domingo, 28 de novembro de 2010

"Prémio do contencioso"

"O escandaloso processo de desjudicialização da justiça a que hoje se assiste em Portugal constitui um perigoso retrocesso civilizacional que ameaça os fundamentos do estado e mutila a cidadania. A justiça, enquanto valor superior do estado de direito, deve ser garantida a toda a sociedade através de órgãos soberanos específicos que são os tribunais. Assim foi desde os tempos mais remotos, pelo menos nas sociedades mais civilizadas."

Este é parte do artigo no JN, de Marinho e Pinto, reeleito bastonário da Ordem dos Advogados. ( E que por isso vou passar a respeitar de modo mais consentâneo com o estatuto e o facto de ter sido eleito por maioria significativa dos advogados portugueses).

Agora compare-se com a afirmação do advogado Proença de Carvalho, produzida num suplemento recente do Diário Económico ( 24.11.2010) numa entrevista em que além disso, o advogado Proença, esportula mais uma vez a sua noção particular do que deve ser o MºPº, o poder judicial e a investigação criminal, pedra de toque das suas preocupações.
Para Proença, o MP está "feudalizado" e por isso mesmo acha que deve ser dado maior poder ao rei, perdão, rainha, do sistema. E de caminho entende que o Conselho Superior do MP devia ser extinto. Como não concebe a integração dessa magistratura no poder judicial, temos que Proença de Carvalho pretende pura e simplesmente um regresso ao sistema que existia antes de 25 de Abril de 1974, altura em que foi inspector da PJ e lá havia juizes privativos.


Marinho e Pinto navega noutras águas, porventura mais turvas se tivermos em conta que defende sempre o poder político que está. Ainda assim, está nos antípodas daquele no que se refere à desjudicialização... o que é que isto vai dar?


Em tempo: a revista consagra os "advogados do ano". Curiosamente, não aparece ninguém da Sérvulo & Associados. Proença ganhou o prémio do "contencioso". Ajustadíssimo.

3 comentários:

joserui disse...

"E que por isso vou passar a respeitar de modo mais consentâneo com o estatuto"
Que significa isto? Não tinha sido eleito antes? E não o respeitava? O indivíduo também tem de se dar ao respeito, ou a truculência, subserviência ao PS e berreiro em geral são consentâneos com o estatuto? -- JRF

josé disse...

Não, não é isso.Pensava que o tipo tinha perdido toda a legitimidade, mas tal não aconteceu.

E por isso vou mudar o discurso em relação ao Marinho e Pinto porque os advogados que nele votaram merecem-me também respeito.
E são muitos.

Floribundus disse...

consta que 50 advogados do regime ganham tanto como os restantes.
pinto a tentar 'cantar de galo'.
'má-gistratura e advocatura'.
'dr hyde e mr jekill'.

o rectângulo transformou-se na
'fremosa estrevaria'