sexta-feira, 5 de outubro de 2012

...ou faz leis penais à medida.

R.R.:

O antigo Presidente da República considera lamentável a realização das comemorações oficiais do 5 de Outubro num espaço fechado e não como habitualmente na Praça do Município, em Lisboa.
Mário Soares explicou esta noite, em Alenquer, que para ele “não há cerimónia a sério sobre a República onde não esteja povo, nem no 5 de Outubro de 1910, que todo o povo foi para ali festejar a vitória, no próprio dia da revolução”.
“Como querem que agora se exclua o povo numa cerimónia destas”, questionou o antigo chefe de Estado.
Mário Soares considerou, por isso, “uma coisa lamentável” e deixou um conselho: “Quem tem medo compra um cão, como se costuma dizer”. 


Mário Soares, como alguém já escreveu " é arrogante, pesporrento e malcriado". Quem o disse por escrito em tempos ( no ano 2000) foi o então jornalista António Marinho Pinto, actual bastonário da Ordem dos Advogados. Disse isso e muito mais...e sobre o caso concreto de alguém que tem medo, comprar um cão, será bom lembrar a este indivíduo que goza de todas as condescendências dos media que deveria estar calado. Por uma simples questão de pudor.

"Em Coimbra, onde veio uma vez como primeiro-ministro, foi confrontado com uma manifestação de trabalhadores com salários em atraso. Soares não gostou do que ouviu (chamaram-lhe o que Soares tem chamado aos governantes angolanos) e alguns trabalhadores foram presos por polícias zelosos. Mas, como não apresentou queixa (o tipo de crime em causa exigia a apresentação de queixa), o juiz não teve outro remédio senão libertar os detidos no próprio dia. Soares não gostou e insultou publicamente esse magistrado, o qual ainda apresentou queixa ao Conselho Superior da Magistratura contra Mário Soares, mas sua excelência não foi incomodado.
Na sequência, foi modificado o Código Penal, o que constituiu a primeira alteração de que foi alvo por exigência dos interesses pessoais de figuras políticas.
Soares é arrogante, pesporrento e malcriado.
" - Marinho e Pinto que actualmente se dá muito bem com  o antigo presidente da República. A memória das pessoas é muito curta, como dizia o outro...

7 comentários:

Floribundus disse...

'por que no te callas'

o boxexas sempre foi inqualificável em todos os aspectos.
sempre que o ouço (há quase 40 anos) penso estar no Zimbabué com o devido respeito pelo seu povo.

quase se contavam pelos dedos as pessoas que assistiam nos anos anteriores.

muito bom estudante e não só não sabe o que se comemora.
é como nas ruas. se não colocassem a profissão do nome do celebrado.

não houve distribuição de caricas.

um aluno do 9º ano pensava que CML era 950 em numeração romana.

'in illo tempore' um teco-teco caiu próximo da casa do falecido Savimbi
depois duma visita de estudo

miguel disse...

"Quem tem medo compra um cão."

O diabo é que somos nós que pagamos o cão a este tratante.

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/exclusivo-cm/policias-as-ordens-de-mario-soares010106810

José Barreto disse...

Um caso concreto e, real, embora pareça absurdo, e que presenciei ... in loco ...
Ano de 1975 ... ano em que se punham bombas debaixo dos carros ...
Fim de uma tarde, já escura de verão ...
Via a montra da Livraria Universitária, na Rua de Malpique, onde o dito cujo mora ...
Vi o dito casal à janela do seu apartamento ...
Saiu do prédio uma mulher negra ...
Olhou para cima e, o dito casal indicou-lhe um carro estacionado ...
A mulher abriu-o com a chave que levava ...
E com uma vassoura de cabo longo, começou a vasculhar todo o carro ...
Dentro dele, fora dele e, principalmente debaixo dele, aonde mais de metade do corpo colocou ...
Demorou mais de vinte minutos ...
Finalmente acenou para a janela ...
Para o dito casal ...
A dizer que não com a cabeça ...
Cinco minutos depois o dito casal, todo emproado, desceu e meteu-se no carro, sem agradecer à empregada, desprezando-a, pois nem para ela se dignou olhar ...
Moral da História ...
Se debaixo do carro estivesse uma bomba ...
Era a empregada que sofria as consequências, com toda a probabilidade fatais ...
Insensibilidade, em relação à vida alheia ...
Hilariante! ... Mas ...
Um aspecto real, da personalidade, do dito cujo ...
Acreditem, se tiverem capacidade para isso e, se assim o entenderem ...
Haja Deus! ...


lusitânea disse...

O Mário não foi ao 5 de Outubro de 2012 porque não havia povo.Lendo as notícias do mesmo dia em 2011 parece que a avalanche do povo agradecido foi quase a mesma do que este ano...

Anónimo disse...

Ainda bem que o José escreve sobre estes acontecimentos para que a nossa memória de "galinha" não nos traia acerca de quem é esta gente.
Ontem, o dito cujo, falou para os camaradas e companheiros com voz inflamada. Fala em nome do povo, mas de que povo, do dele? Sim porque o Povo esteve com a Luisa que foi ao Pátio da Galé, mesmo sem convite. Ele que tinha convitre devia lá ir. Porventura seria tambe´m interpelado pela Luísa.
Esta gente que o José menciona não tem classificação. Os testemunhos dos leitores desfazem todas as dúvidas.

Floriano Mongo disse...


Marinho Pinto é daquelas pessoas que sempre que falam, o bom senso corre desalmado atrás das palavras sem nunca as alcançar.

Xico disse...

O Mário Soares é tudo isso que o bloger postou. Tem memória muitíssimo curta. Não gosto da personagem. No entanto reconheço que teve graça. De facto quem tem medo compre um cão. Eu, que não entendo porque se tenha de comemorar o início de um regime imposto à bomba, fiquei envergonhado por ver uma comemoração escondida no fundo de uma garagem.

O Sindicato do MºPº honra o MºPº