quinta-feira, 4 de outubro de 2012

E porque é que este assunto nos deveria interessar?

Por isto, além do mais, escrito hoje no Público, por Pedro Lomba:



Aditamento em 5.10.2012:

E também por este motivo, hoje Sexta-Feira, explicado no Público por Vasco Pulido Valente:


8 comentários:

Floribundus disse...

'marechal' Tito aguentou o ninho de víbora a que deram o nome de Jugoslávia em 1919, com algumas sobras do Império Austro-Húngaro.

meteu na cadeia Milovan Djilas por causa do livro 'a nova classe', ou seja a 'nomenclatura'.

é essa nova classe de parasitas que tomou conta desta republiqeta nacional-fascista e a 'suga até ao tutano'.

agora podia escrever Junqueiro 'finis patriae'. para já somos um protectorado da Troica

a

zazie disse...

Grande artigo o do Lomba. Disparou certeiro sobre o Badiou e o palerma do Zizek

JMV disse...

Sem ironia, José, lhe digo que quando ela vier (ruptura, revolução, chame-se-lhe o que se queira), todos os actuais descontentes mas não tão ingénuos que queiram um mal simétrico maior, aspirarão por um...(veja lá...) Mário Soares.
Problema, problema é por ora não se ver nenhum. Mas "ela", porém, também ainda não veio.

JMCL disse...

Vale a pena ler Tony Judt, não tanto pelo seu "O século XX esquecido" ou pelo ensaio sobre a Europa (o prefácio de Mário Soares fica mal na ed. portuguesa) mas sobretudo pelo "Um tratado sobre os nossos actuais descontentamentos".

manuel c r patrao disse...

Não é fácil definir "serviço público",talvez porque não tem por balizas razões de peso e de medida calibradas, como o bom senso.Mas
percebe-se melhor tomado como exemplo o magnífico serviço público que o José presta com este blog. O que tem vindo a fazer voando sobre o que importa,é mesmo o melhor exemplo do que seja serviço público. Pedro Lomba resume bem o que está em causa.
Que Deus lhe acrescente o dom e fortaleça a vontade. Bem haja!

Floribundus disse...

o sebastianismo não terá fim em Portugal.
faz parte da genética nacional.

no séc. XX tivemos 3 revoluções sebastianista. prometeram a árvore das patacas em vez de dizer vão trabalhar malandragem.

a 'idade de ouro' de Hesíodo é mito dos 'trabalhos e os dias'
a 'pesada herança' foi-ce

estou com Manuel Bandeira
«para o desejo do meu coração,
o mar é uma gota»

'óje' comemora-se o tratado de Zamora, o outro 5 já estoirou há muito. pior que o 'Quincas berro de água'

lusitânea disse...

Na "ruptura" que se vai dar o que tem que vencer é o fruto proibido.Em constituição.É a única alternativa.Uma nova ditadura com lugar garantido a professores universitários que com tempo terão que resolver a perenidade da Nação.Doa a quem doer...

Floribundus disse...

hobsbawn, judeu de origem Austríaca nascido em Alexandria (tal como Moustaqui e outros), depois de estudar em Viena e na Alemanha, formou-se em Oxford.

não anti nada mas concordo que foi o comportamento dos judeus de Viena que tornou Hitler anti-judaico.

foi ferozmente nacional-fascista como tantos comunistas e socialista portugueses ainda activos. falta-lhes a força bruta para se revelarem, mas a génese está lá com todos os seus genes.

ontem o PM disse ao antónio comunista Filipe «o seu discurso ,por não corresponder ao de um deputado eleito pelo povo, não merece resposta».

Eric ou Erich passou longamente pela vida para elogiar o que a condição humana tem de mais vil. ficar debaixo do muro parece não o ter traumátizado