domingo, 30 de maio de 2010

Ratos por todo o lado

Um dos fenómenos constantes e preocupantes ligados a este governo de José S. é a quantidade inusitada de coisas que desaparecem, sempre que poderiam esclarecer acontecimentos noticiados. Devido ao relativamente elevado número desses fenómenos, sem autor conhecido, poderão ser atribuídos a ratos metafóricos que os retiram da atenção pública sempre a favor dos mesmos.

Quanto a documentos desaparecidos é uma catástrofe a sucessão de azares que foram acontecendo a este primeiro-ministro, cuja credibilidade, devida à erosão decorrente, se assemelha a uma metáfora da mentira.

Tudo começou mediaticamente com os problemas da licenciatura na Independente, denunciados publicamente por um blog e depois os jornais, a reboque.
Os documentos nunca fizeram bater a bota com a perdigota e tudo por causa de infelizes desaparecimentos de originais que deveriam estar arquivados e nunca estiveram. Em vez dos devidos originais apareceram apócrifos justificativos e alguns notoriamente falseados. Pouca gente se importou a sério e ninguém com responsabilidades políticas de pôr cobro a tal situação ( Parlamento e presidente da República).
Depois, surgiram casos isolados que atestam um ambiente deletério de ocultação. O processo registral do prédio onde habita uma familiar directa, desapareceu do notário que fez a escritura e o processo camarário do anterior prédio, desapareceu igualmente.

Quando se procurava a ficha biográfica do visado, como deputado na A.R. apenas se encontraram dois exemplares fotocopiados e apócrifos. A original desaparecera misteriosamente e sem deixar rasto sequencial. Pouca gente se importou verdadeiramente e nem o MP investigou devidamente tal fenómeno grave, cujo rato ficou por descobrir.

No caso Freeport os desaparecidos em combate foram as testemunhas de factos contraditórios. Fugidos ou ausentes, desapareceram da ribalta durante o tempo precioso das notícias da TVI.

Mais recentemente, os desaparecimentos foram alargando a outros indivíduos da mesma área de fenómenos estranhos. O deputado Ricardo Rodrigues não encontrou melhor maneira de evitar perguntas incómodas de jornalistas, do que fazer desaparecer os corpos de delito, ou seja, os gravadores que registavam a conversa inoportuna. E os gravadores, eles mesmos, desapareceram depois.

As escutas do Face Oculta, depois de desaparecerem por ordem discutível do poder judicial, desapareceram em forma de resumo, da atenção pública, no Parlamento, por ordem do presidente de uma comissão de inquérito.
Mais recentemente, foi notícia o desaparecimento de documentos de contrapartidas importantes no negócios dos submarinos. Desapareceram, pelos vistos, de uma firma de advogados ligada a estes governos e já na altura em que o presente governo sabia onde estavam.

Quantos mais desaparecimentos vão ainda ser precisos para se restabelecer a normalidade democrática da transparência governativa e política?

5 comentários:

rita disse...

Estamos a precisar de uma empresa exterminadora de pragas (ratos incluídos). Será que já não existem?

Penso que esta desgraça (será o que sente a gente séria desta terra), terá começado no dia em que o currículo foi alterado, dentro das "4 paredes" que deveriam ser o 1º reduto da Democracia. A partir do momento em que tal acto passa incólume tudo o resto é "canja de galinha" para estes mafiosos profissionais!

Ritinha disse...

O que não sei se andará também desaparecida (porque pressupõe que alguma vez terá estado visível) é a vergonha na cara dessa gente.
Dessa gente toda, incluindo os referidos no post anterior, que continua a assobiar para o lado.

Anónimo disse...

Mais uma nojeira:

http://diario.iol.pt/politica/ambiente-cova-da-beira-socrates/1064536-4072.html

O Ministério do Ambiente destruiu em 2007 a totalidade dos processos de fundos comunitários da Intervenção Operacional Ambiente do 2.º Quadro Comunitário de Apoio, por decisão da Autoridade de Gestão do Programa Operacional do Ambiente, escreve o jornal «Público».
Entre os projectos encontra-se o da construção e concessão da Estação de Resíduos Sólidos Urbanos da Associação de Municípios da Cova da Beira, cuja adjudicação ao grupo HLC está no centro de um processo de corrupção que tem julgamento marcado para Outubro, com três arguidos: António José Morais (antigo professor de José Sócrates na Universidade Independente), a mulher e o empresário Horácio Luiz de Carvalho, presidente do grupo HLC.

No caso da Cova da Beira, o Instituto Financeiro do Desenvolvimento Regional tem em seu poder toda a documentação relativa à segunda fase do projecto, iniciada em 2001, já no quadro do QCA III, mas não tem nada sobre a primeira fase - aquela que foi investigada durante uma década pela Polícia Judiciária e levou este ano à pronúncia por corrupção e branqueamento de capitais.

Mani Pulite disse...

OS RATOS SÓ SÃO CONTROLÁVEIS COM DESRATIZAÇÕES PROFUNDAS E CONSTANTES.EM PORTUGAL AS EMPRESAS DE DESRATIZAÇÃO FALIRAM TODAS E OS DESRATIZADORES NACIONAIS ANDAM EM CADEIRAS DE RODAS.RESTA O RECURSO AOS LANÇA CHAMAS E AOS COMANDOS.

Fernando Martins disse...

Este post tem um título errado - devia chamar-se largo dos ratos.