terça-feira, agosto 11, 2020

Receita para combater o esquerdismo cultural

É ler este Onfray, francês da filosofia e não-crente que publicou o livro Decadência, sobre o declínio do Ocidente e que ando a ler.

Nesta entrevista da Le Point desta semana diz que a onda actual do esquerdismo cultural teve como origem a infantilização da filosofia francesa pós-68, através da adaptação em versão disney, do outro lado do Atlântico.

"Filosoficamente, o Maio 68 foi produzido, nomeadamente, por Herbert Marcuse, William Reich, Henri Lefebvre, politicamente por Mao, Trotsky, Che Guevara, Ho Chi Min. Mas Maio de 68 também foi produzido por Deleuze, Foucault, Derrida, que, antes deste acontecimento, eram pacatos professores engravatados...O estruturalismo, que anunciava o fim da História, a morte do homem, o regresso a uma escolástica digna da Idade Média, foi posta em crise pelo Maio 68, que ruidosamente apontou a força da História e a proeminência das individualidades. O estruturalismo foi assim abandonado sem bombo ou trombeta mesmo pelos seus actores durante os anos 1980.  Bastou o tempo de atravessar o Atlântico, ser traduzido e invadir os campus americanos, para se tornar em French Theory. E é esta French Theroy que regressa em boomerang quando os estruturalistas franceses já o tinham arquivado por acabar em impasse. O racialismo, o desconstrucionismo, o neo-feminismo, os estudos de género, o pós-colonialismo, que afundam a cultura e civilização francesas, vêm dos Estados Unidos que nos voltam a servir uma French Theory revista e corrigida pela Disneylandia."


Sem comentários:

O director do DCIAP parte a louça