quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Can´t

O grupo alemão de música popular Can acaba de perder mais um membro. Holger Czukay morreu na terça-feira, com 79 anos.

Em Janeiro deste ano tinha morrido Jaki Liebzeit e em 2001 já tinha desaparecido Michael Karoli. Já lá vão três, tantos como os discos originais que tenho do grupo: Soon over Babaluma de 1974; Landed, de 1975 e Saw Delight, de 1977.

Nesse ano de 1977, segundo o "top" da revista Música & Som, os êxitos de vendas de música em Portugal eram a canção de José Cid, Anita não é bonita; os Boney M, com Daddy Cool; Amália Rodrigues com Caldeirada; Abba, com Money, money, money; John Miles com Music e os Green Windows com Rita, Rita, Limão, para ficar na primeira meia dúzia.
Nos discos grandes, em lp, os Queen dominavam com A day at the races, na peugada do anterior sucesso de 1975, A night at the opera. Logo a seguir, Chico Buarque, com Meus caros amigos, o que tem Mulheres de Atenas e Meu caro amigo ( referido ao português, radialista, José Nuno Martins); Peter Framptom, Comes Alive e Genesis de Wind and Wuthering.

Os Can estiveram nessa altura em Portugal e a revista Música&Som fez um pequeno artigo sobre o grupo. O poster parcialmente mostrado abaixo é desse número da revista.

A música dos Can, particularmente destes discos e dos anteriores é tributária do então chamado "rock alemão" e era passada ocasionalmente nos programas de rádio nocturnos dessa época. Um deles até tinha o indicativo directamente saído de um tema do disco Flamende Herzen, de Michael Rother, fundador dos Neu!, alemão que chegou a fazer parte, inicialmente,dos Kraftwerk, talvez o grupo com maior projecção mediática, até hoje. Ainda este ano estiveram em Viana do Castelo no festival "neopop", de música electrónica. Os Kraftwerk merecem um postal dedicado, um dia destes, tal o interesse e qualidade de todos os seus discos.
Quanto a outros alemães, os Neu! ouvem-se com algum esforço, tal como os Faust, apesar da linha melódica de algumas Faust Tapes. Os Tangerine Dream ouvem-se sem se dar conta e chegaram a passar no rádio de 1975 e 1976 discos deles que surtem o efeito do vento a soprar pelas frinchas de janelas, com algumas abertas e o som do mar em fundo. Já ouvi falar dos Popol Vuh mas nunca ouvi a sonoridade com ouvidos atentos. E não será por falta de oportunidade uma vez que tais sons estão disponíveis no You Tube a todas as horas e em definição sonora aceitável. Mas nunca me puxou, de facto.

Ou seja, tirando os Karftwerk e os Can, que se ouvem com manifesto agrado e sem esforço, todos os demais carecem de predisposição e paciência para a empreitada.
De todos, os mais inovadores e interessantes são mesmo os Can. Por isso a falta dos seus músicos é o fim de uma era.



14 comentários:

Floribundus disse...

esqueceu-se que em 77 no rectângulo já tínhamos
os 'Can Alhas'

josé disse...

É grupo muito antigo, do tempo do reviralho...

muja disse...

Eheheh!

Bic Laranja disse...


O meu irmão, que sempre foi meio estranho e não tinha apreço na música, o único disco que comprou foi dos Tangerine Dream. Não mo deixava pôr na no gira-discos nem no punha ele, para o não gastar. Lá mais para trás lembro-me de lhe falar em Beatles (eu era muito pequeno — menos 8 anos— e sorvia a cultura pop assim...) e de o ouvir responder Krafwerk e Emerson Lake and Plamer. Um desconcerto que se não entendia. Isso da Música & Som, sim: Zé Cid, Abba, Boney M, «Rita Rita Limão», toda a gente entendia.
Nessa esquisitice, deu uma corrida de Porsches na TV e lá na rua não havia quem dissesse que não eram o melhores automóveis do mundo. Disse-lhe Porsche e isso, e o fulano respondeu-me — McLaren.
— Quê?!!
E ele: — Yardley McLaren.
Coisas do tempo do Fitipaldi.
Mas deixe.

Bic Laranja disse...

Outra coisa que o meu irmão dizia era Peter Frampton

joserui disse...

Ainda estou à espera de ver o 44 a ferros, a tocar ferrinhos nessa banda. E o Vara gaita de beiços.

josé disse...

Tangerine Dream? Lembro-me de ouvir Phaedra e Acqua quando sairam, no rádio. Ouvia religiosamente aqueles sons ondulantes que simulavam as ondas do mar e pareciam-me realmente audíveis, como música. E até são. Só que carecem da tal disponibilidade sensitiva para tal e agora não tenho tanta.

Quanto ao Peter Frampton é um bimbo e já era em 1976 quando saiu o disco Comes Alive que vendeu aos milhões, sendo um dos primeiros mega-mega hits da música pop.

Mesmo assim, como me lembra esse ano magnífico e principalmente o seguinte, de 1977 de doces recordações perdoo a bimbalhice e até gosto de ouvir o tema em causa - Baby i love your way- tocado numa Ovation Balladeer que saiu na altura.
Essa e também o tema Show me the way, cantado com um artefacto colocado no microfone para distorcer a voz e assimila-la a um instrumento, no caso a guitarra.

O Joe Walsh também fazia isso nessa altura.

E gosto do disco seguinte, I´m in You, cúmulo da bimbalhice que foi gozaro pelo Frank Zappa no disco Joe´s Garage ou outro dessa altura.

Bic Laranja disse...

Uma das coisas que o meu irmão dizia de Frampton era que punha a guitarra a falar. Ora está bem de ver.
:)
Desculpe a conversa fiada a desviar-lhe o tema.
Cumpts.

joserui disse...

Essa do Peter Frampton é conhecida e é basicamente verdade, porque lembro-me de uma música em que de facto ele parece fazer a guitarra articular umas palavras. Ou seja, não queria dizer que era uma melodia celestial, mas a falar mesmo :) . Dito isto, não gosto. Mas gosto de Can e lembro-me de gostar de Tangerine Dream no século passado. Nunca mais ouvi.
Para quem se interessar por música mais contemporânea (eu sim), a razão porque parece toda igual.

muja disse...

Eu bem digo... O joserui está praticamente comunista... Agora interessa-se por música contemporânea e tudo...

Eheheh!

Mas olhe que eu não me fiava muito nessa história ó joserui. Cá para mim, a música contemporânea é toda igual porque para vender - que é o papel dela - não precisa de ser diferente.

A generalidade das coisas hoje em dia tende a passar à categoria de "calças de uma só perna".

westerson disse...

https://www.youtube.com/watch?v=9wn-bjwHZY8

josé disse...

Obrigado. Estou a ouvir e os primeiros sons são uma maravilha. Lembra o Lizard dos King Crimson, com outra dimensão.

Vou ouvir até ao fim...

josé disse...

A meio do disco, no tema Hosiana Mantra já me desilude um pouco. Parecem os Renaissance com menos ondulação sonora e melódica. Nada a ver com os Can...

joserui disse...

Hehe… eu disse música de intervenção? Ou música concreta?
Eu hoje sou bastante eclético, ouço clássica, jazz, rock, pop… mas muito no nicho popularizado por António Sérgio "vanguarda" ou "som da frente", o que se revelou verdade. E dentro dessa onda independente, a verdade é que muitos vendem pouco portanto a explicação é curta. Mas por acaso gosto imenso de coisas que estão a ser feitas agora tipo Savages, Tindersticks, Battles, Sharon Van Etten, Horrors, Cass McCombs, Jesca Hoop, xx, PJ Harvey e muitos mais. E ainda mais daqueles que na verdade só têm uma música na minha opinião … é uma das diferenças de antigamente, nem decoro o nome, nem penso em comprar nenhum álbum.

O TCIC é para acabar...