quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

O bastonário lãzudo...

Marinho e Pinto, ontem na cerimónia solene de abertura do ano judicial ( quando é que acaba esta aberração?) discursou pela última vez, como bastonário da Ordem dos Advogados. Disse cobras e lagartos dos mesmos de sempre, com a particularidade de neste ano ter estendido de modo despudorado, considerações de cariz estritamente políticas para vituperar este governo que não lhe agrada e dando sinais de sentir saudades do outro, de que faziam parte pessoas que lhe eram afectas. Nunca em cerimónias destas Marinho e Pinto foi claro na denúncia de actos de alta criminalidade como os que envolveram o antigo primeiro-ministro, nomeadamente no caso Face Oculta, gravíssimo e de má memória. Antes pelo contrário, Marinho sempre defendeu o fugitivo e fustigou quem o atacou. Chegou a dizer publicamente coisas inacreditáveis sobre o Freeport e outros casos.
O facto de esse fugitivo viver a expensas de alguém que não se conhece, apresentando agora justificações de empréstimos bancários faraminosos não o incomoda minimamente. Consegue viver muito bem com esse facto e em vez de se calar, ainda tem a lata petulante de atacar politicamente quem o substituiu e apenas por causa disso, ainda que legitimado democraticamente.
Marinho e Pinto, segundo o discurso não se incomoda que o insultem...assim:

Quando pensei na melhor forma de terminar esta série longa de discursos, quase sempre, fui parar ao regaço protector de um poeta, à companhia reconfortante da poesia.(...)
 
Mas acabei por escolher a exaltação clarificadora de um poema de José Carlos Ary dos Santos, a que apenas alterei uma palavra.
Por isso, porque este tribunal é, hoje e agora, o sítio certo para se dizer estas coisas, digo-vos que
Serei tudo o que disserem
por inveja ou negação:
cabeçudo dromedário
fogueira de exibição
teorema corolário
poema de mão em mão
lãzudo publicitário
malabarista cabrão.
Serei tudo o que disserem:
ADVOGADO castrado não!
Muito obrigado.


Ok. Escusa de agradecer.

9 comentários:

zazie disse...

Que grande cabotino.

Floribundus disse...

esta republiqueta continua a sentir os efeitos do prec.

ao Ary diziam 'va' afa' in culo'

esta simpática criatura e o seu amigo do stj ocuparão lugar destacado na história da justiça em Portugal. são insubstituíveis

JC disse...

Marinho, ó cabrão...

miguel disse...

Fez bem chamá-lo pelo sobrenome.A educação cai sempre bem.
Eu,como sou mais atrevido,chamo-lhe Malabarista.

Tá na laethanta saoire thart-Cruáil an tsaoil disse...

pelo menos ainda tem os tomates

o que dá sempre jeite , porque capão engorda bué...

hajapachorra disse...

cab... + tino= cabotino

Floriano Mongo disse...

Marinho Pinto é um homem alinhado com a delinquência política e moral. Não se trata aqui de apelar ao anedótico para definir um homem inteiro. Usar um cargo num órgão de representação de classe para fazer proselitismo político e assobiar para o ar a todas as delinquências de Sócrates não define apenas uma preferência partidária; define também um carácter. Afirmar que Sócrates foi uma vítima, um pobre inocente perseguido por gente malévola, é mais do que a mera expressão de um juízo torto; Marinho Pinto conseguiu sempre atravessar a camada trágica do socratismo para descobrir no mais rico estudante de Paris o ardor de um estadista genial e impoluto.

Cisfranco disse...

Ao Marinho só lhe falta um pouco de contenção. Não se devia meter em assuntos que são opção política e dependem dos governos que vão passando. Quanto ao resto, tudo quanto ele diz, é a pura verdade, é a realidade que muitos não querem ver. Representa os advogados e foi eleito para o cargo.

murphy V. disse...

O que não se aguenta é este Jornalismo de Intriga que, sistematicamente, persegue tudo o que não seja de esquerda...

http://jornalismoassim.blogspot.pt/2013/02/nao-se-aguenta-o-jornalismo-de-intriga.html