quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Um Portugal de baptistas da silva

Os comentadores televisivos que hoje peroram sobre o facto de o presidente da República ter enviado três artigos do Orçamento para análise constitucional, lembram o agora célebre Artur Baptista da Silva: palram de cátedra sobre assuntos que não dominam.
O que mais impressiona, tal como naquele caso do pobre Artur, é a capacidade de loquacidade com afirmações peremptórias e sem qualquer sombra de dúvida acerca do que dizem.

Estes palradores de horário nobre têm todos uma vantagem: a memória das pessoas é demasiado curta e na maior parte dos casos nem sequer são devidamente entendidos.
Estou neste momento a ouvir a senhora Constança, na TVI. Impressiona-me aquela certeza do dizer, aquela afirmação de sabedoria comentadeira.
Fica uma pergunta: não se pode exterminá-los da tv, a estes comentadores-palradores amestrados?

13 comentários:

Joao disse...

Mas ainda vê TV ?

José disse...

Enquanto teclo vejo porque está acesa. E ouço. Estou agora a ver a SIC-N com uma Catarina Martins do BE a dizer coisas sempre espantosas.

José disse...

Mas deixei de ler jornais comprados.

Floribundus disse...

os e as 'comentadeiras' sofrem principalmente de
ignorância
estupidez
má fé.
estes itens são faceis de distinguir uns dos outros

o que vale são os 80% de iliteracia dos espectadores.

Artur, versão masculina da constança, tal como o brejenev, ainda SÃO MAIS BONITOS IDEOLOGICAMENTE QUE A DITA.

não há lixeira que receba este lixo humano.

quadra de Coimbra para eles
'foste soldado artilheiro
na batalha do bUÇACO;
LEVASTE UM TIRO NO TRASEIRO
INDA LÁ TENS O BURACO'

PQP

José disse...

Não leio nenhum e só compro de vez em quando um ou outro que me consiga enganar na primeira página.

O Público de hoje quase o conseguia porque trazia a indicação de um artigo de Adriano Moreira sobre "os valores para 2013". Abri e li uns segundos, o suficiente para perceber que aquilo é mais do mesmos ou seja, uma série de ideias formatadas sobre valores humanitários dignos de um discurso do tal Artur Baptista da Silva. Até cita a ONU...

Não comprei. O jornal promete mais uma dúzia de comentadores deste género para tratar o mesmo tema.

A única coisa que me interessa é saber quem são...porque adivinho que serão os do costume.

Podiam convidar o tal Artur para fazer os artigos. Poupavam tempo e o resultado era o mesmo.

Anónimo disse...

Para além da desgraça que mencionam, todos os "barregas" de telepontos replicam aquilo que as agencias de comunicação vendem a pataco.
É o Chaves, é o mergulho nas águas geladas, é o camandro de qualquer coisa que aconteceu no fim do mundo não merecedor de ser tratada como acontecimento noticioso.
é só papagaios sem sentido critico e sem critério.
Quem quiser que os compre.
Compreendo que às vezes é dificil não comprar gato por lebre, sobretudo quem gosta de andar informado e quem quer exercer verdadeiramente a sua cidadania politica e cultural como o José.

Floribundus disse...

Caro Amigo
este caso pode ter interesse para Si:

http://educar.wordpress.com/2013/01/02/a-quem-possa-interessar-2/

Capitalista Facista disse...

O problema desta gente é que fala das coisas sem saber dos numeros. E ainda tem a ousadia de apelir de tecnocratas aos que ainda percebem do assunto. E nao é apenas no jornalismo, é inclusive em lugares onde menos se espera.

josé disse...

Quando comecei a escreve em blogs, quase há dez anos, uma das primeiras coisas com que me defrontei e admirei foi com a responsabilidade em escrever sobre coisas públicas com relevo social.
Até então tomava como adquirido que quem escrevia sobre tais coisas sabia minimamente do que estava a comentar. E percebi depois que assim não era porque é fácil escrever qualquer coisa infundamentada sem consequências se forem asneiras.

Uma das primeiras preocupações que tive e tal pode ser lido algures foi a de apontar para a dificuldade em se escrever sobre assuntos dos quais pouco ou nada se domina.

Continua a espantar-me a quantidade assustadora de baptistas da silva que andam por aí.

Por isso mesmo sempre disse que não me posso levar muito a sério em determinados assuntos. Por uma questão de pudor.

Capitalista Facista disse...

O mundo é cada vez mais complexo. A unica maneira de falar sobre os assuntos é dominar o seu conhecimento por dentro. Demora anos e muito trabalho. A entrevista do Artur na SIC pos a nu como de todos os "entendidos" na mesa de convidados, apenas um se pronunciou contra os numeros do burlao, prontamente interrompido por uma frase politicamente correcta: "desculpe mas nao em interrompe !"

JC disse...

Capitalista fascista: é verdade. Foi o Pires de Lima, a propósito do valor actual da taxa de juro do empréstimo da "troika".

Capitalista Facista disse...

Um dos poucos artigos informativos na Comunicacao Social sobre o assunto foi este: http://www.jornaldenegocios.pt/economia/financas_publicas/detalhe/o_impostor_e_as_imposturas.html

O com mais conteudo humoristico foi mesmo o tal intitulado "O que o Artur (Burlao) diz e o Governo deve ouvir".



AAA disse...

Não se pode exterminá-los? Claro que pode, é não os ver!
Tenho uma aversão tão grande a esta gente que nem sequer passo por esses canais.
Há coisas muito melhores para fazer. Por exemplo, caminhar.

Fillon Sócrates