sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Incompetência, prepotência e forrobodó: a marca do Governo que está

Jornal Económico:

Rui Esteves foi até à passada segunda-feira, em simultâneo, comandante nacional da Protecção Civil em Carnaxide e director do aeródromo de Castelo Branco, apurou o programa Sexta às 9 da RTP.

De acordo com a investigação do programa, os dois cargos estão validados e assinados, pelo secretário de estado da Administração Interna, Jorge Gomes, no despacho de nomeação de Rui Esteves, de Janeiro.

No entanto, esta acumulação de cargos é ilegal perante a lei que regula o estatuto pessoal dirigente do Estado, e que proíbe um dirigente público de acumular funções, a não ser que tenha autorização superior para o efeito, explica o programa da RTP.


O Sexta às 9 detectou esta incompatibilidade e diz saber que Rui Esteves “nunca obteve autorização superior para acumular funções”, o que faz com que o comandante nacional de Protecção Civil esteja ilegal no cargo desde que fora nomeado há 8 meses.

O comandante nacional das operações de socorro já foi questionado sobre o assunto, e garantiu à RTP que fez um pedido verbal, ao presidente da Câmara de Castelo Branco, para ser substituído na direcção do aeródromo. Mas, de acordo com o Sexta às 9, o autarca desmentiu Rui Esteves e assegura que não recebeu nenhum pedido a formalizar essa intenção.

Os mortos de Pedrógão são a consequência...

3 comentários:

lusitânea disse...

Para os amigos tudo, adversários nada e para o resto que se cumpra a lei...
Voz do defunto...Almeida Santos

Floribundus disse...

ainda vai ser louvado por serem tão poucos mortos

acusado pelo autarca de Mação

BELIAL disse...

E nababo, samorim lusitano - sorri. E chuta pro lado. "aasunto encerrado", como sói regougar

Carros de música corrida