sábado, 12 de janeiro de 2013

A Direita refundida

Este artigo de Jaime Nogueira Pinto, sobre uma Direita mítica, em Portugal, apareceu em 12 Março de 2005. No artigo são expressas algumas ideias que nunca vi publicitadas a não ser em revistas efémeras e sem qualquer influência geral na opinião pública.
O ideário que temos nos media é por isso mesmo esmagadoramente de esquerda e sem qualquer pudor apelidam-se como "fascistas" ou numa versão mais "soft", saudosistas, todos os que ousam divergir do pensamento único estabelecido.

Lendo o artigo de JNP percebe-se de algum modo porque é que continuamos a caminho de bancarrotas e sem ideias realistas sobre a nossa sociedade.
O caminho que aqui nos trouxe está marcado pela Esquerda e apesar disso não se ouvem vozes discordantes e a denunciar o embuste ideológico. Tudo se conforma na ideologia da unicidade politicamente correcta e os poucos que ousam discordar pagam com a ostracização mediática.
Será isto uma democracia ou é apenas a partidocracia da esquerda?


9 comentários:

lusitânea disse...

Quando essa direita surgir tem todas as condições de reeditar a constituição de 1933.Um império agora só cá dentro e por nossa conta.Só do Minho ao Algarve...Portanto sem exploração dos diferentes pois que são os branquelas a pagar tudo.
Isso se entretanto não surgir por aí algum Movimento de Libertação Nacional coisa a que os gajos de esquerda sempre deram muito apreço...e cujos guerrilheiros seriam os futuros "estadistas" cá do burgo...

Floribundus disse...

a direita do freitas, do basílio acabou a apoiar a esquerda.
talvez se consiga enxergar com a lupa do Sherlock

o saudoso Irmão João Creswell, chefe de gabinete do PM até 28,v.1926 pôs gravata preta nesse dia e não a retirou até morrer na década de 90.

sempre considerei esta trampa uma ditadura dos diversos sovietes.

podem continuar a chamar-me fascista, coisa que nunca fui nem serei.

Rui disse...

mas será que essa visão de direita e esquerda continua a fazer sentido nos dias de hoje? afinal para vocês o que define a esquerda? e o que define a direita?
gostava de saber pois vejo as pessoas a falar de esquerda e direita como quem fala de bola tuip porto e benfica e já que se fla tanto disso eu gostava de saber exactamente o que é esquerda e direita na vossa opinião.

Floribundus disse...

sobre a esquerda ou socialismo desastroso e desastrado diria o Irmão Alexander Poppe no poema Ensaio sobre a crítica:
'nada pode ser mais palhaço, mais desajeitado'.

existe o provérbio Alemão
'o dinheiro faz palhaços'
andam por aí tantos à solta depois de deixarem os contribuintes a pedir por porta

josé disse...

A Esquerda é o que temos. A Direita não sabemos.

Rui disse...

josé esperava mais...

olhe li este post que valeu o tempo que o gastei a ler...
http://abrupto.blogspot.pt/2013/01/a-deriva-antidemocratica-favor-de-um.html

josé disse...

Rui: estive a ler o tal comentário no abrupto. Bah! A Democracia é aquilo que o indivíduo diz mais uns pós para compor?

Não penso assim. A Democracia em Portugal tem sido um sistema que gerou três bancarrotas.

É esse o problema da nossa democracia: quem tem poder não o exerce por vezes como gostaria e em função da legitimidade conferida pelo mandato eleitoral e mesmo respeitando a lei.
A Constituição que é a mãe das leis tem uma matriz socialista e tal é nefasto para a nossa democracia.

Para a alterar são precisos muitos votos daqueles que a não querem alterar a não ser por força das circunstancias como aconteceu em 1986 com a entrada de Portugal na CEE.
Antes poderiam tê-lo feito mas andavam com os mesmíssimos argumentos que agora usam para não a voltar a alterar.

José Domingos disse...

Teremos que recuar aos anos sessenta, para saber as origens desta malta, que nos tem conduzido tão brilhantemente, com os resultados, que estão á vista.
A "esquerda" montou um esquema em Portugal, que perpetua a situação, dos ultimos trinta e tal anos.
O próprio sistema eleitoral, está adaptado, para que a situação não mude. Hoje, não existe diferença entre psd e ps, é neste centrão que tudo gira, estes "partidos", estão colonizados e são reféns, de situações que eles próprios criaram. Leia-se o livro de Rui Mateus, os contos proibidos, ou o livro de Patricia Pinheiro, as misérias do exilio, e percebemos, como se chegou a isto. O cds e o pcp, existem para dar um ar democrático á coisa, não contam para campeonato nenhum. O pcp tem na rua o que não tem nas urnas, o cds é um verbo de encher, mas é o único partido de "direita" que se permite, todo o resto é censurado e arrasado, pelo jornalismo de m. e vendido que temos em Portugal.Creio ser necessário uma mobilização geral da direita, onde possa aparecer um estadista, com carisma, que possa tirar a Nação, do pantano onde a esquerda e os comensais a colocaram.
Portugal merece outra oportunidade.

Rui disse...

José, achei interessante o artigo por realçar o valor da constituição quando a sua desadequação à realidade é por demais evidente. Artigos como o "direito ao trabalho" quando na realidade temos mais de um milhao de desempregados mostram que a constituição não está aser cumprida nem foi cumprida por nenhum dos governos anteriores.

O que achei interessante foi o facto do JPP chamar à atenção de que a constituição constitui um entrave à democracia directa protegendo assim as minorias de certas derivas populistas.

É também relevante saber que o Hitler foi eleito democraticamente. De facto nestas alturas de crise podem-se cometer grandes asneiras pois o desespero é grande pelo que existe uma tendencia para radicalizar posições e parece-me que de facto a constituição pode servir para temperar alguns exageros.

De facto a constituição está desadequada e deve ser mudada, mas para isso tem de haver um consenso de 2/3. Mas parece-me que mais importante do que mudar a constituição seria mudar a forma da sua aplicação na prática...