terça-feira, 5 de setembro de 2017

Quando L´Express foi mais longe com Mário Soares...em Julho de 1972

A revista francesa L´Express, na edição de 10 de Julho de 1972 publicou uma extensa entrevista com Mário Soares, então exilado em Paris, por ocasião da publicação do seu livro, na capital francesa, Le Portugal Bâilloné ( Portugal Amordaçado, título apócrifo).

Essa entrevista foi transcrita integralmente no livro Escritos do Exílio, de Mário Soares, edição Bertrand, de Junho de 1975.

Vale a pena ler a entrevista do então socialista, esquerdista e nada social-democrata, Mário Soares e sobre o modo como encarava muitos aspectos que se revelaram essenciais para o Portugal que sairia da Revolução de Abril de 1974. O germe do PREC já estava lá...

A descolonização apressada, a economia estatizada e a aversão ao capitalismo estão aqui espelhadas neste retrato a sépia. O comunismo era mesmo o seu compagnon de route. Mesmo que escassos meses após o 25 de Abril tenha inflectido o rumo e posto o socialismo na gaveta, a verdade é que os efeitos ideológicos e políticos estavam lançados e uma vez a pasta socialista fora do tubo, nunca mais seria possível voltar a pô-la no devido sítio.

A "descolonização exemplar" já se encontrava aqui exemplarmente delineada: entregar tudo, a correr e o mais rápido possível, sem atender aos portugueses que se encontravam nas então Províncias Ultramarinas que para Mário Soares continuavam a ser colónias e tal circunstância um pormenor de rodapé histórico.

 A Geringonça é um reflexo disto que aí fica: 



Este mesmo Mário Soares que assim falava em 1972, alguns anos depois e quando estava no poder executivo, em Portugal ( logo após a segunda bancarrota no país...) decidiu que afinal o capitalismo e os bancos privados e os capitalistas eram necessários ao país. Mudou de ideias? Claro, radicalmente. Alguém se importou? Apenas os comunistas...

Já no final da vida, Mário Soares confessou em entrevista o que aconteceu em Portugal, relativamente a um banco bem conhecido, nos últimos 40 anos. Não admira que na altura em que o tal banco se encontrou na falência, muito por culpa do seu máximo gestor, se o poder político fosse socialista, teria novamente ajudado o tal gestor, como da primeira vez...apesar de já não existir o "ami Miterrand" ou outros mecenas da sociedade civil. 



A pergunta que queima, agora, é esta: como é que o tal "gestor bancário" agradeceu ao antigo político, putativo pai da democracia que temos? Em géneros ou serviços?

"E esta, hein?"

9 comentários:

Floribundus disse...

na falecida livraria Maspero
falava-se de encontro com os sociais-fascista do seu amigo barreirinhas

lusitânea disse...

Agora?Ora ora andam todos a colonizar-nos e com subsídio!É chique terem mudado a cor dos africanistas no maior roubo que houve na história...

muja disse...

A África era uma maçada, sempre a bloquear tudo... Esse espinho, esse ultraje - como ousávamos ser ainda diferentes dos outros?!

Como era possível não compreender que era preciso vagar ali o território? Que era preciso desbloquear...

Então não sentiam os ventos a baterem-lhes na cara?

Mas constato que ainda detemos um "record": continuamos o país mais pobre da Europa. Há "ventos" que sopram sempre na mesma direcção. Nada que impeça o pessoal de aderir a teses e analogias idiotas, porém.

Floribundus disse...

actual-mente o importante é o diálogo, as comissões (e consignações), os afectos

os outros que se desenrasquem

cative-se tudo

o futuro ocorreu a 'silhas passadas'

Floribundus disse...


parece existir uma mafia dirigida por
Don Activos

citadinos no poder

mundo rural agónico e
em vias de extinção

o governo ocupou 94% dos hóteis
com sumo interno

Expatriado disse...

Cortesia do 31 da Armada

De jeito em jeito a historia de Portugal dos últimos 40 anos em 40 segundos

https://youtu.be/0ybuUXCFVM4

josé disse...

Obrigado, já aproveitei a sugestão.

osátiro disse...

Creio que MSoares só se revoltou contra o MFA/PCP .comicio na alameda...pk percebeu, após o 11 de março, que a VIDA dele estava em perigo..
veja se os abraços em 01 maio de 1974....

uma pequena correção: o socialismo na gaveta, creio, foi dito em 1977, quando o FMI exigiu maioria parlamentar...e surgiu a coligação com o CDS.....

josé disse...

Huummm...há uma entrevista com Mário Soares, em 1976 em que o mesmo já assume a coisa, ou seja o socialismo colocado entre parêntesis.

Aliás como o ami Miterrand que logo que começou a ver, em 1981 o dinheiro a fugir da França, abandonou as ideias miríficas do socialismo.