domingo, 14 de outubro de 2012

Sampaio, o saudosista

Expresso:
O ex-Presidente Jorge Sampaio defende que é renegociar as condições do empréstimo com a troika, mas para isso é necessário um consenso alargado.
"Já toda a gente percebeu que a austeridade rebenta com o país, com os portugueses e a sua esperança, com os direitos e até com a própria democracia", disse em entrevista à SIC Notícias.

Um dos coveiros do país, que o foi enterrando ao longo de décadas ideológicas, está de volta. Sampaio foi alvo de uma biografia da autoria de um jornalista, correlegionário ideológico, José Pedro Castanheira.

Vasco Pulido Valente recenseia assim o livro de tomo, hoje no Público:


A história de Jorge Sampaio é um resumo da nossa desgraça: em 1962 era da oposição ao regime e liderou movimentos de estudantes que contestavam o regime em nome não se sabe bem de quê, a não ser uma difusa ideia de democracia e liberdade que depois se viu no que desembocava: na ditadura da classe operária sobre a "burguesia", ou seja, num ersatz de comunismo soviético que Sampaio recusava mas encartava a fortiori porque os princípios programáticos e ideológicos não lhe concediam melhor alternativa. Não havia e nunca houve no mundo moderno, alternativa ao capitalismo que não passasse forçosamente pelo comunismo mais ou menos matizado de ditadura feroz e capadora das liberdades fundamentais.
Por isso mesmo Vasco Pulido Valente lhe assenta a chapada para Sampaio chorar as ideias feitas: uma "persistente peregrinação pela asneira e pela pura idiotia ( que durou quase vinte anos)" e que Sampaio atribui a "um efeito inócuo da imaturidade".

Pois vejamos a maturidade de Sampaio, ainda em 1978, mas já depois do Prec e contra-Prec e das lutas populares e do MES e da revolução e da esquerda e ainda da luta pela igualdade e pela abolição do sistema capitalistas e outras coisas que tais. Sampaio tinha nessa altura quase 40 anos, porque nasceu em 1939, e  tal sucedia em 1978, com a profissão de fé nas ideias antigas, já como membro actuante de uma Intervenção Socialista, a "elite da esquerda" , uma espécie de luxo do proletariado urbano e aburguesado, em contradição nos termos:



E que ideias antigas eram essas que foram sendo recicladas, afinal saldadas no mercado da idiotice, muito concorrido em Portugal nesses anos de brasas apagadas?

Sampaio e outros como Ferro Rodrigues, Alberto Martins e tutti quanti ( os 30 amigos de que fala VPV) foram-se adaptando aos tempos que corriam, ao longo dos anos. Para não perderem o comboio daquilo para que se prepararm durante a adolescência, comboio de luxo e que lhes deu sempre boleia à custa do Estado, foram abandonando paulatinamente as idiotices chapadas e passaram a soletrar apenas algumas, esparsas e em conformidade com o ar do tempo que ia passando.
O Partido Socialista, não o "autêntico" que Sampaio queria mas o sucedâneo  que os acolheu tinha aliás uma boa escola nessa matéria porque tinha engavetado o tal socialismo colectivista e sem saída democrática numa gaveta sem fundo mas às paredes da qual se agarravam algumas palavras que lhes continuaram a servir para enganar as pessoas durante estas décadas.
É esse  o grande e único trunfo destas pessoas: o logro continuado, com recurso a palavras gastas mas sempre eficazes. todas emolduradas num capuchinho vermelho: Democracia, "abre-te sésamo" da aceitabilidade social e política, mesmo para os que a negavam ideologicamente. Esta gente viveu sempre de palavras e nada mais porque a competência para outras coisas lhes faltou sempre.
 " Revolução", "socialismo", "exploração capitalista", "pobres", "igualdade", "desfavorecidos", "capitalismo selvagem", "mercados", "défice"  cuja vida peregrina foi assegurada por Sampaio como essencial à manutenção do seu status quo, até agora à palavra "troika" que tomou o lugar daquelas para se trasmudar em talismã de recusa do tal capitalismo e austeridade ( o défice era coisa de somenos e havia muita vida para além do mesmo, como agora se vê) e retoma das velhas ideias sempre presentes.
Há pessoas que na vida nada aprendem e nada esquecem. Sampaio é uma delas.É que nem as viagens que fez à nossa custa, enquanto presidente da República ( santo Deus! Como foi possível?!) lhe ensinaram fosse o que fosse porque foi presidente só mesmo por esses motivos elencados e que também levaram o outro viajante contumaz ao poleiro: pobrezinhos, democracia, igualdade, capitalismo, socialismo democrático, exploradores, amigos dos trabalhadores etc etc.

Os portugueses são uns crédulos. Les portugais sont toujours gais, como dizia a outra...

8 comentários:

Floribundus disse...

o papá fascista era um dos dirigentes da saúde nomeados por Salazar.
depois do 25,iv teve direito a continuar no cargo e até lhe deram o nome ao largo em frente do centro de saúde de 7 rios.

no dito dia 25 devia ser interrogado por ele no tribunal. eu era testemunha duma multinacional farmacêutica de capital português, ele advogado das multinacionais farmacêuticas.

o falecido Abílio Mendes, irmão do cantor, dizia ter sido expulso da universidade ao contrário de sampaio e por muito menos.

com ferro, Martins da MP e outros més correram com o boxexas.

como político não passa dum chorão, provavelmente por o muro lhe te caído em cima da tola.

pela praxe de Coimbra estaria politicamente 30 furos abaixo da cão

limitou-se como PR a ser distribuidor de 'caricas'. dizia-se 'foge Auzenda que o sampaio dá-te uma comenda'

lusitânea disse...

Este homenzinho cujos genes vieram de Marrocos com outros derrubou Portugal.Que para ele que é da raça eleita não lhe diz absolutamente nada.Sermos Portugueses brancos ou agora chineses e pretos depois de ter andado a forçar a "descolonização" só porque contribuiu para nacionalizar depois disso meio mundo que agora nos afunda para ele será sempre igual.Pertence à raça dos Senhores, a escravatura pode ser o resto...
E bastou distribuir umas latinhas em quantidade nunca vista...
Os Portugueses verdadeiros a deixarem-se colonizar é do caraças não é?

Floribundus disse...

os seus amigos do pcp destruíram parte da indústria portu
cuf, siderurgia, sorefame, compahias de navegação, lisnave
agora, com a sua cumplicidade ou benevolência, aspiram a nova revolução. talvez se lixem.

no jantar dos 100 anos de Emídio Guerreiro do ppd (ml) estava por detrás dum biombo à espera de ser recebido em apoteose. não lhe dei boas-noites e fui a única pessoa na sala que não se levantou nem bateu palmas.

'keep your smile crocodile'

Joaquim Pereira disse...

Estes filhos da puta venderam MACAU, a GALP, a EDP, a REN, os cimentos, etc., esvaziaram o Banco de Portugal, a Caixa Geral de Depósitos, o BCP., os fundos de pensões, etc., não há impostos que lhes cheguem, que fazem a tanto dinheiro?!, Salazar era imensamente mais eficiente com apenas um centil destes gastos!

aragonez disse...

Este zero à esquerda nunca conseguiu ser tão daninho para o país quanto o Mário Soares, mas representa bem a nulidade dessa gente.
Tínhamos dois amigos em comum e julgo que só esses dois.
Vi como conspiraram juntos e os resultados da conspiração.
Esses "amigos", que entretanto afastei, mostraram em tempos diferentes, de que lama eram feitos: a que resulta de um esgoto a céu aberto que se mistura com barro.
Aquilo em que transformaram o meu país.

ALCAIDE disse...

A austeridade segundo Jorge Sampaio
____________________________________________________________________



politici lieg (seguir utilizador), 2 pontos , hoje às 16:36 Dr. Jorge Sampaio

– Fundação Cidade de Guimarães

Folha salarial da Fundação Cidade de Guimarães

Folha salarial (da responsabilidade da Câmara Municipal) dos administradores e de outros figurões, da Fundação Cidade de Guimarães, criada para a Capital da Cultura 2012:

- Jorge Sampaio - Presidente do Conselho de Administração:
14.300 € (2 860 contos) mensais + Carro + Telemóvel + 500 € por reunião

- Carla Morais - Administradora Executiva
12.500 € (2 500 contos) mensais + Carro + Telemóvel + 300 € por reunião

- João B. Serra - Administrador Executivo
12.500 € mensais + Carro + Telemóvel + 300 € por reunião
- Manuel Alves Monteiro - Vogal Executivo
2.000 € mensais + 300 € por reunião

Todos os 15 componentes do Conselho Geral, de entre os quais se destacam Jorge Sampaio, Adriano Moreira, Diogo Freitas do Amaral e Eduardo Lourenço, recebem 300 € por reunião, à excepção do Presidente (Jorge Sampaio) que recebe 500 €.

Em resumo: 1,3 milhões de Euros por ano (dinheiro injectado pelo Estado Português) em salários.

Como a Fundação vai manter-se em funções até finais de 2015, as despesas com pessoal deverão ser de quase 8 milhões de Euros!!!
Reparem bem: Administradores ganhando mais do que o PR e o PM!

Esta obscenidade acontece numa região, como a do Vale do Ave, onde o desemprego ronda os 15 % !!!

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/sampaio-austeridade-rebenta-com-o-pais=f759999#ixzz29IiGPUX5

hajapachorra disse...

Há mais vida para além do deficit, pá. Estou admirado por ainda ninguém lhe ter borrado o carro e a casa com esses dizeres.

Maria disse...

Este permanente conspirador contra Portugal, oportunista dos quatro costados, país que aliás pouco lhe importa e possìvelmente nem o considera como seu, filho de gente riquíssima e ele próprio dono de um bom pecúlio obtido graças aos seus clientes bem abastados enquanto advogado e depois, beneficiando dos sucessivos altos cargos políticos ultra bem remunerados a que deitou as manápulas e contudo conservando a mesma ganância por poder e dinheiro, tal e qual o seu amigo do peito e igual oportunista, Soares, também nascido rico e, devido à política, quadruplicando a fortuna mas querendo sempre mais e mais, é, não obstante, um ser tão indigno quanto este. Escroque e traidor - todos aqueles que conspiraram durante décadas contra o nosso país e chegados ao poder, por meios fraudulentos e criminosos, assinaram em cruz a grata missão de pôr em prática a sua sentença de morte, são seres sub-humanos equiparados a cobras venenosas - e tal como todos os seus companheiros de estrada, não merece senão o nosso desprezo e para sempre ser votado ao ostracismo.

Pena é que estes ladrões e assassinos tenham estado durante quarenta anos a aniquilar um país tão longevo quanto o nosso sem que nada lhes tenha acontecido. E para cúmulo, permitimos que todos eles tivessem sacado à descarada biliões aos cofres do Estdo em perfeita liberdade e com o à-vontade dos pulhas genuínos.
Agora, permanecendo livres que nem passarinhos e gozando plàcidamente de reformas multi-milionárias, os patifões continuam a rir-se que nem perdidos do imenso mal que fizeram a Portugal sem que jamais tenham sido travados no processo e, máxima canalhada, o enorme bem que lhes fez ao ego pútrido tão gloriosa proeza. Escusado será acrescentar que toda esta pústula maligna se sente como nas nuvens.

Homens de tão repulsiva índole só merecem a pena de morte. Ou, em alternativa, a prisão perpétua. Só então alguma paz espiritual seria devolvida aos portugueses, fechando-se, apenas numa pequeníssima parte, a profunda ferida aberta no coração de todos aqueles que, mais do que a própria vida, amam o chão sagrado que deu o nome a Portugal.
Maria