segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

A figura ausente do ano na vox populi



Desta vez a estratégia de "low profile" está a funcionar em pleno: ninguém quis saber onde passou o Natal, com quem almoçou às escondidas e outros pormaiores da vida particular do indivíduo que nos quilhou a vida colectiva durante muitos e bons anos.
A mafia habitual do jornalismo caseiro funcionou na perfeição e parece já não haver arrependidos. Os tempos estão difíceis e os angolanos não querem estragar o arranjinho que conseguiram no bom tempo. Por outro lado, os únicos não alinhados estão distraídos.

5 comentários:

Floribundus disse...

para o 'fujão' e seus correlegionários não há adversários, mas inimigos.

'Viniculus' mandava-o para 'a tonga da mironga do kabuletê', maneira delicada de dizer o que penso

Vivendi disse...

Agora que temos o Artur Baptista na ribalta mediática e com a procuradoria toda entretida a investigá-lo, os outros artolas da mesma classe, mas conhecidos desde sempre, aproveitam o momento para meter umas férias... de luxo!

E nunca esquecer o que se encontra de férias milionárias e prolongadas em Paris.

Anónimo disse...

José,

Bom ano de 2013.

Agradeço ter-me dado a satisfação de o ler.
Satisfação extensiva e a muitos dos comentadores que passam pelo seu "espaço virtual".

Streetwarrior disse...

O Analfabeto Político
O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.
Bertolt Brecht


Bom ano 2013 José
Nuno

rita disse...

Quilhou-nos e bem, mas a recompensa é uma vida à grande e à francesa, em Paris de França...
Um bom ano seria aquele em que a essa besta pudesse ser assacada uma responsabilidade, por mais pequena que seja...

A corrupção larvar em Portugal