quinta-feira, 11 de fevereiro de 2021

Honra a um herói nacional

 Daqui:



Para se ler quem torturou Marcelino da Mata, no tempo do PREC vale a pena ler este escrito de Helena Matos, de 2015 sobre o MRPP e os seus fautores, entre os quais este finório que se deixou fotografar e entrevistar neste ambiente bucólico pela revista Nova Gente ( edição de 4.2.2021) enquanto destilava a costumada raiva contra tudo e todos, sem vergonha nenhuma do que fez ainda há poucos anos, no MRPP.


O indivíduo do MRPP é apresentado como "professor universitário, político e um dos maiores especialistas em direito do trabalho" . 

No fim do artigo de encomenda certa há a menção ao autor do texto ( Humberto Simões, o director da publicação, indivíduo ainda novo)  e ainda à autora das fotos e da responsável pela "maquilhagem e cabelos" e também da "produção" da peça- Zita Lopes, com agradecimentos ao hotel 3KEuropa. 

Balha-nos santa ingrácia!

Entretanto aqui fica para registo os obituários do CM e do Público. Diga-se que o CM tem vindo a publicar todos os domingos e de há muito tempo a esta parte,  na revista, duas páginas de relatos na primeira pessoa de antigos militares portugueses na guerra do Ultramar, sobre episódios que testemunharam. Os depoimentos são escorreitos, com linguagem da época e com muitas fotos. Vale a pena coleccionar. 




ADITAMENTO:

Como diz um comentador é repugnante que o presidente da República, enquanto comandante supremo das Forças Armadas não tivesse uma palavra sequer de apreço ou de consideração pela pessoa que foi um herói nacional, sob qualquer perspectiva: serviu a pátria, soube ser português e sempre teve honra nisso. 

O presidente da República, pessoa que poderia ter cumprido serviço militar na época e ser mobilizado para o Ultramar, safou-se sempre dessa encrenca. Como?! Era bom que lhe perguntassem ou quem soubesse o dissesse publicamente. O professor Martinez deixou o lamiré.

Sem comentários: