sábado, 24 de outubro de 2020

A ciência difusa do "historiador" Pacheco Pereira

 Hoje no Público, José Pacheco Pereira, o "historiador" ( supõe-se que será por causa de uma biografia em dois volumes de A. Cunhal que o epíteto se lhe auto-assenta...) escreve assim sobre a dicotomia esquerda-direita. 

Um: 


Certamente por causa das intensas elaborações históricas deste recolector de papel velho e mais bugigangas, as ideias tornam-se-lhe confusas e já não sabe identificar ao certo qual a sua mão direita ou a esquerda, em modo ideológico. Os pés já se metem pelas mãos e por isso convém recordar os princípios e valores de sempre. 

Há cerca de um pouco mais de meia dúzia de anos tinha feito as mesmas figuras e houve então quem o ensinasse a não trocar o passo. Foi outro historiador, este verdadeiro e não apenas dedicado a biografias hagiográficas.  

Dois:


Este mesmo já antes tinha escrito o que era preciso para se saber a quantas andamos quando falamos de direita e esquerda ou extrema-esquerda.

Esquerda-direita, em 2009: 



Porque é que este Pacheco Pereira não se dedica a escrever sobre o seu material de recolecção, em vez de besuntar semanalmente as páginas já enegrecidas de langor esquerdista do jornal onde verte as inanidades? 

Será que vai passar a tecer loas ao zé do bidé? Se ganhar, claro está...


Sem comentários: