quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

A ética salazarista e a republicana, socialista e laica

Em 22 de Abril de 1989 a revista do Expresso, dirigida por Alexandre Pomar, Clara Ferreira Alves, Joaquim Vieira e Santos Pereira dedicaram um número especial aos 100 anos de Salazar, colando em tandem o assunto "25 de Abril-15 anos".
A abrir,  a ementa não podia ser mais clara que aquela alves: meia dúzia de fotos, em fundo verde, comentadas por Vergílio Ferreira e com o título "Um Portugal imperial e campónio".
Custa-me sempre um pouco a entender como é que um Portugal assim campónio gerou tantos intelectuais cosmopolitas como era o tal Vergílio que escrevia bem. Lá depois do director ( José António Saraiva) fazer o seu papel aparece o inevitável Fernando Rosas, familiar de um ministro de Salazar e que achava este "um personagem mitológico por excelência". Também não se percebe onde quer chegar porque a suprema mitologia que lhe assaca  é a de ter salvo as finanças do país, como se tal fenómeno relevasse de uma abstracção com que a Esquerda encara os assuntos da economia.
É também daqui, deste número, que saiu a crónica de António José Saraiva sobre o "Salazarismo" já aqui mostrada mais abaixo.
Depois de um artigozito de António Costa Pinto aparece uma secção de " como os líderes vêem Salazar". O primeiro "líder"  a dizer coisas é Dias Loureiro.  O qual repete as ideias feitas pela Esquerda: até 1945 Salazar andou bem. Depois disso foi um desastre, porque " recusou os valores da Liberdade, Democracia e Desenvolvimento", diz o actual "líder" de uma camarilha de personagens mitológicas que gravitaram à volta de um  BPN , SLN e outros bancos insulares.  Uma coisa é certa e este "líder" talvez então já o soubesse: se Salazar mandasse, esta espécie de líderes mandariam quando muito na casa ou escritório deles  e se alguma vez pusessem pé nos corredores do poder, seriam prontamente enxotados pela Ética que então existia.
Quem não acredita em tal pode ler o texto que se segue, um apontamento de reportagem nessa revista, assinado por Joaquim Vieira e dedicado aos "sobreviventes ilustres" do salazarismo.
Um deles era Francisco Leite Pinto que foi ministro da Educação de um governo de Salazar e noutra ocasião presidente da Junta de Energia Nuclear ( era o tal país campónio de que falavam aqueles jornalistas esclarecidos tipo Clara Ferreira Alves...)
É ler ( clicando, abrindo a imagem noutra janela e clicando novamente) para se ver a ética do regime de Salazar por contraposição à ética dos dias loureiros e companhia que vem a seguir.

Um dos que também se pronunciou sobre Salazar, in illo tempore, foi Mário Soares. Numa revista do Público, de29 de Julho de 1990, Mário Soares escreveu algumas páginas desde a "casa de Monte Velho do Vau" ( Salazar nunca teve casa de férias no Algarve...ao contrário de alguns políticos da democracia que lhe chamam campónio ou com "experiência de vida ultra-limitada" como escreve Soares).
É ler o que Mário Soares pensava do estadista Salazar e poderá sempre comparar-se a ética republicana. socialista e laica com aquela salazarista que atendia à poupança de "ajudas de custo" de funcionários superiores da administração ou mesmo das empresas do Estado. É comparar essa ética da poupança e controlo de despesas públicas com o forrobodó que Mário Soares inaugurou com as "presidências abertas" e outras viagens a tudo quanto era sítio por esse mundo fora, sempre à custa do Zé pagante.
É ler como fala de quem "Nunca teve a ambição do dinheiro- há que o reconhecer- e que morreu pobre, nem nunca se interessou pelo fausto ou pelo brilho social" e que por seu turno e bel-prazer,  inaugurou uma presidência em que "a partir de agora nada ficará como dantes". E não ficou.  A começar por Macau, para onde exportou alguns personagens que eticamente emparelham bem com um Dias Loureiro.  Para não dizer pior...

Em 1986 a eleição presidencial deu o "jackpot" a Soares. Se até li andava no  "mini" da filha, e ainda não tinha fundações de espécie alguma,  a partir dali passou a andar de carrão do Estado, com tudo pago. Ainda continua, aliás. A ética republicana é assim, de mãos largas e sempre à custa dos outros. A vitória foi tangencial mas decisiva para relançar o socialismo moribundo com o Sombra a fenecer nas urnas eleitorais.


O desaforo ético, republicano, socialista e laico começou logo no primeiro dia da presidência, como aqui se mostra:
E contudo, se Soares não tivesse ganho teríamos o outro candidato "à frente" de Portugal. A julgar pelo que desde então se passou e principalmente pela "entourage" do dito, nem sei bem se estaríamos melhor servidos na ética nacional. É ver...o que nos esperava. Foi por pouco, por meros cento e cinquenta mil votos, em 1986 ( e se se reparar no mapa verificar-se-á que foi o voto comunista do Alentejo e Sul do país que lhe deu a vitória. Um sapo vivo que os comunista engoliram).
Depois disso as bases de apoio de ambos fundiram-se numa central de interesses comuns. De tal modo que o candidato do loden, passou "p´rá frente de Portugal" num ministério dos Negócios Estrangeiros de um tal José Sócrates, afincado republicano, socialista, laico e o mais que aparecesse e lhe desse jeito.
Gostaria de pensar no que Salazar diria disso. Ou mesmo Marcelo Caetano...

6 comentários:

JC disse...

Está fantástico aquele pequeno testemunho do antigo Ministro da Educação de Salazar no Expresso.

Floribundus disse...

se fosse sebastianista apostava noutro Salazar
por ora contento-me co a austeridade a que o 'sucia-lismo' me obrigou

variações sobre uma quadra
'antes de desaparecer
digo a todos os mortais:
BOXEXEM-SE UNS AOS OUTROS
QUE A MIM NÃO ME SARAMAGAM MAIS'

Karocha disse...

Tem razão JC, já do filho não se pode dizer nada, viveu sempre à conta do pai enfim...

José Domingos disse...

Por aqui há passado real. A ficção, é ensinada nas escolas, se é que ensinam.
Parabéns

Maria disse...

A 'batalha eleitoral' entre Soares e Freitas, em que aquele 'venceu as eleições por uma unha negra' foi uma encenação a dois, do melhor com que esta 'democracia' nos presenteou nos demasiados anos que dela já levamos, a merecer um Oscar de Hollywood em representação, para cada um deles.

Quem puder leia o clarificador artigo que o prestigiado jornalista Alfredo Farinha - infelizmente já falecido, porque dizia verdades que nem punhais sobre esta pseudo-democracia e os seus falsos obreiros - publicou no jornal O Diabo, há cerca de talvez 10 anos (jornal que com pena minha não guardei), onde ele descreve minuciosamente as manipulações de votos nos bastidores e trafulhices monumentais que rodearam tal campanha. Segundo Farinha, que participou na companha de Freitas, este ganhava essas eleições por larguíssima margem de votos. Houve à última da hora (diz ele na entrevista "com toda a certeza") "negociações" secretas e ao mais nível entre os dois candidatos quando Soares se apercebeu que ia perder.

A partir d'então Freitas nunca mais deixou de ter altos cargos e nem se importou nada de 'perder'. Pudera! Este homem é um vendido, um cobarde e um traidor aos ideais do partido que o elevou ao estatuto que alcançou e aos portugueses que nele acreditaram e nele votaram enquanto 'presidente' do CDS. Agora, depois de todos os seus indignos ziguezagues políticos, já ninguém lhe dá a mínima importância. É simplesmente votado ao ostracismo por todos aqueles que nele acreditaram e nele votavam e os que sempre o odiaram (ou fingiam) pela sua 'suposta' ligação à direita(?) e que hoje continuam a odiá-lo ainda mais pelo seu sucessivo e indignante vira-casaquismo.

Quanto a Soares, é um oportunista de primeiríssima água e um traidor a soldo da maçonaria mundial. Nem poderia ser doutro modo como bom maçon que é e jamais deixará de ser. A esta criatura inconcebível só lhe interessou ter dinheiro a rodos e atingir o mais elevado estatuto político possível d'alcançar. Para ter sobraçado os mais altos cargos políticos no país, foi-lhe necessário praticar as maiores canalhices e traições de que um ser humano é capaz. Para tanto bastou-lhe vender a alma ao Diabo. Foi o que fez sem a mais leve hesitação.

Obs.: É bom não esquecer que por esta altura já a rede de pedofilia de estado estava em franca progressão e já haviam passado pelo menos 10 anos durante os quais centenas de crianças da Casa Pia vinham sendo abusadas sistemática e continuadamente. E, como se veio a verificar em 2002, ano em que supostamente foi estancado, este criminoso e repugnante carnaval não podia de modo algum ter sido interrompido.

José** disse...

"... Só Salazar - ó único homem de Estado que tivemos desde a independência do Brasil - conseguiu que fôssemos credores de antigos credores ..."

Nesta entrevista do Leite Pinto, tira-se o que devia ser o facto número 1 da nossa actual vida cívica.


Muito obrigado José.