segunda-feira, 24 de agosto de 2020

Ecos do reco reco

O CM descobriu as delícias em reportar a conversa off reco do primeiro-ministro, aliás sensacional e por isso perfeitamente enquadrada no estilo do jornal.

Julgando que estava em casa ( e não no café, o que seria diferente...), com convidados dóceis e submissos ao poder do momento( David Dinis, Liliana Valente e Vítor Matos) deixou-se gravar a dizer broquices típicas de pindérico transpirando falta de classe por todos os poros.
A gravação saltou da caixa e tramou o manhoso. Assim, como mostra o CM de hoje, logo na primeira página, sensacional, acompanhada do coro de lamentações hipócritas e igualmente sensacionais pelo que significam.
O caso dos lares e dos idosos é apenas um pretexto para a sensação do momento, enquanto o "homicida" que espreita em "foto recente", parte das informações  surripiadas em indecorosa troca de favores ao segredo de justiça da PJ,  não ocupar a página inteira com o respectivo "trailer" na cmtv com reportagens em directo da jornalista do "pente-fino". É só esperar uns dias :


No fim a evidência: os "lares devem ter sempre médicos". E também pessoas que saibam cuidar dos "utentes", já agora. E que os tratem como seres humanos e não apenas utentes. E que saibam actuar em caso de doenças contagiosas e que por isso mesmo tenham o cuidado necessário para que os doentes não infectem os que ainda não estão.

Coisas tão básicas que não são precisos médicos nenhuns para cumprir. Apenas zelo e atenção de qualquer pessoa e que por isso devem ser escolhidas e ensinadas a tal, com exigências estritas e responsabilidades correlativas.

Entretanto, a questão passou a ser a do video do reco-reco. O video foi gravado em conversa com aquele cripto-jornalista, Dinis, tão competente que anda sempre a saltar de lugar, como a personagem Sr. Inverno das canções infantis da falecida Branca-Flor nas "cantigas da minha escola" dos anos oitenta ( "o sr. Inverno anda sempre a viajar, é um viajante eterno sempre a mudar de lugar..." ) e que agora se esfarrapou todo a tentar impedir a divulgação de mais uma desgraça que protagonizou. Para tal personagem esta desgraça é muito maior e nem tem comparação com  a merda de jornalismo que pratica. Daí as genuflexões de desculpas e sinceros lamentos sobre o que aconteceu. O Poder não perdoa...e o manhoso não esquece.
Em resumo: esta gente nem deve ter dormido e se dormiram os pesadelos foram horríveis.

O Observador conta como foi:


 O video da desgraça do Expresso do Dinis:

Sem comentários: