domingo, 12 de fevereiro de 2012

O custo de cuspir na sopa jornalística

Isto que o Correio da Manhã conta é o que acontece a jornalistas que trabalham em empresas públicas ( e principalmente privadas) e não entendem o essencial da função: a independência é o valor e o contra-valor é o ajustamento pessoal da independência com a concordância politicamente correcta a fim de não incomodar demasiado o patrão.
Todo e qualquer jornalista percebe isto porque se começa a cuspir na sopa que o patrão lhe dá, mais tarde ou mais cedo, fica a pão e água.
A maior parte dos jornalistas que temos é cordata e não levanta ondas de indisposição ao patrão, para nem falar sequer em inimagináveis e compagináveis ondas de indignação.
Uma boa parte desse jornalismo conforma-se com a situação e é de bom tom denunciar a censura que antigamente havia, no tempo do famigerado fassismo, . Porque hoje, como sabem muito bem todos esses jornalistas, a começar pelo tal Rosa Mendes, há liberdade graças a Deus ( é um modo de dizer porque Deus é Entidade inexistente para uma boa maioria) e ao 25 de Abril. Quem tal contesta é reaccionário, de direita, fassista até.

No dizer do presidente da República, apanhado em mensagens discretas divulgadas pela Wikileaks, o jornalismo português é "suave". Logo que algum jornalista sai da senda politicamente correcta, como dizia o outro, "leva". Para casa, essa suavidade e o embrulho da ousadia de se meter com quem manda.

8 comentários:

Karocha disse...

Já leu isto José?

http://sol.sapo.pt/inicio/Internacional/Interior.aspx?content_id=41265

Floribundus disse...

ganha mais que o PR.

a lusa devia ser encerrada

AL disse...

Não é que eu desconfiava que por de trás de tanto amor à liberdade de imprensa andava muito dinheiro em jogo.Uns gatunos.

lusitânea disse...

Este e o seu "farol" angolano só batem nas relações mafiosas Portugal-Angola.Não se metem com os Chineses...
E paga o erário público estes marmanjos para nos meterem na miséria.
Olha se algum deles se atreve a falar da colossal colonização africana de Portugal...sob a batuta dos "investigadores" das migrações e executada pelos "doutores" do ISCTE...nomeadamente através das "escolas não serem SEF".Depois admiram-se de andarem a ser caçados por todo o lado e lá em casa...

jbp disse...

ser rabeta tem os seus privilégios

josé disse...

You bet!

zazie disse...

Tinha de ser

lusitânea disse...

Bem me parecia que o discurso colava ao BE...o partido mais "avançado" e cheio de panascas...