Páginas

sábado, 12 de maio de 2012

O fogueteiro

Ricardo Costa, hoje no Expresso escreve isto ( clicar para ler):


É o chamado foguete de três tiros. O primeiro no pobre Carvalho; o segundo, na Ongoing e o terceiro, de estrondo e no chão, na reputação jornalística dele próprio que aliás já não era de estalo por aí além.

Em Julho do ano passado escrevia isto: «O facto é só um: o anterior director do SIED passou informação para fora a quem o contratou quando ainda era director do SIED. Mais, depois de deixar de ser director do SIED continuou a usar os serviços. Isto parece-me ser de gravidade extrema". 

De facto, assim foi.  A gravidade extrema foi apurada num inquérito criminal onde aqueles foram acusados de crimes que o próprio director do Expresso pode ter cometido igualmente, tirando o extravagante abuso de poder.São crimes que até ver carecem de defesa ( pelos vistos os arguidos nem falaram durante o inquérito...) e os factos parecem falar por si. Veremos se os crimes se confirmam e se irão a julgamento e sairão comprovados.


Agora escreve assim assado, esta girândola surreal num ambiente inquinado:
"Um grupo empresarial com a mania das grandezas contratou um espião com a mania das grandezas, fechou as normas da decência num cacifo e deitou fora a chave."

O grupo Impresa, com a mania das grandezas, e para combater o outro grupo com a mania de grandeza igual, contratou umas toupeiras nos serviços de informações, anónimos e com objectivos turvos, fechou as normas do jornalismo objectivo e profissionalmente competente num cofre forte e esqueceu-se do código.
Assim que o tal Carvalho mais o da Ongoing mais os restantes forem ilibados de qualquer crime, o mesmo Ricardo Costa esquecerá rapidamente o assunto e nem uma linha escreverá mais sobre o caso.
Costa escreve logo a abrir a girândola que "este caso nunca foi, na essência, um caso político".
Pois não: foi sempre um caso comercial que interessou à Impresa de Balsemão fustigar a fim de afastar um concorrente potencial no negócio dos media.  Foi só e apenas isso.

A circunstância de se ter descoberto entretanto umas tantas poucas-vergonhas nos serviços de informações apenas acrescentam o ditado: há males que vêm por bem. E servirão eventualmente para limpar os serviços de informações, extinguindo-os tal como são. Já tarda. O Júlio não é um duro e o Júnior é da Maçonaria. Da boa, claro. Aliás, tudo se conjuga com a Maçonaria que onde se mete dá sempre destas borradas.

Ou alguém acredita que este tipo de coisas não aconteceu no tempo do emigrado de Paris quando estava lá no próprio Gabinete um Olrik?
Alguém acredita que o caso que envolveu a TVI, em que José Sócrates esteve pessoalmente envolvido ( não foi apenas um mero funcionário dirigente do serviço...) e em que esteve envolvido um tal Armando Vara, foi menos grave que este?
E que disse o PGR sobre o assunto? Que o crime de atentado ao Estado de Direito nunca existiu! Arquivou tudo, num expediente administrativo que não mostrou a ninguém.
Que escreveu então Ricardo Costa sobre o assunto? Inanidades. 

Ricardo Costa acha que este caso da Impresa vs Ongoing é que é o verdadeiro caso de "gravidade extrema".  Percebe-se muito bem porquê, mas é de julgar que a guerra ainda não terminou e que o primeiro milho é para os pardais, agora assustados com o foguetório.

Veremos onde vai parar Ricardo Costa. Já são muitas juntas...

10 comentários:

Luis disse...

Não vejo nenhuma mentira dita por Ricardo Costa nesta noticia. Aliás, não tenho visto qualquer falsa informação passada pelo Expresso sobre esta matéria desde que denunciou a trama pensada e executada por JSC.

zazie disse...

´´E incrível. O José acredita que as pessoas são ludibriadas pelos media e não o seriam se a informação fosse correcta.

Pois veja a reacção quando se lhes oferece verdade.

Preferem a mentira mesmo sem que a compreendam.

As pessoas estão estúpidas.

zazie disse...

E desconfiadas. Vivem de cabalas e novelas.

Se faltar ingrediente para isso é mentira. Não pode ser.

O José tem de ter alguma agenda escondida. Só pode. A racionalidade é coisa que nem interessa.

josé disse...

Pois exactamente por isso é que vou continuar a escrever sobre o assunto.

Sei que estou isolado, mas não me interessa integrar a matilha.

Os media em Portugal são assim mesmo: irracionais.

Como é que chegamos aqui? É complexo mas sinto que foi por causa do jacobinismo, do socialismo e da incultura e ignorância.

Aí estão boas razões para escrever, mesmo correndo o risco de parecer petulante ou elitista ou seja lá o que for.

josé disse...

Luís:

O Costa não diz mentira alguma em estado puro. Diz meias verdades o que redunda em mentiras completas porque hipócritas e feitas de iniquidades.

Quando foi dos casos do Sócrates nunca se lhe ouviu ou leu prosas parecidas e nesses casos que são vários o assunto era muito, mas mesmo muito mais grave.

Conclusão?

O fogueteiro vai subir aos ares um dia destes com os factos a rebentarem-lhe nas trombas. Em modo figurado por supuesto.

Floribundus disse...

Caro Amigo
tem toda a razão.
não está só.
nada se pode esperar de 'escrevinhadores' onde, como dizia há anos um jornalista do Le Monde,
«o pensamento coincide miraculosamente com o do dono(s)».

Floribundus disse...

devido ao seu real valor
tenho pena que os seus textos não sejam devidamente bem acompanhados

raramente alguém consegue demonstrar e distinguir a 'shame culture' da 'guilty culture'


é a porcaria de socialismo que temos

joshua disse...

Não deixei de reparar no tom de cumplicidade infeliz na nota final implicitamente obituária, precisamente o P.S. final. Ok, Ricardo Costa era tu-cá-tu-lá com os falecidos Portas e Sasseti. Mas misturar os departamentos não lembrava ao careca.

Haverá maior pedantismo?!

josé disse...

Também reparei nisso. Os dois falecidos falharam-lhe nos encontros e o indivíduo deu conta do falhanço como se fosse um azar do destino.

Que deplorável palerma.

Karocha disse...

Estranho!