quarta-feira, 17 de novembro de 2010

A Maçonaria dispensou um dos seus?

DN:

O Director do Serviço de Informações Estratégicos de Defesa (SIED), Jorge Silva Carvalho, demitiu-se. A decisão está relacionada com os cortes orçamentais do SIED.
Esquisito, isto. Em véspera de uma cimeira em que os espiões contam, o indivíduo que passou os últimos vinte anos no sector da espionagem caseira e fora de portas, "bate com a porta", deixando um serviço que estava da dependência directa do primeiro-ministro. O barco a afundar-se?
Tem 44 anos, licenciado em Direito, suposto especialista em questões de segurança ( dá conferências) e um currículo que passava por entender que o SIS devia poder fazer escutas.
Entretanto, há outra currículo alternativo. Este, muito importante e que vai redefinir o futuro deste iniciado:

No centro do templo, coberto de panos negros e sob a luz de um candelabro, está um caixão. Lá dentro, um lenço branco manchado de vermelho tapa o rosto de um homem. A cabeça está virada para Ocidente e emoldurada por um esquadro aberto e por um ramo de acácia. A porta do templo abre-se e o mestre-de-cerimónias faz ajoelhar o maçom que entrou de costas na sala. Tudo está preparado para o fazer subir mais um degrau na ordem secreta. O mestre experto aproxima-se e cruza a espada com o bastão do mestre-de-cerimónias acima da cabeça do candidato, formando um esquadro. Ouvem-se, em sequência, as pancadas de três malhetes. “De pé e à Ordem, meus irmãos”, diz o venerável da loja. De uma mesa próxima, em forma de triângulo, exige-se o juramento que o maçom faz de imediato: “Eu, Jorge Jacob Silva Carvalho, de minha livre vontade, na presença do Grande Arquitecto do Universo e desta Respeitável Assembleia de Mestres Maçons, juro e prometo solene e sinceramente nunca revelar a qualquer profano, ou mesmo a qualquer Aprendiz ou Companheiro, os segredos do Grau de Mestre.”

Há muito que o actual director do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED), a secreta que actua fora de Portugal, disse estas palavras num templo da Grande Loja Legal de Portugal (GLLP). E reiterou, como se faz sempre nos 33 graus maçónicos, os pactos secretos de silêncio e auxílio: “Renovo a promessa de amar os meus irmãos, de os socorrer e ir em seu auxílio. Se alguma vez me tornar perjuro que, segundo o castigo tradicional, o meu corpo seja cortado em dois e que eu seja desonrado para sempre e que não fique de mim memória junto dos maçons.”

Após o compromisso, o venerável mestre colocou-lhe a espada sobre a cabeça e informou-o em voz alta que a partir de então passava a ter poderes para “comandar” os companheiros e os aprendizes, os dois degraus inferiores da maçonaria. Seguiram-se mais golpes de malhete cruzados com a sequência de palavras de um rito escocês com séculos que lhe passou a contar novos segredos: os cinco pontos perfeitos da mestria, um toque, duas palavras e quatro sinais. O Sinal de Socorro foi um deles. “Se alguma vez te encontrares em grave perigo, chama os irmãos em teu socorro, com o seguinte sinal: atira o pé direito para trás, com o busto inclinado, ergue ambas as mãos acima da cabeça, tendo os dedos entrelaçados, as palmas viradas para cima, e exclama: A. M. O. F. D. V!” Hoje, aos 42 anos, Jorge Silva Carvalho, espião requisitado ao Serviço de Informações e Segurança (SIS) e ex-chefe de gabinete de Júlio Pereira, secretário-geral do Sistema das Informações da República Portuguesa (SIRP), já está a meio dos altos graus da maçonaria (que vão do 4.º ao 33.º) e é apenas um dos responsáveis de topo dos serviços secretos portugueses que fazem parte da GLLP e do Grande Oriente Lusitano (GOL), as duas principais correntes maçónicas portuguesas.

8 comentários:

Floribundus disse...

actualmente para além de encontrar alguém que lhe arranje um tacho o Gol do seminarista serve apaenas 'para fazer punhetas a grilos'.

todos dias andam pedintes na escada. ainda me aparece o zé sapatilhas

início dos anos 50 no sector das físicas da fac ciências da universidade de Coimbra alguém escreveu
«fui fodido pela vida,
enrrabado pela sorte.
já tenho a língua de fora
prá fazer minete à morte»
hoje é a vida portuguesa deste fascismo

lusitânea disse...

O Jacob não quererá significar o "dois em um"?
Estes amadores ditos democratas que se ponham a pau

JC disse...

Como isto está!
Um grande maçon era chefe máximo das Secretas!
Outro é Ministro da Administração Interna.
Uns não sei quantos juízes maçons estão colocados nas Instâncias Superiores.
E muito mais que nem sonho!
Que desgraça!
Não era Salazar que tinha corrido, no seu tempo, com estes gajos?

Mani Pulite disse...

PORTUGAL TEM DE SE VER LIVRE DESTA CANALHA.MONSIEUR DE GUILLOTIN À L'OEUVRE!

lica disse...

resumindo:

estamos fodidos

Gomez disse...

- Uma leitura:
Os Respeitáveis Mestres fazem xeque a Sócrates;
- Um prognóstico:
Sócrates recua;
- Uma pista a não perder:
o destino deste ex-pião ...

josé disse...

Há uma dúvida que me consome: para onde irá o Almeida Ribeiro?

Estou atento e darei notícia.

Karocha disse...

Maçonaria em guerra?
Vai ser engraçado!!!