domingo, 16 de dezembro de 2012

A pobreza de espírito integral



 Numa das caixas de comentários abaixo, um comentário assinado por Mirza, diz assim para me vituperar:

Há tempos um amigo disse-me para espreitar a portadaloja, que era um caso de escola:
"Tens lá tudo: extrema-direita de província saudosista (nota pessoal: nada contra), catolicismo integralista, magistratura "justiceira" com uma agenda política, cheia de auto-justificações para os excessos, que acha que as regras são para os outros, tudo coisas de fazer lamber os beiços ao Le Pen. E, cereja em cima do bolo, tens o equivalente ao Aguiadois do Expresso, um tal Floribundus que, mal é publicado um post, se precipita a debitar umas raivas."
Pois tenho vindo a observar, a comentar, a apreciar, e sobretudo a confirmar a justeza das apreciações. A descrição é exacta, e é dispensável continuar.

Adoro este tipo de desafios não solicitados mas encomendados pelos preconceitos de quem escreve. 
Descortiquemos:
Em primeiro lugar o que será isso de “extrema-direita de província saudosista” ? Indefinível, inenarrável a um espectador comprometido seja com que ideologia for, passa tal afirmação pela habitual reguada ideológica de uma esquerda sem sentido de orientação e que se define em oposição a fantasmas de um passado que nunca entenderam.
O que é a extrema-direita, no caso concreto que me assiste? Algo assimilável a um Maurras, a um Brasillach ou a um Primo de Rivera? Nem tanto. A Esquerda bem –pensante e dominante não precisa de armas tão pesadas para abater quem não lhe apara o jogo ideológico com cartas marcadas há dezenas de anos, em Portugal.
Basta-lhe tão só apelidar alguém de “fassista” para lograr todos os objectivos incluídos.  Até há alguns anos apelidar alguém de “direita”, mesmo a torto e a direito, tinha o mesmíssimo efeito deletério e dissolvente.  Agora carece de outro qualificativo mais contundente: “extrema”, já serve, se hifenizado a “direita”.
Assim, alguém que recorde o passado não muito distante mas acantonado à “longa noite fascista” e à ditadura e ainda à repressão e também ao analfabetismo e à pobreza e à emigração e à mortalidade infantil elevada é muito naturalmente um indivíduo de “extrema-direita”. Nada mais lhe assenta senão essa fatiota de recorte neo-realista. 
Se ainda por cima tal perigoso extremista se afadiga a tentar demonstrar a singeleza  anacrónica de uma esquerda enquistada em paradigmas fossilizados e protegidos pelo ar do tempo mediático, leva em cima do qualificativo outro ainda mais soturno: “ de província” e redundado de saudosismo. 
O saudosismo de valores vindos do tempo do tal “fascismo” com algumas décadas e já obliterado na memória colectiva, sobrepõe-se como  ideologicamente indigno do  outro saudosismo em que vicejam  e refocilam, vindo das calendas do séc. XIX em que as massas se oporiam à burguesia para vencerem a batalha da luta de classes, em cujo campo abandonado ainda se revêem.
É por mor da antiguidade que o posto do saudosismo esquerdistas tem preponderância sobre os demais, que por isso mesmo são relegados para  o sítio odioso da “província”, lugar de ancestral atraso na evolução ideológica e sítio de atavismos garantidos. 
Depois dessa primeira abordagem epistemológica surge uma outra típica do raciocínio integralmente  jacobino  em corolário de uma esquerda desorientada no tempo e no espaço: “catolicismo integralista”. Defender Bento XVI  com maior simpatia do que João Paulo II, por exemplo, é sinal inequívoco de seguidismo a LeFebvre e em sequência semântica e territorial , a Le Pen. Não há volta a dar: catolicismo integralista é LePen no bolso ideológico, como consequência religiosa inevitável da defesa da missa em latim, paradigma dos integristas  e só falta dar o passo seguinte que por distracção ficou olvidado: fundamentalismo.
Temperados estes ingredientes- extrema-direita integrista, provinciana e saudosista- resta cozinhar a receita caricatural: “magistratura justiceira com uma agenda política”.  “Cheia de justificações para os excessos” .
Esta cereja no bolo aziumado carece de maior atenção porque não tipifica apenas ideologia esquerdista requentada e de laxismo assegurado.
Os esquerdistas acicatados costumam ser, aliás, os principais agentes do desprezo da legalidade sempre que ficam em causa os seus interesses e conveniências. Como se sabe há muito, “ estão a cagar-se” para essas coisas, tipo segredo de justiça, se esta lhes chega ao rabo, por vezes literalmente.
Portanto, o que esta descarga aleivosa pretende dizer não é sério. “magistratura justiceira” não conheço a não ser em países como a Itália em que um punhado de magistrados de fibra e até de esquerda puseram fim a um regime de corrupção com décadas de moratória. 
É  essa pulsão que apelidam de justiceira que esta esquerda fingida pretende capar a todo o custo.  Qualquer veleidade investigatória, dentro da maior legalidade processual, se for contrária aos interesses dessa camarilha específica leva logo troco mediático. Ou porque  é “justiceira”; ou porque é persecutória e dá curso a cabalas  ou porque não respeita princípios tão sagrados quando o segredo de justiça em assuntos de interesse público gritante mas que deveriam ficar sempre escondidos dos eleitores, para que estes nunca viessem a saber o que andam a tramar nas suas costas.
Na ausência de um desses motivos de arremesso específico, o outro toma o seu lugar mediático com uma importância e valor elevados à enésima potência da deslegitimação do poder judicial.  Na falta de todos, entra em vigor o princípio geral do “justicialismo”, das “auto-justificações dos excessos” , dos “princípios que são para os outros”, etc etc.
Tudo isso comporta porém uma excepção: se os visados foram os adversários políticos, aí, já nenhum destes epítetos toma lugar de relevo mediático. Aí, os assuntos passam a ser todos “casos de polícia”, com a polícia a poder fazer o que muito bem entender porque tal se justificará plenamente.
Já chamei a esta gente “farsante”. Acrescento mais um qualificativo: pobres de espírito.

20 comentários:

lusitânea disse...

A rapaziada esquerdista internacionalista africanizadora do seu zé povinho agora numa de todos iguais,todos diferentes depois da entrega de tudo o que tinha preto e não era nosso pela minha parte não merece senão o que em Portugal sempre se deu aos traidores...mesmo que tenham medalhas Lenine ao peito!

Anónimo disse...

José,

É caso para dizer, com sua licença:
Bardamerda para este tipo de juízo sobre os outros.

zazie disse...

Ahahahaha

O imbecilóide.

Esta gente não se enxerga.

E este é velho; não é caso de monguice pós-moderna. É fóssil abrilista.

zazie disse...

Na verdade, não aparece um único escardalho que não seja retardado mental.

E há-de havê-los. Mas não se conhece um único, que não ande armado em inquisidor ou polícia de giro na blogo.

Sempre com estes chavões próprios de gente ignara.

Unknown disse...

Os idiotas úteis do costume - sempre serviçais atentos ,veneradores e obrigados perante a voz do dono.
Pobres de espírito, evidentemente.

Lura do Grilo disse...

"Acrescento mais um qualificativo: pobres de espírito.": na mouche.

Floribundus disse...

hoje cheguei atrasado porque sai mais do que o habitual, mas a tempo de me verificar que sou mencionado. além de provinciano (sou), chamam-me fascista (nunca fui), fdp (até me chamaram grande e agradeci). tenho pena desta gente, por não chegarem mentalmente ao que se exige a um ser provavelmente ainda unicelular

este 'respeitável' cavalheiro social-fascista pertence aos que seguiam uns versos que li em 50 na Fac Ciências antes de irmos em peregrinação a casa de António Sérgio:
'rio largo, sonho largo
....
igrejas de velhos cultos,
heróis nas praças erguidos,
tudo são mitos e vultos
nessa avalanche perdidos'

eram emprestados e nunca encontrei o autor

AL disse...

mas afinal a conclusão chegamos: deve ou não Mário Soares por poatrioticamente prescindir do carro do estado e do motorista, dos subsídios do estado e municipais, da secretária e telefone pago pelo contribuinte e pelos desfavorecidos?
Iso sim, é o que agora interessa discutir, a razão ética e moral das prebendas de Mário Soares.

Karocha disse...

AHAHAHAHAHAH!!! José.

Devem ser os mesmos que andam a pôr comentários no meu blog em nome do Floribundus e outros a ver se eu modero, LoLLL

Vivendi disse...

Quando não há argumentos à malta da esquerda só lhe resta uma arma, o insulto.

Sugestão: organizem-se e marquem uma excursão para a Coreia do Norte ou qualquer destino de boa tradição socialista para se entreterem com os feitos das vossas diarreias ideológicas mas desamparem da loja.

Unknown disse...

O VPV tefere-se, certamente, à sua "Mirza"(sem esquecer o amigo da dita...)quando escreve : "...uma facção que nunca se distinguiu pelo estudo, pela honestidade ou pela inteligência."
Q E D.

Cpmts.

josé disse...

A crónica de VPV hoje tem interesse mas não comprei o jornal.

José Domingos disse...

Os sovietes do comité central, não deixam passar nada, censura acima de tudo, e como estão instalados em tudo que é "informação", não perdoam. Extrema esquerda, está bem, extrema direita, é que nunca.Muito democratas, se forem eles a mandar.+

Floribundus disse...

fui sempre um defensor da programação.
os 'enlatados' do meu blogue são agendados com antecedência
.
hoje vou redigir 'ship of fools' a pensar na esquerda portuguesa e por extensão na europeia.

nunca tive 'papas na língua'. os vermes lixam-me constantemente. esmago-os se os apanho a jeito. adoro correr riscos

José Barreto disse...

As esquerdas são muito "democratas" ... e "competentes" ... a começar pelo Mário Soares que o pai dele, dele dizia ... que sempre tinha vivido à conta do alheio ... e a sua primeira reacção à multa de transito o confirma ... o estado que pague ... só que a gaffe para a verdade morreu ali ... pois a grande maioria da imprensa ... só vê do olho esquerdo ... e ampararam-no ... que ele salvou o país do comunismo ... é uma falsa desculpa ... pois a realidade é que lutava com o Cunhal pelo bolo ... outro democrata de gema ... e como ele não chegava para ambos ... um ficou pelo caminho ... isso não o torna democrático ... mas golpista ... e é ver a desgraça ... que ele mais os artistas do seu partido deixaram o país ... tudo boa gente ... o Cego do Constâncio não "viu" o buraco do BPN e BPP que a malta dos desgovernos do Cavaco criaram ... custo a pagar por todos nós 8,8 biliões de euros ... uma ninharia ... e o analfabeto e espertalhão do Sócrates ... foi a cereja em cima do bolo ... valente esquerda que só sabe gastar sem nexo, aquilo que os outros produzem ... mas o masoquismo do povo português é tal ... que já os põem de novo à frente nas intenções de voto ... para que a desgraça continue em próximos capítulos ... com os Filhotes do Sócrates ... e então D Sebastião é capaz de acabar o "merecido" gozo de férias em Paris ... para ser entronizado como o coveiro de Portugal ... título que lhe assenta que nem uma luva ... Hilariante! ... estes bons rapazes ... Que Deus nos socorra e nos salve ... mas temos que fazer a nossa parte ...

António Lopes disse...


Boa malha! É impossível reconverter idiotas voluntários!

António Lopes

hajapachorra disse...

Sobra alguma coisa para mim?
Se mirza for gaja, mal passada, posso dar-lhe explicações, aulas teóricas, teórico-práticas, práticas e, sobretudo, orientação tuturial (assim com dois us).

zazie disse...

Mirza é cão da canção do Nino Ferrer: satané Mirza

hajapachorra disse...

Chiça, nem sei quem é esse Nino Ferrer...

zazie disse...

Pois, eu avisei que era coisa para velhos

":OP

Carros de música corrida