quarta-feira, 5 de março de 2014

A banda sonora do PREC: pelo sonho se deixaram levar



Nos meses que se seguiram ao 25 de Abril de 1974, a música portuguesa , nos rádios, era virar o disco e tocar sempre o mesmo. Como não houve grandes novidades discográficas, para além dos já apontados discos de Sérgio Godinho, Fausto ( que publicou entretanto e depois do primeiro, o disco Um beco com saída, tão panfletário nas letras quanto genial na música)  e José Afonso, tocavam-se os antigos, do tempo do protesto e da “intervenção”, ad nauseam.

Durante o Verão de 1974 surgiu o sucesso da época: Somos Livres, de Ermelinda Duarte, uma  canção das novas peças de teatro (“ Lisboa- 72-74”) e que soou vezes sem conta nos rádios da altura a par do Sugar baby love dos Rubettes, ou My only fascination de Demis Roussos, de You´re having my baby de Paul Anka ou de Rock your baby, de George MacCrae, porque passavam mais vezes do que Oh very young de Cat Stevens e talvez tantas como Toro de lágrimas do brasileiro António Carlos ou oConto de Areia de Clara Nunes ( um clássico da mpb). 

Assim, ouvia-se o Operário em Construção, um poema de Vinicius de Morais, dito por Mário Viegas ou a Dificuldade de Governar, o poema de Brecht dito no mesmo disco e  de repente ouvia-se uma magnífica canção francesa, Danse, de Georges Moustaki ou alguns temas do disco brasileiro Temporada de Verão, em que Caetano Veloso e Gilberto Gil têm a parte de leão, com temas como O relógio quebrou, o sonho acabou ou a fantástica Felicidade ( foi embora), de Caetano Veloso, uma das melhores cantiguinhas de sempre, de todas as épocas e latitudes.
Da música brasileira poderia ouvir-se mais porque esse ano e o seguinte, de 1975, foi rico em sucessos. Clara Nunes e O mar serenou; Cyro Aguiar e Crítica; Carmen Silva e Amor com amor se paga, Fafá de Belém e Filho da Bahia que fazia parte da banda sonora de Gabriela ( e que seria vista por cá em 1977) e o grande êxito dos bailes de todos os tempos depois desse: Bilu Teteia, de Mauro Celso, só batido por outro da mesma altura: Meu amigo Charlie Brown, de Benito di Paula.
Em finais de 1974 quem queria ouvir boa música portuguesa e estrangeira, sintonizava o programa Página Um, que passava na Rádio Renascença das sete e meia da tarde ( pouco depois de terminar o Terço)  até às nove, de Segunda a Sexta.
As novidades discográficas eram apresentadas por locutores informados e com frequência apresentadas em primeira mão porque vindas da Inglaterra, onde o programa tinha colaborador permanente ( Fernando Tenente).
No último dia de 1974 o programa, nessa altura animado por Luís Filipe ( Paixão) Martins ( o mesmo da actual LPM) foi assim, tal e qual, como apontei a lápis numa folha de papel.Um certo Albarran substituiu o primeiro, durante o mês de Agosto e no ano seguinte, no Verão Quente de 1975,  houve borrasca por essa altura, lá para os lados da Embaixada de Espanha, tendo esse protagonista como figura...


Como se nota, deu-se conta do aparecimento de um grupo, com o nome de Banda do Casaco ,  e ouvido nessa altura um single, Lavados, lavados sim. O Lp, Dos benefícios de um vendido no reino dos bonifácios, foi passado integralmente, no dia 8 de Fevereiro de 1975 e estive lá, à beira do rádio,  para ouvir e registar.
O Página Um, nos meses do PREC, em 1975, foi um dos programas mais activos na passagem de músicos revolucionários e não havia uma única emissão, nesses meses de finais de 1974-75 que não passasse música chilena, francesa ou de outras bandas que não fosse de punho no ar e com as armas a cantar virtualmente mas com desejos de realidade utópica. 

Em meados de Fevereiro de 1975, o programa foi interrompido, devido a greve, para meu grande desgosto e só voltou a ouvir-se em 5 de Abril desse ano. O desgosto era de saber que não havia outro igual na rádio portuguesa da época e lá se iam as novidades musicais que só aí se apanhavam.  Todos os dias dessas longas semanas, tentava a sintonização , debalde e para ouvir o ruído típico da dessintonia radiofónica.  Um trauma que ainda hoje perdura…

Por isso aqui fica o alinhamento de alguns músicos e músicas da época, passados numa Messa 2000s, fabricada em Portugal e que ainda matraqueia nos dias de hoje, se preciso for. 


Sobre o lançamento do primeiro disco da Banda do Casaco, o grupo de Nuno Rodrigues e António Pinho, o Expresso de 8 de Fevereiro de 1975 fazia assim uma recenssão crítica pela pena de Pedro Pyrrait:


A Banda do Casaco, um dos grupos de música portuguesa mais fantásticos de sempre e que este ano que passou lançou no mercado duas caixas contendo todos os sete discos que publicou mais alguns temas inéditos, ( à venda em exclusivo na FNAC a 50 euros cada caixa), teve pouca sorte em 1975. 
Os tempos eram de luta revolucionária e apelo às armas, em sentido não metafórico. 

Durante o ano formou-se um "colectivo" capitaneado pelo revolucionário José Mário Branco, o mesmo da Canção é uma arma contra a burguesia e chamaram-lhe GAC- Vozes na luta. 

A leitura do "prospecto" é o programa. É ler e apreciar a loucura desta gente, em 1975. Foram os mesmos que nos anos vindouros apoiaram moralmente os sucessores do PRP-BR. FP25 e tutti quanti prometiam um "mundo novo" esperando que o povo acreditasse nas balelas. Como não acreditou viraram-se para as canções infantis, alguns deles e outros, continuam por aí, sempre de braço no ar "enquanto à força no braço que vinga... ". Outros arrependeram-se e tornaram-se os inimigos que queriam então abater...





Na Primavera de 1975 houve o acontecimento musical daqueles anos: o grupo britànico Genesis veio a Portugal, a Cascais,  para um concerto. O grupo tinha lançado no início desse ano o duplo lp The Lamb lies down on Broadway, passado no rádio de então, a primeira vez por um João Filipe Barbosa que o apresentou pelos primeiros acordes do piano desafiando os ouvintes a identificar o som ( e eu estava a ouvir e lembrei-me de ter lido a crítica na Rock & Folk dias antes).

Antes do Verão Quente, houve ânimos exaltados quando os bilhetes não chegaram para todos. 

A Mundo da Canção nº 42, de Maio de 1975, escreveu assim:


 O Expresso( Pedro Pyrrait) nem assim escreveu porque dedicou umas linhas e alguns parágrados ao assunto...do anúncio do concerto, na edição de 1 de Março de 1975.



De qualquer modo, nessa altura já se ouvia Led Zeppelin e Physical Grafitti ou Rory Gallagher e o disco ao vivo Irish Tour ´74. Ou os Traffic de When the Eagle flies ou ainda os King Crimson de Red. 

Quem tinha isto para ouvir, integralmente ( passavam integralmente os discos em certos programas do rádio, à noite, como no Espaço 3P, do RCP,  apresentados por Fernando Balsinha ou Jorge Lopes) não precisava das canções revolucionárias para nada. 
Esta é que era a música revolucionária porque nunca mais se fez outra igual...

11 comentários:

zazie disse...

Incrível, como já anotava e organizava tudo.

E, ainda mais incrível, como conseguiu guardar e não perder tudo isso.

":O)

Lura do Grilo disse...

Impossível, impossível era já ouvir "Uma gaivota voava, voava .." quando pretendiam transformar o país num galinheiro

josé disse...

Por isso é que me lembro de tudo isso como se fosse ontem.

E tenho mais dias de registo da Página um. De Janeiro e Fevereiro de 75 mais os meses de Maio e Junho de 75.

Com as músicas todas e os intervalos de publicidade.

As anotações sobre as músicas são ipsis verbis aquilo que o Luís Paixão Martins anunciava e anos mais tarde, em meados dos oitenta, no tempo das rádios piratas, tive um programa em que tentava imitar o mestre. E gravei alguns...

josé disse...

A gaivota é o Somos Livres.

josé disse...

Há um nome que apontei, de ouvido, em 31 de Dezembro de 1974, o de Gary Chesterton que afinal é Gary Shearston, australiano. E tem uma música que vale a pena ouvir: i get a kick out of you.

Floribundus disse...

o PREC regressa amanhã com o desfile da 'BÓFIA'.

dizia-se que a banda da GNR usava menos um nota
'tocava sem dó'

o poder 'caíu na rua' em 25.iv e nunca mais se levantou

sempre que há um vazio,
alguém o ocupa

Putin na mó de cima

se os homens engravidassem não havia tanto aborto no mercado

muja disse...

"Porque não se acaba de vez com as cadeiras, os lugares marcados, a discriminação de bilhetes?"

acabar com a discriminação de bilhetes... ahaha

zazie disse...

Pode crer. E acabaram mesmo nos cinemas e teatros com lugares marcados.

Despediram os arrumadores em nome da igualdade da fuçanga de ver quem chega primeiro ao melhor lugar.

Unknown disse...

"I geta kick out of you"...
Desculpar-me-à, Doc, coisas da idade, sabe...
Mas essa música/poema do Porter, só pelo Francisco Alberto ou por "ela"...
Uma eventual concessão à Julie London , que a canta "pecaminiosamente"...

josé disse...

Ah! Então vamos lá aos preciosismos de rigueur.

A música a que me refiro foi um single que saiu nessa altura e que foi incluido num lp que tenho.

Nesse disco de Gary Shearston intitulado Dingo, editado pela Charisma ( CAS 1091) em 1974, o tema citado vem escrito como sendo I get a kick out of you, tal e qual. E é a canção de Cole Porter porque lhe são atribuídos os créditos, no disco.

É a única que vale a pena ouvir, no disco e é uma versão fabulosa.

Calculo que deve ter inúmeras versões, incluindo a que aparece escrita como i geta kick out of you. Será a do Sinatra?

Unknown disse...

Claro ,Francis Albert Sinatra , a.k.a The Chairman of the Board,Old Blue Eyes , etc.
Só não menciono um dos outros "nicknames", The Voice. porque esse também é aplicado à Fabulosa Ella, a Fitzgerald...
Como pode ver, sou velho que me farto...

O juiz do mecanismo ligado ao PS...