segunda-feira, 10 de maio de 2010

O anti-relaxante

Económico:

O Governador do Banco de Portugal considera que o mega fundo europeu não é razão para os países relaxarem no combate ao défice. Portugal, escreve, tem de reforçar o PEC.

Este indivíduo, Vítor Constâncio, continua constante como figura pálida de um regime que sempre acompanhou a nível político e nos mais diversos cargos.
Como governador do banco central português, relaxou na vigilância e regulação em relação a actividades bancárias como no caso do BPN e conforme se apurou devidamente em sede de inquérito.
O salvamento desse banco, custou já ao Estado português, algo que agora vai custar ainda mais. Sendo o buraco, nesse banco, de montante incrível e estonteante, não se sabe muito bem como foi possível a um governador como Vítor Constâncio esse relaxe. Aliás, nem o explicou devidamente, porventura por se achar relaxado de tal tarefa.
Agora, em vias de sair para as instâncias bancárias europeias, vem reclamar contra o relaxe e exigir mais impostos, porque no fundo é isso que significa o aviso.
É preciso ter lata!

8 comentários:

lusitânea disse...

Depois "diversificou" umas toneladas de ouro da "pesada herança" em "divisas" que agora já perde mais de 100%...

Diogo disse...

Vítor Constâncio não foi relaxado. Contribuiu, tal como os governantes que nacionalizaram o banco, para entregar de mão beijada vários milhares de milhões de euros do contribuinte à Banca Internacional. Na realidade, todos eles trabalham para ela.

Não houve erro, não houve relaxe, não houve incompetência. Apenas o cumprimento de ordens superiores.

lica disse...

p*ta que o pari*
tem mesmo cara de troca tintas

goncalo disse...

Este blogue está a baixar de nível. Já não se pode discutir! Passo!

GM

Karocha disse...

Claro José

Estava à espera de quê?!

Ouviu no sábado o Medina Carreira no plano inclinado?

lica disse...

goncalo disse...
Este blogue está a baixar de nível. Já não se pode discutir! Passo!

-------------------------------

E PASSAS BEM!

joserui disse...

Não perguntava há uns dias se não há pingo de vergonha? Aí está. Mais um.
Este só não relaxa quando é para safar os da comandita. Quando era o Dr. Bagão Félix ministro da economia também não relaxou — chegou até a parecer Governador do Banco de Portugal — mas afinal era só para ajudar a meter este desindivíduo Sócrates.
O trágico é que estas instituições nacionais, chegaram até a ter prestígio interno e externo. Agora é isto. O mais reles possível. -- JRF

Karocha disse...

http://infamias-karocha.blogspot.com/

O verdadeiro super-juiz