Páginas

terça-feira, 11 de abril de 2017

Morreu uma helenista antiga

Morreu Maria Helena da Rocha Pereira,uma helenista de tomo. Tinha 92 anos. Em tempos que já lá vão cheguei a mencionar o nome da helenista portuguesa que se formou em Oxford, nos anos cinquenta ( Salazar...) e que afeiçoava o estudo dos clássicos gregos.
Na altura fi-lo em homenagem à Gulbenkian, entidade que mostrava à generalidade do povo que lia e não frequentava faculdades de Letras, o que era a cultura, incluindo a clássica greco-latina.

Em Março de 2009, o Expresso publicou uma entrevista com a mesma que aqui foi citada, com a transcrição de uma passagem e um comentário:

 "A cultura grega nunca foi para mim algo enterrado historicamente. Por isso trabalhei bastante sobre a sua presença na literatura portuguesa contemporânea, verificando que os melhores poetas contemporâneos têm um sentido profundo do helenismo: Sophia de Mello Breyner, Eugénio de Andrade, Miguel Torga, etc. (...) Vejo sempre tudo através dessa mediação ( a cultura grega e latina como mediação para observar o mundo contemporâneo) e verifico que há características positivas e negativas dos tempos actuais que também existiram na Antiguidade. Ao contrário da ideia dos historiadores de que a História não se repete, há algo que se está a repetir: a perda dos padrões éticos, como no final do Império Romano."

O que Maria Helena da Rocha Pereira ensinou e ensina é muito simples: a cultura e conhecimento da Antiguidade clássica continuam a fazer sentido nos dias de hoje. Excepto para os teóricos de tretas e sociólogos de algibeira que fizeram os nossos programas de ensino ao longo das últimas décadas.
.



A  Gulbenkian publicava nos anos sessenta e setenta uma espécie de boletim informativo de índole cultural sobre tais matérias e um de 1967 tinha estes textos que todos então entendiam:



As primeiras ideias gerais sobre a cultura greco-romana, com iconografias variadas e sobre a evolução do teatro, poesia, história, filosofia, literatura em geral e autores em particular, foi aí que muitos as viram e leram.
Com destaque particular para a cultura clássica, os temas suscitavam curiosidades em quem a teria e abriam portas para os livros de base que se recomendavam.
Hoje e numa altura em que se questiona a oportunidade e validade do ensino dos temas da cultura clássica, tal como eram ensinados há décadas atrás, os boletins da “biblioteca” eram uma espécie de guia que já não há.
Nesses tempos recuados, em que alguns ainda hoje perscrutam os sinais de uma longa noite, politicamente estrelada por Salazar e Caetano, quem mandava nas “bibliotecas” e na Gulbenkian, não escondia a cultura clássica de quem a quisesse entender. O que também se reflectia no ambiente cultural geral.
E assim, podiam facilmente encontrar-se em catálogos livreiros, obras sobre o classicismo greco-romano. A editorial Aster, anunciava em 1969, no seu catálogo, uma obra mestra: Paideia, de Werner Jaeger, académico alemão, falecido em 1961, aluno da escola hegeliana e que saiu da Alemanha durante a guerra, fixando-se nos Estados Unidos . A Paideia de 1969 custava…300$00( como comparação, a editora Ulisseia vendia nessa altura o livro de Céline, Viagem ao Fim da Noite, a 65$00 e hoje vende-o a 19 euros) e era certamente livro recomendado nas faculdades de Letras. Ainda o será, hoje? Parece que sim, mas será essa obra uma referência para quantas pessoas, em Portugal?
Para Maria Helena da Rocha Pereira sê-lo-á, certamente. Como o seria para o padre Manuel Antunes, António José Saraiva ou Paulo Quintela, Vitorino Nemésio e alguns outros vultos que marcaram o ambiente cultural português na segunda metade do séc. XX.
Aquela especialista em Antiguidade Clássica e professora na Universidade de Coimbra, e que nos anos setenta e oitenta dirigiu a publicação da série de clássicos gregos e latinos na editora Verbo, disse em 6 de Fevereiro de 2006, ao Público que “É preciso não esquecer que a ciência actual assenta na ciência grega, principalmente, e também a própria teoria política parte da antiguidade grega e depois tem acrescentos- digamos assim- da antiguidade romana.” E ainda disse que “temos um grupo, quer em Coimbra, quer em Lisboa, de classicistas de grande qualidade.”
Pois seja! Só teremos a ganhar em ver as obras que de lá sairão!
Dantes, nos anos sessenta, os críticos e recenseadores literários, escreviam nos jornais com referências a essa cultura de base helénica e com a naturalidade de poderem ser compreendidos. Hoje, é raro, parecendo que a elite classicista se reúne em secretos conciliábulos universitários.
O que é que terá mudado, nestes anos, para que os cultores dos clássicos, se fiquem já pelas seitas e nem sequer apareçam nos jornais, em suplementos culturais?
Segundo um autor alemão, Dietrich Schwanitz,( Cultura, d.quixote, 2004) o que mudou foi o cânone de leituras que dantes ligava o estudo dos clássicos entre a escola e a Universidade.E sugere abertamente o regresso da transformação da expressão escrita que “ é muito mais exigente no que toca aos requisitos lógicos, ao ordenamento das ideias, à correcção sintática, à estrutura do texto e ao nexo entre as frases e a plausibilidade geral”.
Segundo o autor, o ensino transformou-se num reino de trevas, onde reinam a insegurança e a grande confusão e se experimentam sempre modelos novos. E como um dos remédios possíveis, apresenta uma metafórica referência a um dos mitos gregos: Medusa, uma das górgonas, tem um olhar mortífero; porém, se for confrontada com um espelho, mata-se a si mesma!

Ponham espelhos nos edifícios do Ministério da Educação!

 O Público de hoje também traz o obituário. Este, insípido como de costume. Sem brilho "porque as coisas belas são difíceis":


Diz um editor, José da Cruz Santos, que "sempre me surpreendeu que uma pessoa desta envergadura nunca tivesse recebido o prémio Camões ou o prémio Pessoa".

Pois a surpresa não será assim tanta se soubermos quem foram os jurados desses prémios ao longo dos anos...

18 comentários:

lusitânea disse...

Mas hoje em dia há muitos copiadores da kultura Grega.Isto a aquilatar pelo nº de paneleiros que por aí há.E coitados flagelados com a hepatite "A" devido a merda infectada de cus terceiro mundistas...

zazie disse...

Pois foi uma grande senhora e nem se falava dela

Arnatron disse...

Em Portugal cultiva-se a cultura da mediocridade e de subserviência aos ideais comunas ...
A descrição da história de Portugal está entregue a historiadores do tipo "Rosas" ...
E só os que se vergam por ideal ou oportunismo a essa abordagem da cultura, são elegíveis para os prémios, que as agremiações do regime actual distribui pelos seus apaniguados, como pagamento por essa subserviência ...

A verdade a que temos direito disse...

Como o Frederico Lourenço é homossexual e o José é um homofóbico, dizemos tão e sómente que "(...)O Público de hoje também traz o obituário. Este, insípido como de costume. Sem brilho "porque as coisas belas são difíceis"(...).

Sobre o artigo do Frederico, nada insípido, com sal e outras especiarias quanto bastem, nickles batatóides.

Pois é, José. Pimenta no cu dos outros é refresco.

josé disse...

"tão e sómente" custa-me perceber o remoque.

Insípido quer dizer insosso. Falta-lhe o sal que o brilho confere aos escritos verdadeiramente interessantes.

Pedir opinião a dois ou três "versados" e copiar dados biográficos é pouco.

Como se diria em Oxford: "sorry".

Floribundus disse...

conheci a Senhora em Coimbra no início de 50

das raras pessoas que gostei de ler

há muito que só se fala nos revolucionários e paneleiros

josé disse...

Sobre "o artigo do Frederico" não o vi. Devo andar míope e leio António Guerreiro onde deveria estar o tal Lourenço que escreve em facebook que não frequento.

Sobre a homofobia, não comento processos de intenção.

zazie disse...

O Guerreiro é paneleiro. A tribo reconhece-se logo. Este veio cá porque devem conhecer-se todos das "saunas literárias"

":OP

Floribundus disse...

Zazie
a paneleirada fazia sauna no Largo da Misericórdia

uma noite à saída do Gol tive de transportar um cu arrebentado a S.José

a chafarica dos paneleiros do Gol era a fenix, mais conhecida por penix

devido a disputa bateram-se. puxaram os cabelos

tivemos de albergar 2 que se alternavam
em loja de alterne

chegaram a prof drs

josé disse...

Para desanuviar:

Há anos que andava à procura de uma versão de Moonlight Serenade, de Glenn Miller.

Sabia que tinha ouvido essa versão em 1978, porque a tenho gravada desde então, mas em condições de som medíocre porque fora gravado de uma emissora espanhola de rádio e apenas um fragmento de cerca de um minuto. Mas era versão que ouvi em doce companhia e andava a tentar descobrir que versão seria.

Tentei o Google, a Wiki e há anos que andava frustrado porque não apanhava a versão exacta, no You Tube ou algures. O You Tube tem virtualmente tudo e ouvi muitas versões, dessa época.

Hoje, tentei digitar "moonlight serenade 1976". Bingo!

Mina, cantora italiana, álbum de 1976, Plurale. Maravilha!

Lura do Grilo disse...

Pois ... segundo um dos meus filhos, dado mais a estas coisas da Cultura e Letras, foi uma esquecida do feminismo rampante! Mas, no fundo, isso mesmo é uma medalha.

Bic Laranja disse...

Falam os artigos em bárbaros, hordas deles. O prof. Hermano Saraiva disse certa vez que os bárbaros não fizeram nada. Só partiram tudo.
Repete-se a História. A academia, tomada por eles, redime-os (redime-se). As hordas dos ditos que desfizeram Roma foram há umas décadas vertidas em suaves e inócuas invasões germânicas. Hoje serão meros migrantes. Dignos de dó, possìvelmente. Todos. Em todo o sentido.
Tristes tempos.

Bic Laranja disse...

A prof. M.ª Helena foi uma classicista de mérito. Como ele não haverá muitos. Estranhamente pronunciou-se a favor do Acordo Ortográfico. Não se percebe.

Floribundus disse...

José
em jovem adorava Glenn Miller
lembro-me da queda do avião pouco antes do final da guerra

houve reconstruções da sua orquestra

no YT costumo ouvir moonlight com cerca d 1.700.000 audições tocada pelo próprio
assim como Chatanooga Choo-Choo e outras

Sinatra cantou

não sabia que apreciava

tb gosto de outras grandes orquestras americanas e cubanas dos anos 40-50

aprecio John Philippe de Souza

Dudu disse...

Tenho um vinil fabricado pela rádio triunfo, mas só tem '46 de introdução de moonligt serenade de Miller-Parish.

hajapachorra disse...

Só teremos a ganhar em ver as obras que de lá sairão!
Ó santo homem, é fácil, basta googlar classica digitalia e tem dúzias e dúzias de obras que de lá sairam, só nos últimos anos.
Os jornais morreram, capacite-se.

josé disse...

As "obras" a que me referia em 2006 eram do grupo de estudos da Universidade de Coimbra, o alfobre de onde sairiam as orientações pedagógicas futuras.

Saiu alguma coisa que se veja?

Não me referia à possibilidade de qualquer diletante googlar.

Quem não sabe, raramente pergunta. E se pergunta, porque o fará?

A pedagogia escolar, os programas curriculares são o mais importante para espalhar esta cultura pela juventude. Não é no Google que se irao cultivar desse modo...

hajapachorra disse...

Se não sabe se sairam obras que se vejam (era a obras e não a pedagogia escolar que se referia), vá ao google, repito. E depois compre-as e leia-as. Está com com sorte as dos classica digitalia estão todas on-line, à borla. Mas pode ler as traduções publicadas pelo Inic, pelas Edições 70, pela Cotovia, pela Relógio de água, pela Gulbenkian, pela INCM. Vêem-se bastante bem. Pelos vistos não faz a mínima ideia. Mas a tentação de falar sobre aquilo que se desconhece é enorme, bem sei. Quanto à pedagogia escolar e programas curriculares tb não tem noção nenhuma. A cultura e as línguas clássicas foram apagadas do ensino por políticos ignorantes (passe o pleonasmo), de esquerda e de direita, apesar da resistência, quase apetece dizer heróica, de classicistas que esta piolheira não merece.