sexta-feira, 5 de fevereiro de 2021

A incrível e extraordinária complacência com o comunismo

 Revista L´Histoire deste mês:









Tudo se resume em poucas palavras: 

" o tratamento extremamente severo dos prisioneiros de guerra soviéticos pelo regime estalinista responde a uma lógica dupla. Uma lógica política, marcada pela vontade de ocultar as responsabilidades do regime no desastre do início da guerra.

A captura de milhões de combatentes apontava para erros monumentais cometidos pelos dirigentes políticos e militares. Era necessário fazer crer que eles tinham sido feitos prisioneiros por causa da sua cobardia, se não da sua traição. 

Uma lógica económica: para reconstruir o país era necessário, no espírito dos dirigentes estalinistas, dispor de importantes contingentes solidamente enquadrados, de mão de obra forçada. Como o efectivo de detidos no Gulag se derreteu em metade durante a guerra, na sequência de uma mortalidade record, os prisioneiros de guerra deveriam substituí-los na tarefa."

A tragédia russa e o verdadeiro genocídio engendrado pelo estalinismo só tem paralelo com o que aconteceu na Alemanha de Hitler e com o nazismo.

Pois o nazismo, na Europa,  é doutrina proibida, sendo mesmo proibido até falar nisso em tom apologético, nos media, sob pena de perseguição criminal.

O comunismo, esse, doutrina igualmente devastadora e odiosa nos efeitos provocados, particularmente na vertente estalinista, é por outro lado, elogiado como grande ideologia favorável aos trabalhadores e digna de apreço, sendo seguida por partidos legalizados e com assentos parlamentares, como é o caso de Portugal. 

Há qualquer coisa de muito grave que falha nesta lógica e a torna uma batata.

Sem comentários: