sábado, 5 de setembro de 2020

O Público de regresso ao professore Buonaventura

O Público de hoje tem mais um artigo de página do lendário, celebérrimo, ilustrérrimo professore Buonaventura, lídimo representante da ideia sifilítica da esquerda ambulante.

É ler  a mancha negra, com a resposta em três proposições à famigerada questão leninista sobre "o que fazer?". O resultado é sempre o mesmo e replica a ideia-mestra que o director do Público segue por cartilha: o emérito utópico pretende sempre regressar ao seu tempo perdido, à Barcouço dos anos setenta.


Pelo contrário, as ideias que possam contrariar a fantasia deste personagem de banda desenhada sociológica nunca encontram eco nas páginas do Público deste  director.

O Sol dá voz a Pedro Ferraz da Costa, nemesis desse pensamento catastrófico e trágico que nos condena numa alínea a uma pobreza sem ver o fim.


Andamos nesta canção de bandidos há mais de 40 anos e o estribilho em voga continua o mesmo: o do professore Buonaventura, um idiota sem remissão que é seguido como um panurgo dos tempos modernos.

Até quando?

Sem comentários: