Páginas

domingo, 2 de junho de 2013

Déja vu: os guardiães do pote

À medida que uma pessoa revisita o tempo passado através do registo mediático dos jornais, depara-se com acontecimentos que lembram inevitavelmente o tempo presente, as forças políticas actuais e até os mesmíssimos protagonistas da actualidade, alguns deles reconvertidos às associações políticas mais convenientes.

Em 1975, escassos meses depois das nacionalizações de 11 de Março desse ano, a economia portuguesa estava literalmente de rastos e no Expresso de 12 de Julho desse ano, em pleno Verão Quente, dois articulistas- Eurico Ferreira e Alfredo de Sousa- colocavam a questão em inquérito anunciado na primeira página: "estará a economia portuguesa em crise?"
Nessa primeira página também aparecia Mário Soares a "analisar a degradação da situação"...enquanto a pergunta nas páginas interiores passava da "crise" para a mais chã e plana: "falida". Incrível.

Em 15 de Outubro de 1976, o O Jornal, um semanário da esquerda moderada portuguesa ( próximo do PS de Soares e também de Salgado Zenha e outros) organizava duas páginas para relatar uma "conferência internacional sobre a economia portuguesa". Lá aparece o sempre constante, Vítor Constâncio que adquiriu aquele ar de sabedor não se sabe bem onde. O diagnóstico é ainda mais terrível do que o de 1975, mas era claríssimo: " São os credores de Portugal que vêm avisar o país de que tem de pòr as contas em ordem e apertar o cinto". Exactamente como hoje...e por isso mesmo o FMI veio dali a meses para cá, para ajudar o país a "pôr as contas em ordem". Tal como hoje...


 Em 1982 a revisão constitucional anunciada estava num impasse ( isso depois de Mário Soares saber, desde 1976 que as empresas nacionalizadas em 1975 não tinham viabilidade no sector público...). O O Jornal de 23 de Abril de 1982 mostrava isso:

Quase dez anos depois disto, o país ainda não tinha posto as contas em ordem e o FMI estava de volta...com o mesmo Soares ao comando, tal como em 1976. Incrível como a memória das pessoas não levou em conta aquilo que sucedera dez anos antes. Tal como hoje...
A primeira página do Expresso de 3 de Novembro de 1984 mostra como o país pouco ou nada evoluiu economicamente. Politicamente, o problema estava onde sempre esteve: na Esquerda, particularmente o PS de Soares e tutti quanti e na barragem ideológica que impedia a revisão constitucional para pôr o país a funcionar. Tal como hoje.


Em Fevereiro de 1985, "o défice era o dobro do previsto", dizia um certo Silva Lopes que fora governador do banco de Portugal quando o país estava em iminente bancarrota, em 1976. É ler o O Jornal de 1 2 1985.




Nesse mesmo número do O Jornal dá-se conta de um fenómeno que teve grande repercussão nacional nos anos vindouros: a abertura do ensino universitário aos "privados". Um desastre anunciado...com gente que vinha essencialmente do antigo regime, ainda por cima. Portugal tem conserto?

Em 7 de Abril de 1984 o Semanário mostrava na primeira e última páginas uma das fontes dos nossos problemas mais graves de então: as empresas públicas eram subsidiadas pelo Estado e o Fundo de Abastecimento acumulava défice sobre défice porque o governo ( Mário Soares) se recusava a aumentar os preços administrativos, por motivos eleitoralistas evidentemente.
Na última página do jornal aparece o título "FMI bate com a porta" para significar que não tinha havido acordo quanto à "carta de intenções" ou seja, o memorando de entendimento...Antes como agora. E Mário Soares sempre presente. Mais a CGTP e mai-la UGT. Hoje como ontem...


A sondagem referida, era esta, muito interessante pelos nomes que convoca e que provam que em Portugal são sempre os mesmos que mandam. Quanto a responsabilidades, essas, ficam para o povo...


E ainda mais outra do mesmo jornal de 14 de Abril de 1984.




O Tempo de 12 Abril de 1984 não deixava dúvidas na primeira página sobre o estado do país. O "pai da democracia" estava lá, ao leme...



Só em 1986 se começou a vislumbrar uma nesga de luz relativamente à banca privada e mesmo assim...à experiência a medo do...tribunal Constitucional. Tal como hoje...


De resto até nos fait-divers Portugal se aparentava aos tempos de hoje.

O Jornal de 14 9 1984 mostrava este personagem de nome parecido a um actual, por ser pai do mesmo, relativamente a assuntos de dislates públicos em funções de responsabilidade. A acha sai à racha, lá diz o povo...
O que mais impressiona com estas leituras travessas é uma coisa: os nomes. São sempre os mesmos. Sempre. Ainda hoje.
A Itália conseguiu escorraçar a cambada de corruptos políticos que a fustigavam há décadas, com a operação mani pulite e o apoio popular aos juizes que a levaram a cabo. Por cá, só de falar nisto é suscitar a raiva imediata de alguns apaniguados que querem manter o estatuto de guardiães do pote.

É isso mesmo: os guardiães do pote!

E uma última pergunta: porque é que Mário Soares não é confrontado com isto agora, quando profere dislates, disparates e palermices( a chantagem do governo a Portas, por exemplo)?
Porque continuam a dar-lhe tempo de antena a esse indivíduo que tem este currículo político?

18 comentários:

Vivendi disse...

Porque não há gente pública com coragem de lhe fazer frente.

Toda a pseudo-elite vivem e comem às custas destes situacionismo.

Não sabem e não tem capacidade para mais.

lusitânea disse...

Agora que estão a ir às massas e até com efeitos retroactivos às classes médias a estas só resta deitarem tudo abaixo e começar de novo.Mas em novos moldes porque este sistema já demonstrou não ser "amigo", de "confiança" e nem sequer viável, nomeadamente por puro internacionalismo.Os democratas estão à espera que sejam os estrangeiros a safarem-nos...

lusitânea disse...

O "sistema" arrasta tudo menos o próprio "sistema".Democrata pois claro...Quem faz parte do dito come quem não faz cheira...

Floribundus disse...

assisti com tristeza ao desenrolar desta porcaria a que chamam democracia

estamos rodeados de 'filhos do pote'

há duas semanas que só ligo a tv ao domingo e apenas para ouvir o Prof, cada dia mais 'manholas'

Mentat disse...

"A Itália conseguiu escorraçar a cambada de corruptos políticos que a fustigavam há décadas, com a operação mani pulite e o apoio popular aos juizes que a levaram a cabo."

Quer dizer, com uma parte, aquilo não ficou limpinho...
.

josé disse...

PS e PSI desapareceram num ápice e o Bettino fugiu para a Tunísia. Onde aliás foi visitado pelo seu amigo maçónico Mário Soares que garantiu que tudo era uma cabala e que o Bettino estava inocente.

Os italianos tomados como estúpidos como indivíduo está acostumado a fazer por cá.

E não se ficou por aí: quando Andreotti foi acusado de collusione com a Mafia que fez Mário Soares?

Garantiu outra vez que o Giulio estava inocente.

Este Soares só visto...

Mentat disse...

Um dia, num jantar meio de trabalho meio de convívio com franceses, espanhóis, italianos e portugueses, o francês que ficou ao meu lado, (porque eu era o único que falava francês e servia de tradutor), espantou-se um pouco com a nossa lamechice sobre a corrupção da nossa sociedade.
E disse-nos que em França a corrupção, era tanta ou mais do que a nossa, só que os corruptos eram mais “competentes”.
Porque o povo lá não perdia tempo com lamechices, quem parecia corrupto era mesmo apanhado.
Não sei que veracidade há nestas afirmações, mas faziam e fazem sentido.
Aqui em Portugal, entretemo-nos a escrever e a ler sobre isso na imprensa, mas não se faz nada.
No sector da construção civil onde a crise está no topo de todos os sectores da nossa economia, vejo todos os dias e às claras, que quem se está nas tintas para o cumprimento da lei, está na maior.
E ouço que vai haver milhares de fiscais dos impostos para saber se o meu barbeiro me passou factura.
Já não há pachorra.
Agora que era o momento ideal para se apanhar todos os “pratos-bravos”, não se faz nada.
Muito minado devem estar aquelas secções da ASAE ou similares que deviam fiscalizar a construção civil.
Só os vejo chatear gente séria que está de rastos…
.

Mentat disse...

"Este Soares só visto..."

Exacto!
E não se faz nada.
E ele faz uma Fundação, num prédio que a CM Lisboa do filho lhe dá e ainda recebe subsídios.
E o Passos Coelho corta-lhe apenas 30% dos subsídios.
Mas porque é que não cortou tudo?
.

Vivendi disse...

Mas porque é que não cortou tudo?

Ainda levava um tiro. Ameaças públicas não faltam.

Kaiser Soze disse...

Também acho ridículo que o Soares não seja confrontado com o tempo em que, em termos gerais, era o Passos Coelho e fazia o mesmo que ele faz agora.
É ridículo.

Não quero com isto defender o actual Governo que não tem defesa possível. Agora, que estes têm uma vida muito mais difícil que o Soares teve quando por cá andou o FMI no tempo dele, isso parece-me indiscutível.

A finalizar, porque não ouço isto em lado nenhum, acho uma maravilha que não se tenha em conta que o FMI não cá esteve pelo menos mais uma vez, na altura de Cavaco a PM, porque os fundos europeus apareceram em baldes.

São todos umas bestas...

Mentat disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mentat disse...

"...acho uma maravilha que não se tenha em conta que o FMI não cá esteve pelo menos mais uma vez, na altura de Cavaco a PM, porque os fundos europeus apareceram em baldes."

Na altura de Cavaco, e de Guterres e de Sócrates, é preciso não esquecer.

Foi uma das causas que me tornou profundamente eurocéptico por causa disso.
Bem como a destruição da nossa indústria naval, da siderurgia, das pescas, da agricultura, etc. tudo a mando da França e da Alemanha.
A CEE até me parecia uma boa ideia, até ter começado a trabalhar em obras públicas e a ver desperdiçar dinheiro a rodos, que ao contrário do que muita gente pensa, não vinha todo da CEE.
Uma percentagem vinha da CEE, outra era suportada pelo OGE português (e acho que era 40%+60%).
Mas o interesse de muitas dessas obras era mais da conveniência externa do que da interna.
E como muitos dos componentes incorporados nesses trabalhos até eram importadas, muito desse dinheiro da CEE, fazia by-pass directo para todo o lado, menos para Portugal
Quando a CEE se tornou CE, cheirou-me logo mal.
Quando a CE se tornou UE, então passei a temer pelo futuro, e pelos vistos não me enganei.

.

Mentat disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mentat disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mentat disse...

José

Como é que se eliminam comentários repetidos com mais que uma frase?
Consigo eleiminar pequenos mas não grandes.

Mentat disse...

Já descobri.

Unknown disse...

Fiquei curioso com a sondagem sobre Lucas Pires, Pintassilgo e Soares. Pode publicá-la, José? Obrigado.

josé disse...

Posso. Amanhã.