quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

Sábado: o ensaio de demolição moral de Mega Ferreira

 A revista Sábado começou no passado dia 21 de Janeiro a publicar uma série de quatro artigos de um "ensaio" tirado de um livro a sair, da autoria de João Pedro George, acerca do fassismo, neste caso da "guerra colonial". 

Essas partes do ensaio são consagradas a demolir moralmente a figura de António Mega Ferreira, apresentado como mais um oportunista do 25 de Abril, antigo apaniguado do regime anterior que virou casaca no dia a seguir. Logo na introdução do "ensaio" o autor qualifica-o como "pedante, habilidoso e pouco transparente, ávido de conquistar poder e prestígio social, em suma, alguém que se move apenas na mira de grandes ganhos".

Na série dos quatro artigos não há um que esqueça o tal Mega Ferreira, sempre para o denegrir, o que suscita alguma perplexidade e interrogação acerca dos verdadeiros propósitos do vilipêndio. 

Para além da revelação extemporânea acerca do perfil moral do dito Mega Ferreira no capítulo dedicado a explorar uma dita "história secreta da propaganda do regime",  sobra como motivo de desconfiança de tal empenho inusitado o conhecimento do verdadeiro motivo da empreitada de demolição moral de alguém, cujo papel foi certamente menor do que o apresentado em letras maiúsculas e parágrafos de ignomínia. 

Até se conhecer a verdadeira razão do exercício que me parece rasca, ficam algumas páginas exemplares do assassinato de carácter digno das  manobras estalinistas de antanho:


  






Resta-me perguntar como é que a Sábado da Cofina e de Eduardo Dâmaso convive com isto? Terão motivos pessoais para tal? Se não têm, parece...

Sem comentários: