Ivo Rosa, a nulidade da inexistência