Páginas

quarta-feira, 12 de abril de 2017

O bando de amiguetes

É assim que Eduardo Dâmaso, na Sábado de hoje, qualifica o pequeno grupo de amigos unidos pelo poder na banca, na advocacia de negócios, na influência em alguns grupos de media e no velho bloco central de interesses.


Em seguida o caso Dias Loureiro /BPN aferido pelo despacho de arquivamento de um processo que ainda não se pode consultar integralmente. Veremos quando tal será possível, sendo certo que deve sê-lo quanto antes.

Das 2 830 páginas do processo só 1138 são consultáveis. E nenhum anexo. Esperávamos mais...



Ah! As frases citadas fora de contexto do despacho de arquivamento apenas dizem que o arguido é suspeito de alguns factos apontados e circunstâncias apuradas. Não diz nem pode dizer que é culpado e que apenas não foi possível reunir prova de tal facto...

4 comentários:

Floribundus disse...

as negociatas da geringonça

são o máximo

Bic Laranja disse...

O que o Dâmaso podia explicar era a vergonha do «respeitinho salazarista». Porque não era a pouca vergonha dos «amiguetes», que já todos entendemos, há muito. Camillo chamou-lhe corja, sem a muleta do Cervantes.

josé disse...

A ideia do "respeitinho" é ideia feita do esquerdismo militante.

Assimilaram a coisa e agora é respeitinho para aqui e respeitinho para ali.

muja disse...

E no meio de tanto respeitinho, respeito é coisa rara.

Mas será que Dâmaso e outros vêem isso?

Queixa-se o sr. Dâmaso de que os amiguetes se barricam nos direitos "fundamentais" - que, presumivelmente, escasseariam no tempo do respeitinho original; mas, sr. Dâmaso, alguma vez os direitos, "fundamentais", "humanos", ou outros que tais, igualmente espalhafatosos e sensacionalmente proclamados - alguma vez serviram eles para outra coisa do que para justificar e dar pretexto e cobertura a todos os atropelos à lei e à moral?