Páginas

terça-feira, 4 de abril de 2017

PGR: comunicar é preciso. Bem...

jornal i de hoje:

O i de hoje dá à capa um título sobre a PGR: “ Joana Marques Vidal bate recordes”. Um título jornalístico, pindérico, mas que veicula uma ideia sobre os comunicados da PGR. Já vai em 165, desde Outubro de 2012.
Não há dúvida que a PGR emite muitos comunicados e para isso tem uma assessora de imprensa que não é sequer mencionada no artigo e que pode ser quem os redige, essencialmente, para além dos “contactos” com os media em geral. Notoriamente esta notícia parte desse esforço. E ainda bem. Mas…será que a PGR comunica bem? Os comunicados são claros, inteligíveis para jornalista descodificar ou o público geral entender? Duvido.

Se há alguém que no MºPº sabia comunicar com excelência de trato e forma era Cunha Rodrigues, o PGR que mais contribuiu para a afirmação do MºPº como uma magistratura independente da dos juízes e merecedor dos encómios mais elevados nesse papel. Cunha Rodrigues, a par de Almeida Santos e poucos mais foi um dos autores do nosso modelo actual de magistratura, nos idos finais dos anos setenta.
Aqui, em 2004 ( tempus fugit…) fiz um pequeno apanhado da vida e obra de Cunha Rodrigues na PGR.
Até final dos anos noventa foi o comunicador por excelência da magistratura portuguesa, incluindo a dos juízes, a par de Laborinho Lúcio, o pai da formação excelente que então se ministrava no CEJ.
As agruras para Cunha Rodrigues começaram então, por razões pouco claras mas que envolviam figuras públicas então com a maior das notoriedades. Foi o caso de Leonor Beleza e Fernando Negrão, de Melancia e da corrupção na JAE e a politização do cargo de PGR. Cunha Rodrigues era socialista, amigo de socialistas e assim ficou explicada a sua atitude no caso Melancia e Mário Soares, com Rui Mateus de permeio, ao mesmo tempo que se demonstrava a aplicação do princípio de Peter ou o da perda de inocência.
O PSD não o suportava por isso e por outras coisas, uma vez que estava no poder.
Há quase dez anos publiquei isto aqui, incluindo nos comentários:

O legado de Cunha Rodrigues, está verdadeiramente por fazer, mormente quanto ao modo de interacção com os media, que o mesmo aparentemente e de modo precursor, soube usar em seu proveito e do da magistratura que dirigiu.
Falta apurar como foi possível que esses mesmos media que o endeusaram, tenham sido exactamente os que o depuseram, na praça da opinião pública, durante os anos 1999-2000.

A barragem de fogo cerrado sobre Cunha Rodrigues foi de tal ordem que até a mim, um crítico das suas opções cirúrgicas e notório cerceador e capador de veleidades investigatórias em certos crimes ( os que implicavam o poder político dos seus amigos mais altos, é preciso dizê-lo, mesmo correndo o risco de injustiça que não de difamação, porque factos são factos), até a mim, dizia eu, me deu vontade de o defender contra certos indivíduos que manipularam nessa altura a informação, como é o caso de Freitas do Amaral e aquele autarca de Santarém, dito especialista de criminologias atípicas ( Moita Flores).

Foi Cunha Rodrigues quem  inaugurou a ideia dos gabinetes de imprensa na PGR ( .Dec-Lei 333/99 de 20 de Agosto, pode ser lido aqui, nos comentários a um postal,  na parte que interessa) .

Depois de Cunha Rodrigues veio Souto Moura, um magistrado da carreira do MºPº e cujo primeiro embate foi o caso Casa Pia que o levou ao mesmo estado de desgraça, em 2007, com o pasquim de Pedro Tadeu, 24 H a fazer manchetes deste género, dias seguidos. 
Os jornais em geral tratam muito mal os PGR no final de mandato, vá lá saber-se a razão que para mim é só uma: estão umbelicalmente ligados a poderes políticos e interesses variados a que não deviam .

Depois de Souto Moura, veio Pinto Monteiro que ainda esbraceja por aí, de vez em quando e quando o entrevistam na tv em modo vergonhoso e incompetente, como sucedeu no outro dia com um jornalista qualquer que se calhar julga que é um grande entrevistador.
 Souto Moura foi cilindrado pelas rotativas por causa do processo Casa Pia que atingiu o PS. Só por isso e mais nada. Os fretes que certos jornaleiros prestaram a esse PS e continuam a prestar são tão evidentes que destroem qualquer resquício de credibilidade jornalística.


Em tempos resumi aqui o que se passou, incluindo com o PGR Pinto Monteiro, então muito agastado.

O verdadeiro agastamento, porém, deveria ter sido outro se o Ministério Público tivesse outra coragem que definitivamente não me parece que tenha. Forte com os fracos...e fraco com os fortes?  O caso da violação do segredo de justiça no Face Oculta, em 24 de Junho de 2009,  para mim foi a prova de que tal pode ser verdadeiro. E muito, muito triste  porque nos coloca ao nível angolano.

A actual PGR em relação à qual tenho sido algo injusto ao considerar que tem medo da própria sombra, tem-se aguentado menos mal, no aspecto comunicacional,  porque não fala muito e por isso diz quase nada.
Restam os comunicados que emite, redigidos eventualmente pela jornalista que assessora no gabinete de imprensa e que não me parecem muito profícuos nessa comunicação, embora sirvam para tal. 
O comunicado emitido a propósito do caso marquês secou as críticas e ajustou a perspectiva de quem pouco ou nada percebe do assunto mas fala como se fosse entendido. 

Hoje conseguiu um trunfo e para já não tem má imprensa como os anteriores PGR tiveram, no final de mandato. Meteram-se como o PS...

Veremos o que sucede no caso do Marquês, principalmente nos rebentos que ocasionar e que ficarão  por conta dessa eventualidade.

4 comentários:

Floribundus disse...

o sr do Porto da Ovelha foi uma desgraça

o ps lixou todas as mulheres capazes que passaram pelo PSD

o processo 'marx' vai mostrar as garras do ps

principalmente se a acusação coincidir com as autárquicas

a CE podia instalar-se no largo dos ratos para ficar mais económica

'o estado a que isto chegou!'
quem lhe terá ensinado a frase?

Floribundus disse...

CS ou cumunica são xuxa

Floribundus disse...

recentemente aquele a quem um certo ps chama 'sacana golpes'

explicou tudo ao dizer que:
não estava nem à venda, muito menos à compra

josé disse...

Huummm...e então ofereceu-se para a Misericórdia. E foi aceite a oferenda por quem de direito. Está bem.