sexta-feira, 1 de setembro de 2017

A vergonhosa formação da GNR dá nisto...

Esta notícia do CM de hoje suscita um comentário e a publicação de outro.


Segundo se indicia pelas notícias já de hoje, "depois de ter estado desaparecido desde quinta-feira da semana passada, o carro de Pedro Palma acabou por ser encontrado esta terça-feira, em Sintra, sendo que o corpo só viria a ser encontrado um dia depois, dentro da bagageira do mesmo carro. Esta quarta-feira, o Observador dava conta de que o cadáver de Pedro Palma tinha sido encontrado com uma garrafa de uma bebida alcoólica ao lado e sem quaisquer lesões ou indícios de luta.o carro foi encontrado terça-feira, mas só um dia depois é que o cadáver foi descoberto, o que fez com que os restos mortais de Pedro Palma só tivessem chegado ao Instituto de Medicina Legal na quarta-feira já durante a noite. A autópsia só foi feita esta sexta-feira, sendo que o funeral só poderá realizar-se sábado. Segundo o Correio da Manhã, a análise ao corpo indica que estaria em coma alcoólico, tendo resistido pelo menos até segunda-feira.
Pedro Palma foi encontrado descalço, mas com os sapatos junto ao corpo, assim como a chave do carro e os documentos. A PJ está a investigar os cenários de suicídio e homicídio. 

O cenário apresenta-se assim:

O fotógrafo desapareceu e pouco depois descobriu-se o seu carro estacionado junto a casa. Ninguém achou por bem mexer no carro para perceber o que teria acontecido e preferiram avisar a polícia, no caso a GNR, para a ocorrência. O cabo de serviço depois de tomar conta da ocorrência tomou conta do carro e não deixou que mais ninguém lá tocasse, não tendo também tocado no mesmo, à espera que aparecesse a polícia de investigação que tem competência para tal, a PJ.
Resultado: o corpo do fotógrafo estava dentro da bagageira do carro e eventualmente poderia ainda estar vivo quando o carro foi encontrado.  Mercê do excesso de zelo do bravo GNR, o coma alcoólico em que o fotógrafo aparentemente se encontrava foi fatal e terá morrido disso.

Se assim foi, a estupidez da actuação da GNR é de tal ordem que só pode obrigar a consequências: ensinar o básico a quem já o deveria saber e principalmente ensinar  que a preservação de indícios não deveria impedir o dono do próprio veículo a mexer nele, sem que ordem válida nesse sentido fosse emitida.
Há ainda outro ensinamento básico que a GNR no caso omitiu: a preservação de indícios passa precisamente pela investigação sumária e urgente, em caso disso, independentemente da intervenção da Polícia Judiciária, mais tarde, como polícia competente par ao efeito.

Então qual a razão da actuação canhestra da GNR? Só vejo uma: deficiente formação e ainda mais deficiente inteligência de quem interveio...a par do jacobinismo que apresenta a lei e regulamentos como medida de todas as coisas, mesmo as mais estúpidas.

Neste sentido é a crónica do antigo agente da PJ, sindicalista e comentador actual da CMTV: uma vergonha, evidentemente.


17 comentários:

hajapachorra disse...

Num país onde ninguém é responsável por porra nenhuma é natural que isto aconteça, que um pobre cabo da guarda se acobarde. Assim procedem os políticos, os professores, os médicos, os magistrados.

zazie disse...

Uma cavalgadura. QI negativo

Maria disse...

O que aconteceu a este fotógrafo e o modo como as autoridades trataram do caso - sem falar noutros tão ou mais graves que acontecem quase diàriamente e que se traduzem em milhares deles por ano - demonstram sem qualquer sombra de dúvida que vivemos num pseudo-regime democrático introduzido no país por uma seita internacionalista que por interpostos governantes falhados, incompetentes, oportunistas, corruptos e traidores, finge que governa de facto o nosso país.

A maneira como se desenrolou a investigação desleixada e ineficiente, pelas polícias que tomaram conta do caso do fotógrafo encontrado morto na bagageira do seu carro um dia depois(!) da respectiva autoridade ter tomado conta da ocorrência, uma coisa destas era totalmente impossível de ter acontecido no Estado Novo. Repito, impossível.

Um qualquer caso de desaparecimento dum adulto ou duma criança (o que era raríssimo e que me lembre no meu tempo nunca tal aconteceu) ou um homicídio (novamente raríssimo de acontecer no regime anterior e as causas nada tinham a ver com as que hoje se verificam) era resolvido em 24 horas. Os 'democratas' ouviram bem? 24 horas! A nossa polícia era considerada uma das melhores do mundo. E hoje?...

Os governantes(?) 'democratas' deste país que se consciencializem de que em quatro décadas conseguiram reduzir o nosso querido país a uma pocilga putrefacta que desde há muito tempo é considerado o caixote do lixo da Europa. Tenham um mínimo de decência e algum amor próprio e demitam-se em bloco dos vossos cargos e abandonem o país, já chega de destruição. Permitindo que portugueses de lei, homens íntegros e patriotas, tomem nas mãos o destino da Nação e a levem a recuperar a honra e a nobreza perdidas, as mesmas por que ela sempre se pautou nos quase mil anos que leva de História.

zazie disse...

É estupidez a mato e outra coisa: a mania de não querer ser responsabilizado.

Fazem-se muito responsáveis mas é por motivo inverso- caguNfa de poderem ter chatices de lei à perna.
Jacobinismo.

josé disse...

É isso:têm medo da sombra que nem existe. É o jacobinismo puro e que é trágico. Estes idiotas — e não me refiro aos cabos,coitados, mas a quem os ensina — ,acham que é assim que se faz.

zazie disse...

Está tudo assim, José.

Eu já me passo quando me vêm com a palavra "responsabilidade".

Quer sempre dizer o contrário contra todo o sentido do dever, o bom-senso e a mais básica moral.

josé disse...

E depois ninguém é responsabilizado por nada de nada.O caso exemplar é o de Pedrógão. A canalha proibiu a passagem por estradas e depois morreram pessoas. A proibição estúpida foi por causa da tal "responsabilidade". As mortes,isso não conta nada a não são responsáveis. Loucura? Não: jacobinismo

zazie disse...

É verdade. Parece um meme. Toda a gente fala assim. Para fugirem ao dever, porque em vez de sentido moral, passaram a ter leis para tudo.

Nunca sabem o que diz a alínea não sei quantos e, por via das dúvidas, o melhor é não fazer o que se deve fazer, não vá caírem-lhe ainda em cima com a "responsabilidade" que vem na alínea. Nessa ou noutra ao lado.

Já assisti a autênticas anormalidades à conta desta imbecilidade jacobina.

Aqui há tempos até umas auxiliares de enfermagem não queriam tirar o resto da sonda que a minha tia com alzheimer tinha puxado. E vai uma e diz- é deixá-la tirar que assim "a responsabilidade é dela"

eheheh

zazie disse...

Até para chamarem o raio de uma ambulância, as responsáveis superiores, pedem a uma tosca qualquer que nada tem a ver com isso para ligar ela do telemóvel próprio.

"Por causa da responsabilidade". Para não haver registo do número e da "responsabilidade".

Para não correrem o risco de serem responsáveis por socorrerem. A tempo ou fora dele. Nunca se sabe do que a lei é capaz...

aguerreiro disse...

E eu a julgar que o nome do suicida deveria de estar em segredo de justiça até ao apuramento de rigoroso inquérito, a cargo do Ministério Público? Afinal como ficamos sr. primeiro ministro deste Eucaliptal (queimado) á beira mar plantado?

jkt disse...

Já aconteceu parecido e não fizeram nada de nada. A pessoa desaparecida até apareceu à vista de todos numa pequena cidade e a PSP só deu conta no dia a seguir.
Quem lida com estas coisas sabe bem.
Portugal é mesmo um Pais de treta, é tudo uma brincadeira. Policias, médicos, MP, etc. Até próprios M. do MP aqui na aldeia não conhecem leis básicas...
Numa questão básica, o próprio M., disse que o que solicitei nem sequer existe. Lá tive que mostrar...
Vergonha.
Muito se aprende com a miséria.

jkt disse...

zazie
É, ninguém quer ser responsabilidade.
Ainda nesse assunto uma pessoa estava alcoolizada e com a cabeça toda partida, cheia de sangue. A ambulância aparece no local, a pessoa no chao começa a disparatar para a ambulância se ir embora. Refiro que é um dever socorrerem e se não o fizerem ficam responsáveis pelo resultado ( a pessoa estava em estado gravíssimo).
Vão buscar uma minuta para assinar que constava que me responsabilizava e foram-se embora.
É para os apanhados só pode. Ia ficar responsável por uma pessoa quase a morrer porque os tipos da ambulância não estavam para se chatear.


zazie disse...

Os tipos do 112 são umas cavalgaduras.

Já apanhei dose com dois anormais.

Recusaram-se mesmo a levar para o hospital. Dias depois foi mesmo e calhou de apanhar lá um deles.

Disse-lhe logo alto e bom-som. O tipo ia-se enfiando por um buraco. Que assim não, toda a gente ouvia e não sei que mais.
E eu disse que era mesmo para se ouvir e que era uma besta porque negou que a pessoa pudesse estar doente, quando estava com pneumonia.
Que era sono...

Ricciardi disse...

É quase certo, uma espécie de verdade científica que, se o gnr tivesse mexido no carro e conspurcado as provas eventuais, o mesmissimo jornalista estaria a dizer o contrário, que o gnr não devia ter tocado nas provas. É também provável que os escravinhadores estivessem a dizer que falta formação ao gnr, onde já se viu mexer nas provas?
.
Isto de dar pareceres para aquilo que se desconhece é hobby da nova chusma de gente escrevinhadora que não tem nada a dizer excepto dizer mal de qualquer cousa.
.
Rb

Oscar Maximo disse...

Ricciardi, 1* encontra-se um crime, 2* procura-se as provas. Tem de ser esta a ordem natural das coisas, o que não impede a GNR de estar formada sobre a preservação das provas. Não há que chamar a PJ a torto e a direito.

CCz disse...

Zazie:

Peca-se por actos, palavras e OMISSÕES

zazie disse...

Pois é, CCz

Bjs

O TCIC é para acabar...