Páginas

quinta-feira, 6 de junho de 2013

A nacionalização do BPN foi gato escondido com um rabo de fora?

Na SICN, um deputado do CDS- Magalhães- e um do PCP-Bernardino- debatem vários assuntos  e um deles, fatalmente, a nacionalização do BPN.

O deputado Magalhães, jurista e o deputado Bernardino, idem aspas, discordam. O deputado Bernardino não concordou com a nacionalização. "O PCP foi o único partido que votou contra", diz fazendo jus à doutrina fossilizada em 1920.
O deputado Magalhães, alter ego do deputado Montenegro, acha e voltou a achar que foi uma boa medida a nacionalização. Por causa de um motivo que repetiu com a gravidade dos motivos ponderosos: havia risco de contágio a outros bancos. E repetiu assim pouco convicto: havia risco de contágio a outros bancos. Duas vezes, sem pestanejar muito.

Ora Magalhães é deputado há muito. Rato velho, como costumam dizer os do costume. Magalhães acreditou mesmo no "contágio"? Ou alguém lhe fez acreditar na vantagem do contágio como risco?

É que na altura havia mais gente a afastar o risco de tal contágio como efeito necessário de uma insolvência requerida e ajustada. Porque não deram ouvidos a esses peritos, tão competentes como os demais?

É uma pergunta muito difícil de responder porque as consequências da opção traduziram-se em vários milhar de milhões de euros. Pagos por todos nós.

Como é que se justifica que esses deputados, Magalhães, Montenegros e tutti quanti, com excepção dos jovens fósseis do PCP, tenham embarcado na aventura da nacionalização e não tenham ponderado devidamente o oposto, como por aqui se escreveu em tempos?

No domínio da gestão de Oliveira e Costa ( preso em casa com pulseira electrónica) o "buraco" era da ordem dos 1,8 mil milhões de euros. Actualmente, o DN estima que pode chegar aos 8,3 mil milhões.
Antes, segundo Miguel Cadilhe, a gestão de Oliveira e Costa, provocou prejuízos que teriam solução se o BdP, dirigido então por Vítor Constâncio, tivesse apoiado o plano de reestruturação. Não apoiou e contribuiu activamente para a nacionalização ocorrida em Novembro de 2008.
Segundo justificação da época essa intervenção do Estado, decidida por José Sócrates, Teixeira dos Santos e com o apoio de Vítor Constâncio, deveu-se ao perigo de "risco sistémico", ou seja ao efeito de contágio aos demais bancos, com o fantasma de um prejuízo gigantesco de 20 mil milhões de euros...
Na altura esse perigo de contágio foi assumido como um risco económico. Miguel Cadilhe é peremptório em afirmar que a decisão foi apenas política e o tal risco sistémico um pretexto para a justificar. Na altura, os economistas já sabiam que a queda do BPN não provocaria tal efeito por uma simples motivo: o banco não tinha outros bancos como credores, porque "era um banco pequeno e já era conhecido por não ser de confiança" ( Soares de Pinho). Para além disso, a sua quota de mercado era na altura de 2%. Noutros países faliram bancos que tinham quotas de mercado mais importantes e tal não acarretou qualquer colapso sistémico.


Quando vejo o deputado Magalhães a falar como falou, desconfio que há ali gato escondido com um rabo muito felpudo de fora...

5 comentários:

pvnam disse...

É UMA REGRA DA DEMOCRACIA:
- Um ministro das finanças que dê abébias a certos lobbys tem a vida facilitada... pelo contrário, um ministro das finanças que queira ser rigoroso, tem de enfrentar uma (constante) tempestade política.
.
.
--->>> Com um MINISTRO DAS FINANÇAS RIGOROSO não teria sido 'enfiado' ao contribuinte a nacionalização do BPN, a nacionalização de sistemas piramidais em ruptura acelerada, PPP's, SWAP's, etc...
.
-> Os lobbys que se consideram os donos da democracia - os 'cavadores de buracos' -, com os seus infiltrados em todo o lado (sim, em todo o lado!), isolam e atacam todo e qualquer ministro que queira ser rigoroso, e que não lhes dê abébias para andar a 'cavar buracos' sem fim à vista...
- Obs. 1: Manuela Ferreira Leite (quando era ministra das finanças) quis impor algum rigor nas finanças públicas... consequência: os 'cavadores de buracos' puseram o país inteiro a cantarolar a cantiga «Há vida para além do deficit».
- Obs 2: ao querer impor um certo rigor... o ministro das finanças Vítor Gaspar foi isolado (e atacado por todos os lados) pelos 'cavadores de buracos'.
.
.
O CONTRIBUINTE TEM QUE SE DAR AO TRABALHO!!!
-> São raros os ministros que possuem a capacidade de resistência do ministro Vítor Gaspar... leia-se: O CONTRIBUINTE TEM DE AJUDAR NO COMBATE AOS LOBBYS QUE SE CONSIDERAM OS DONOS DA DEMOCRACIA!
-> Por um sistema menos permeável a lobbys, os políticos deverão ser obrigados a fazer uma gestão transparente para/perante cidadãos atentos... leia-se, temos de pensar em bons mecanismos de controlo... um exemplo: "O Direito ao Veto de quem paga" (vulgo contribuinte): ver blog 'fim-da-cidadania-infantil'.

Floribundus disse...

deveria dizer:
'rabo escondido com ps e amigos de fora'

o 'risco sistémico' era para o pilim dos amigos

preferi não conhecer pormenores ao descobrir que em tempos ouviram uns zum-zuns

o pres. da SLN é actual GM do GOL
(a mania das grandezas ou a pulga que pensa ser elefante)

Zé Luís disse...

O Cadilhe, neste caso como quando citam MFL, não é/foi o que avisou a tempo... Os do phoder do momento estavam nas boas graças dos Zés Albertos e Marcelinos, mais as Lourenços e tutti quanti, nem se ouvia o Chulares, jose...

Por acaso, mesmo, até vi esse debate e pasmei com o Magalhães. Então o Portas questionava sempre o sinistro dos Santos até onde iria o buraco do BPN, que o Portas himself atirava para 3MM, e o CDS aceitou a nacionalização com previsão tao por defeito?

Cheira a esturro...

lusitânea disse...

A maçonaria deixar nacionalizar o que lhe dava lucro?O estado a que isto chegou não é devido ao zé povinho que vivia acima das suas possibilidades.É sim culpa dos corruptos e traidores que nos têm desgovernado ao andarem a polir pedras para fazer cá dentro depois da entrega de tudo o que tinha preto o primeiro sobado da Europa...

Zephyrus disse...

Nunca percebi o que se passou com o BPN, mas na garagem guardo vários jornais da época para um dia rever.

Miguel Cadilhe apresentou nessa altura um plano de recuperação e repetiu que a nacionalização foi um erro. Consta que o famigerado buraco do BPN aumentou e muito durante o processo de nacionalização.

A SLN, agora grupo Galilei, ficou com 3 ou 4 mil milhões em activos que teriam atenuado e muito o buraco que o BPN deixou nas contas do Estado.

Nunca ninguém investigou isto ao pormenor e creio que a verdade não se saberá tão cedo.