quinta-feira, 18 de outubro de 2012

A História a repetir-se e o PREC aqui tão perto...

 Sol:

Os anúncios das últimas semanas em torno dos cortes financeiros previstos para a agência Lusa e dos despedimentos anunciados em vários órgãos de comunicação nacional, como é o caso do jornal Público, desencadearam uma onda de reacções em defesa do jornalismo e do serviço público no seio da democracia. Moda corrente nos dias de hoje, surgiram na internet duas petições e uma carta aberta que já reúnem milhares de subscritores.
Tutelada maioritariamnete pelo Estado, «a agência Lusa recebeu com grande apreensão a notícia de que o Governo tenciona reduzir em mais de 30 por cento o valor do contrato de serviço noticioso e informativo de interesse público». É o que se pode ler na petição pública 'Em Defesa da Agência de Notícias Lusa', que se destina à Assembleia da República, ao Governo e à Presidência da República, e que já conta com quase 3 mil subscritores.
Considerando que o corte do financiamento «põe em causa aquilo que é uma estrutura única no país, que presta um serviço ímpar em prol do interesse dos cidadãos e da democracia», os trabalhadores da Lusa pedem o «apoio de todos na defesa do serviço público que presta e quer continuar prestar». Segundo os autores da petição, a Lusa produz uma média de 392 notícias por dia, à parte de disponibilizar sons e vídeos necessários ao funcionamento dos vários órgãos de comunicação social nacionais.
Ao mesmo tempo, uma outra petição está a correr a internet. 'Em defesa da manutenção da qualidade do jornal Público e dos profissionais que fazem dele um jornal de referência' foi criada pelo mesmo grupo que criou o 'Manifesto Para um Mundo Melhor', destina-se à população em geral e já conta com perto de 2 mil assinaturas.

A última vez que me lembro de uma coisa destas, animada por jornalistas, foi no tempo do PREC e os motivos eram similares embora de tonalidade diversa. A crise política de então, tal como hoje, propiciava o surgimento de manifestações e desejo de revolução.
Os jornalistas de 1975, alguns deles ainda activistas de agora, queriam uma mudança radical na política e queriam abertamente o comunismo. Lutavam por isso e mesmo aqueles que o não queriam optavam por um sucedâneo que também lhes garantia a sociedade sem classes ou pelo menos com maior igualdade entre classes, como era o chamado "socialismo democrático"  personalizado em Mário Soares. A caução de democracia tipo ocidental conferiu a Mário Soares a chave do poder político, mas as opções em economia eram similares às dos comunistas e só alguns meses ou anos mais tarde se modificaram e nem tanto assim, porque sempre que é preciso continuam apelar aos mesmos chavões de sempre.

Estas imagens do livro já aqui citado, Os anos loucos do PREC, de José Pedro Castanheira e Adelino Gomes, mostram o que foram os meses de Abril e Junho de 1975 no capítulo dos media e não só: o caso República arrastava-se e o jornal estava com a publicação suspensa. A Rádio Renascença, órgão da Igreja Católica e que apesar disso tinha programas como a Página Um, com elementos de extrema esquerda,, tinha sido lentamente  corroída   com uma greve que se iniciou em 19 de Fevereiro desse ano, ( para meu desespero porque assim deixei de ouvir, até 5 de Abril desse ano,  o programa Página Um que se transmitia das 19:30 às 21:00, ) apoiada por "organizações sindicais dos jornalistas, gráficos, telecomunicações, revisores de imprensa, electricistas, para além do apoio expresso da UDP, da Liga Operária Católica, da Juventude Operária Católica e os sacerdotes do Movimento Cristãos pelo Socialismo, entre outros", como aqui se conta.

O processo revolucionário ia de vento em popa.  Tal como hoje com manifestações, greves e apoio maciço dos jornalistas dos media. Iniciava-se a "batalha da produção" durante a qual algumas greves foram entendidas como inoportunas...pelos mesmos que dantes as faziam e que são os mesmíssimos de agora. Por onde andaria o agora Arménio Carlos? Já de punho erguido?






4 comentários:

Ljubljana disse...

O que os nossos mui queridos jornalistas da lusa, público e ca. querem, bem eu sei, mas porque é que eles não dizem logo ao que vêm e declaram abertamente que o que pretendem é que fique tudo na mesma e que a economia de todos aqueles que ganham abaixo de 800 euros continue a suportar os seus estilos de vida à moda esquerda muito bem remediada, em troca do despejo de balelas (supostas notícias, mal redigidas) em jeito de notícias, devidamente coloridas com uns videozitos e umas fotos, para encantar parolo.
O que me choca é que estas corporaçõezinhas de m____, tenham a desfaçatez de quando estão em causa interesses puramente pessoais e da corporação, venham querer envolver terceiros, atirando-lhes para cima com a importância "vital" do serviço público "ímpar, em prol do interesse do cidadão e da democracia", por eles prestado. Apetece despejar sobre esta gente todo o vernáculo conhecido

Floribundus disse...

recordo os católicos da igreja do largo dos 'ratos'
os padres que por 'infelicidade' se casaram.

o gomes com barbas fazia 'jurnalismo' de 'cãobate'. esqueci o que lhe ouvi
um ex-dirigente patronal disse em privado que estavam quase todos 'à compra'

Otelo fez novas declarações
seguro deseja eleições
Gomes Ferreira disse com ironia que os ex-presidentes tinham certamente boas propostas para vencer a crise
o be vai de 'Mao a Piao'

dizia-me um companheiro de quarto num lar do Porto 'estás a tocar fora do tãoê'.

no meu tempo de Coimbra cantavam com música alegre o poema
'vai alta a Lua
na mansão da morte,
já meia-noite com vagar chegou
......'

Lura do Grilo disse...

Mais um Pravda em risco.

mujahedin مجاهدين disse...

Ironicamente, não foi o Estado Novo que criou esse serviço «em prol do interesse dos cidadãos e da democracia»?