domingo, 21 de fevereiro de 2021

Os locutores do rádio de há 50 anos: a Renascença foi o ovo da serpente

 Em 1971 o rádio em Portugal era mais importante do que hoje, apesar de o FM ainda ser frequência abaixo da Média. 

A escolha de locutores, programas e músicas que passavam nas ondas começou nessa altura a reflectir uma alteração substancial e de conteúdo com o aparecimento de certas vozes cuja linguagem também sofreu a mutação que se tem apontado e que ganhou suma importância em 1974. 

A revista de espectáculos Rádio & Televisão, propriedade da Radioprel, era então dirigida por Paulo de Medeiros e Manuel Ricardo e um ano depois já tinha lá Dinis de Abreu. 

A capa da edição de 20 de Março de 1971: 



Num artigo de três páginas falava-se de rádio em Portugal e programas específicos como Tempo Zip, 23ª Hora, Página Um, Talismã e PBX, mencionando-se o modo como apareciam os locutores: via Rádio Universidade que era então a escola de rádio de quem começava. 




Em 22 de Maio de 1971 a revista dava conta dos "melhores do microfone" no ano anterior: dois deles, Nuno Martins e Adelino Gomes "estavam retirados das lides"...


Este mesmo Adelino Gomes, também formado no Rádio Universidade,  em Agosto de 1973 dizia assim à revista: 



Adelino Gomes que integrou o programa do Rádio Renascença, Página Um ( dois anos antes da entrevista, por isso em 1971)  diz que foi o PBX que mudou o rádio em Portugal, em 1968. 

Em 1973 estava na Alemanha porque o Página Um tinha sido suspenso. Por sua causa, embora não explique porquê e nem o queriam lá mais.  

 Em 11 de Novembro de 1972 a revista  mostrava-se a redacção do Rádio Renascença, com nomes que vieram a ser bem conhecidos posteriormente.



Em Agosto de 1973 Adelino Gomes dizia que tinha "um trabalho a fazer em Portugal". 

Qual?  É o que veremos a seguir...mas desde já se adianta que era o mesmo que este melro que foi esperar Álvaro Cunhal ao avião quando este chegou à Portela, logo num dos dias a seguir ao 25 de Abril, para mudar a linguagem corrente no nosso país, com a ajuda prestimosa destes locutores e programadores de rádio. Tinham todos um trabalho a fazer em Portugal. E fizeram-no com profissionalismo, mudando a linguagem corrente, adaptando-a ao cânone esquerdista que ainda vigora. 
 


E onde é que este melro do jazz trabalhava na altura, em Novembro de 1973? No mesmíssimo Rádio Renascença, no programa "5 minutos de jazz". 

A Rádio Renascença era rádio do Patriarcado, da Igreja Católica...e foi o ovo de tal serpente venenosa para a nossa cultura. 

Sem comentários:

Os escombros do apocalipse