Esse tipo de fugas não interessava ao Expresso nem eram essas que andava a "investigar", com métodos em tudo idênticos e porventura piores que aqueles que anda a denunciar...o que diz tudo da categoria profissional, ética e deontológica do jornal e de quem o dirige.

5 comentários:

zazie disse...

"Isto dos jornais é uma vergonha"

ahahaha

Guardou tudo na cabeça é isso é mais complexo. Se tivesse guardado na algibeira do avental era mais simples.

":O))))))

Ha do que disse...

Fantástico!!!
Ficámos a saber que:

1- O Expresso conhece tudo o que o ex-director da secreta passou para o actual patrão!

2- O Expresso conhece tudo o que consta do centro de dados onde estão os ficheiros informáticos da secreta!

Pensando bem, até não é assim tão difícil. Até eu, se fosse amigo de Ricardo Costa, de Sousa Tavares e de Marcelo RS, ficaria a saber tudo sobre tudo.

lusitânea disse...

Andam mas é aflitos com as massas a fugir.E não querem mais concorrência.Por mim fico satisfeito em ver o Ricardo nessas lutas.Se já chegou até aqui nunca se sabe onde vai terminar.Eu aguardo-o...

Monchique disse...

Acreditem no que eu e muitos andamos a dizer há muito e o balsemão,por outras palavras, disse hoje ao Público: o grupo impresa=a grupo balsemão não quer que a rtp seja privatizada porque quer continuar a brincar com os impostos dos portugueses, a viver à custo dos portugueses. Uma vergonha.Bem pior que o bpn e o bpp e outros casos, porque aqui há instrumentos para condicionar a liberdade dos portugueses.
Para assustar o passos coelho anda com o papão das secretas a toda a hora na sic e no expresso.
Vamos ver de passos se assusta com o conselheiro de estado.

José Domingos disse...

Só nos faltava, um bilderberg, no concelho de estado, que serve para ?????????
Quando é que os aventalados, são corridos do aparelho de estado e são julgados, pelo estado que deixaram Portugal.

Fake news em acção...