Páginas

domingo, 2 de junho de 2013

"Isto" continua na mesma...o "pote" é que conta.

Esta dupla página do Diário de Notícias de hoje, com chamada na primeira página, dá-nos um retrato muito aproximado do regime que temos em Portugal, em vigor há algumas décadas: os apaniguados dos partidos, com lugares nos órgãos da administração pública são às dúzias, centenas, milhares. O "estudo" do DN confunde várias categorias, misturando assessores com motoristas e "técnicos especialistas" com "colaboradores", mas ainda assim o número de "nomeados" por este governo para os vários "tachos" da administração pública, contratados directa ou indirectamente é sensivelmente idêntico ao dos governos de José Sócrates.Só isso basta para dizer que fomos enganados por este primeiro-ministro que prometeu um "governo mínimo" e assegurou publicamente que " os membros do governo não podem recrutar ilimitadamente uma espécie de administração paralela nos seus gabinetes." Tanto podem como o fizeram, colocando em risco a honorabilidade de um primeiro-ministro que se afigura igual aos demais e sem autoridade moral para repartir sacrifícios que não suporta pessoal ou politicamente em relação aos apaniguados de partido.
Estas coisas pagam-se porque enganar o povo não é digno de governantes que pretendem demarcar-se de Inenarráveis na governação das coisas públicas. Pedro Passos Coelho, neste aspecto, em nada se distingue de José Sócrates. E isso é fatal para a credibilidade de um político.
Não advogo dissoluções de AR nem substituições de governo extemporâneas. O que advogo é um pouco mais de vergonha, coerência e respeitabilidade por quem os elegeu com esses compromissos. A legitimidade vem do voto, em democracia, mas substancialmente, como alguém que nem sequer tem autoridade moral para falar destas coisas, disse esta semana, também deriva do apoio popular, da credibilidade intrínseca e honorabilidade no exercício do cargo. E estes exemplos são eloquentes do desprezo a que é votado o povo, porque se lhe mente permanentemente com o objectivo de alcançar o poder. Uma vez no poleiro é o pote que conta. Aliás, tal já foi dito explicitamente pelo actual primeiro-ministro

De resto, este exemplo mostra à saciedade o que virá a seguir se o PS ganhar eleições: mais do mesmo e ainda pior, muito pior, porque a fome de "pote" já é tanta que há desesperados a reunir em emergência, capitaneados por um antigo primeiro-ministro que foi o que foi e que foi corrido do poder executivo a pontapé metafórico, foi eleito presidente da República por carência de personalidades de esquerda capazes de acaparar o pcp e franjas extremistas e depois fez da presidência um regabofe permantente, com o beneplácito generalizado. Agora que jejua há anos, está tísico de tanto espernear na praça pública pelo almejado "pote" salvífico. Toda a aparição pública é usada para esganiçar protestos contra o governo que está no "pote" e que não os deixa lá meter a unha.



18 comentários:

António Barreto disse...

Uma triste realidade que dá razão às convicções de Marcelo - e até Salazar - a propósito da democracia em Portugal! Quem diria?...,afinal, a democracia entre nós é o regime através do qual as clientelas partidárias vivem à custa dos cidadão "livres".

Vivendi disse...

Salazar percebeu o que era o Socialismo de Estado...

«Esse socialismo de Estado, que muitos apregoam e aconselham como um regime avançado, seria, na verdade, o sistema ideal para lisonjear o comodismo nato e o delírio burocrático do comum dos portugueses. Nada mais cómodo, mais garantido, mais tranquilo, do que viver à custa do Estado, com a certeza do ordenado no fim do mês e da reforma no fim da vida, sem a preocupação da ruína e da falência.

O socialismo de Estado é o regime burguês por excelência. A tendência para esse regime, entre nós, deve, portanto, procurar-se mais no fundo, falho de iniciativas da nossa raça do que noutras preocupações de ordem social. O Estado não paga muito mal e paga sempre. É-se desonesto, além disso, com maior segurança, com segura esperança de que ninguém repare.

As próprias falências, os desfalques, as irregularidades, se há compadres na governação, são facilmente afastados e os défices cobertos - regalia única! - pelos orçamentos do Estado.

As iniciativas, por outro lado, não surgem, não progridem, porque o padrão é imaterial, quase uma imagem. As coisas marcham com lentidão, com indolência, com sono. É possível que essa socialização tenha dado ou possa vir a dar ótimos resultados em qualquer outro país. Entre nós, os resultados não podem ter sido piores nalgumas experiências já feitas. Basta citar os Transportes Marítimos, os Bairros Sociais, os Caminhos de Ferro do Estado... Apenas uma excepção, que me lembre: a Caixa Geral de Depósitos. Essa é, realmente, uma iniciativa admirável do Estado Português, que tem prestado ao País, ao desenvolvimento da sua economia, sobretudo nestes últimos anos, incalculáveis serviços. (...)

Sou absolutamente hostil a todo o desenvolvimento de atividade económica do Estado em todos os domínios em que não esteja demonstrada a insuficiência dos particulares. Admito, sim, e procuro a cada momento desenvolver a intervenção dos poderes públicos na criação de todas as condições internas ou externas, materiais ou morais, necessárias ao desenvolvimento da produção. Essa intervenção é, mercê das dificuldades da época e dos problemas postos pela economia moderna, não só necessária, como cada vez mais vasta e complexa. Qualquer economia nacional que se encontrasse desacompanhada e desprotegida soçobraria em pouco tempo. Mas isso dificilmente se pode chamar socialismo de Estado.»

António Oliveira Salazar

lusitânea disse...

Até já a tropa leva com comissários políticos em lugares onde NUNCA tinha acontecido como nos serviços sociais...

Floribundus disse...

as clientelas partidárias servem para diminuir as estatísticas de desemprego

os do ps estão desempregados ou em empresas públicas?

Mentat disse...

"...isso basta para dizer que fomos enganados por este primeiro-ministro que prometeu um "governo mínimo" e assegurou publicamente que " os membros do governo não podem recrutar ilimitadamente uma espécie de administração paralela nos seus gabinetes."

Caro José

O único que foi enganado, pela sua ingenuidade, foi Passos Coelho, ao pensar que com Portugal num estado de emergência, os funcionários públicos, colocados lá nos Ministérios pelos anteriores governos teriam um mínimo de Patriotismo.
Nesse aspecto ele e outros ministros foram mesmo uns “anjinhos”.
Mas não estamos na Inglaterra ou na Itália, em que os Governos mudam, mas as estruturas de apoio mantêm-se, porque o seu conceito de Pátria, Honra e Respeito é bem diferente da corja que ocupa a máquina do Estado
Quando Passos Coelho tomou o Poder, toda a máquina estatal estava, e está, minada e subvertida.
E o José tem dados inúmeros exemplos disso.
O caso do Ministério das Finanças é o mais escandaloso.
Equipas “técnicas” que alteraram os códigos do IVA, do IRS, do IRC, etc. não se juntaram uma única vez, para se coordenarem e evitarem contradições entre os diversos códigos e quando chegaram ao fim de 2012 pediram a reforma e deram “à sola”.
Isto foi-me testemunhado por alguém “lá de dentro”, que me disse que nem para uma bica se encontravam à hora do almoço.
O único ministro que não “caiu” completamente nessa, e cujos funcionários tiveram mais respeito (ou medo) foi Paulo Macedo, porque esse, já os conhecia de “ginjeira”.
É óbvio que parece mal agora, que Passos Coelho contrate tantos assessores.
Pois é, devia tê-los contratado logo e correr com toda aquela “gentinha” que mina a máquina estatal.
Não é que eu acredite que estes, que foram contratados agora, sejam alguns génios salvadores, talvez sejam é menos traidores.
.

Bic Laranja disse...

As citações de Salazar agora já vêm em brasileiro? Admirável!

mujahedin مجاهدين disse...

Ia dizer o mesmo, caro Bic.

A verdade é que deve ser já mais fácil encontrar-lhe os escritos no Brasil do que na pátria...

Vivendi disse...

Por falar em Brasil pelo menos há por lá quem tente educar devidamente os seus alunos.

A professora de história e o socialismo de Hitler:

http://oinsurgente.org/2013/06/02/a-professora-de-historia-e-o-socialismo-de-hitler/


Vivendi disse...

E no dia que eu estiver interessado em defender a tradição da língua portuguesa irei ainda mais fundo que a intelectualidade dos intelectuais portugueses e recorrerei à escrita etymologica das palavras seguindo a obra do brasileiro "Glauco Mattoso" (pseudonimo),o "Tractado de Orthographia Lusophona".

Mas como estou envolvido e aprendendo muito com a melhor intelectualidade brasileira não descortino para já essa necessidade.

mujahedin مجاهدين disse...

Está bem Vivendi, mas nós não somos brasileiros nem o era o dr. Salazar.

V. compreende decerto o português e sabe escrevê-lo. Não há grande razão para transcrever as coisas em brasileiro.

E faria bem em recorrer à escripta etymologica pois então! E eu só não recorro porque não a domino suficientemente, senão havia de ver se não era assim que escrevia...

Vivendi disse...

Não fui eu que transcrevi essas palavras meu caro Mujahedin.

Encontrei este excerto a circular na rede e até fiz uma pesquisa de confirmação para atestar a veracidade e veja lá onde fui parar...

http://dragoscopio.blogspot.com/2007/07/sina-ii-ou-da-estatofilia.html


Tractado de Orthographia Lusophona:

https://docs.google.com/file/d/0B5JArOTmqJSSVzBzT0tmaGFOTk0/edit

mujahedin مجاهدين disse...

Pois olhe que o que está no Dragoscópio está em português, não está em brasileiro...

Veja lá com atenção...

Vivendi disse...

Tem razão. ;)

Bic Laranja disse...

O cavalheiro vivaço (ou Vivendi) não sabe citar e desvia a conversa.
Se fosse intelectualmente honesto tinha referido a fonte donde decalcou o excerto.
Se não fosse tão acérrimo em propagar portugu~es crioulo não se tinha dado ao trabalho de estropiar o português.
A bem dizer, nem sei o que anda ele a fazer aqui tão longe do sertão misturado com portugueses se intelectualmente nos amesquinha.
Cumpts.

Bic Laranja disse...

@ Mujahedin
Que seja mais fácil (e barato) achar edições dos «Discursos» e das «Entrevistas» de Salazar no Brasil não nego. Mas que saiba, só há as edições da editora Coimbra, seja lá onde for que elas hajam ido parar.
Cumpts.

Vivendi disse...

Bic,

Vou repetir novamente a lenga-lenga, no dia que eu estiver interessado em defender a tradição da língua portuguesa irei ainda mais fundo que a intelectualidade dos intelectuais portugueses e recorrerei à escrita etymologica.

Ser intelectual é promover debates e não procurar ofender o oponente.

Quanto à mesquinhez que sente... aí serei ainda mais claro e frontal à boa maneira do norte e rebuscando também as minhas raízes galegas. Vá apanhar na bilha.

Bic Laranja disse...

Pff!

Bic Laranja disse...
Este comentário foi removido pelo autor.