Páginas

sábado, 19 de maio de 2012

Os telefonemas de governantes para as redacções



Sobre telefonemas de ministros a redactores de jornais, sobre assuntos públicos e que lhes interessam há muito por onde escolher.
O Público de hoje conta na última página a sua história sobre as “pressões” que o ministro Relvas, um governante que antes de o ser já o era porque filtrou praticamente todas as  nomeações de gente para cargos importantes no novo governo, efectuou sobre uma jornalista daquele diário. Maria José Oliveira cujos artigos aprecio ler ( apesar da direcção do jornal ser o que é) foi  directamente ameaçada  por aquele ministro por causa de insistências em perguntas acerca dos seu papel no caso do director do SIED, o pobre Carvalho ( o Expresso conta hoje que foi fazer queixa de lhe surripiarem informações do seu computador, entregou-o voluntariamente ao MºPº como prova, depois de ter apagado dados com um método que se revelou tão eficaz que um militar aposentado recuperou quase todos os dados apagados e agora se vê  na contingência de ser acusado de simular um crime).
As ameaças recebidas assumem gravidade num aspecto: revelação na Internet de “dados da vida privada da jornalista”. Se tal se revelar verdadeiro, o que duvido porque a notícia do Público pode ter sido apimentada retirando do contexto a tal ameaça que pode muito bem ter sido uma menção a outros factos que não se contam, será grave a ameaça porque revela duas ou três coisas inadmissíveis seja a quem for e muito menos num governante com o poder que Relvas tem:  a primeira, no sentido de o mesmo ter dados sobre a vida privada da jornalista. Se tem deve explicar como os obteve. Se tem da jornalista pode ter de muitas outras pessoas. 
Se os colecciona como o pobre Carvalho o faria, apenas tem de mal o fetiche em si que é bizarro e afronta a honra de um governante com tanto poder. Mas não sendo ilegal é apenas vergonhoso ou infantil.  Se colecciona dados pessoais de outros cidadãos para deleite pessoal é esquisito mas quem colecciona selos também o faz  com o mesmo propósito de gozo individual. 
Se os usa, então isso é fatal para o exercício de cargos públicos.  É preciso apurar tal facto mas não vejo como.
Outra coisa é a de um governante se dar ao trabalho de telefonar para jornalistas no sentido de tentar condicionar a informação. É certo que a cretinice ambiente em certas redacções ( com destaque para a do Expresso, cujos telefonemas recebidos nunca serão notícia) justificará a irritação de quem governa ao ler coisas que atentam contra a verdade corriqueira ou a exploração abusiva de tendências de “malhar” em certos temas e pessoas. Mas telefonar para mandar recados que condicionam notícias é coisa que se julgava já ultrapassada.
No tempo de José Sócrates, cujo estilo governativo assentou em coisas destas de doutras que o jornalismo caseiro não quis investigar ( por exemplo, o caso da ida ao bijan em Los Angeles, onde deixou a marca de água do seu nome na montra do estabelecimento nunca foi notícia para o Público e deveria porque resume e sinaliza o que de mais grave e abusador existiu no consulado daquele) houve algumas situações que foram então exploradas por certos media.
Não me lembro é do Público ter feito notícia disso…
 Assim de repente e numa consulta rápida aos arquivos do Google pode ler-se no Diário de Notícias de 29.10.2008, isto que agora se aparenta ao assunto em questão:

Paul Rangel , líder parlamentar do PSD, fez ontem "um apelo ao primeiro-ministro" para que este explique o relato feito pelo Expresso do último sábado, em que se dava conta de que José Sócrates ligou ao director do Diário Económico tentando desmentir a manchete daquele jornal que referia as alterações das regras de financiamento partidário introduzidas pela proposta de Orçamento para , em fase posterior, vir a admitir que o jornal tinha razão.
"Acho descabido e disfuncional que numa democracia um primeiro-ministro ligue ao director de um jornal num caso deste tipo", frisou Paulo Rangel , adiantando que existem sintomas "de diminuição da própria liberdade de imprensa". O líder dos deputados laranja considerou que o facto do caso ter passado sem qualquer reacção "demonstra como este tipo de comportamentos do PM está entranhado na sociedade portuguesa". Paulo Rangel questiona mesmo "em que país da Europa um primeiro-ministro telefona para um director directamente quando sai uma notícia desagradável?".

Sobre o mesmo indivíduo que governou o país durante seis anos, exauriu as finanças públicas com políticas desastrosas e provavelmente criminosas em alguns assuntos e se ausentou para Paris estudar algo que não existia no sítio para onde foi ( Filosofia, na Sciences Po) ainda em 4.3.2010, o mesmo D.N. dava conta de que o mesmo indivíduo que está a viver de rendimentos e o Público nunca se importou com tal,  se fartou de pressionar gente através do telefone para conseguir alterar a linha editorial da TVI com a jornalista Manuela Moura Guedes. Segundo a mesma, até o rei de Espanha pressionou por causa da Prisa. E o Público fez orelhas moucas a tais pressões denunciadas. 
José Sócrates era o governante que o Público preferia. Passos Coelho não é. É simples de entender isto e o que vale um jornal em termos de isenção, independência e rigor objectivo nas notícias que publica. É essa. aliás, a verdadeira questão de fundo que tem agora Miguel Relvas como alvo. Tudo chega para lhe "chegar". Ao outro nada chegava porque tudo lhe era permitido.  Porca miseria, como dizem os italianos...

Sobre outras pressões, ainda mais inadmissíveis, rebuscadas e vergonhosas, o historial dos dirigentes partidários, mormente no caso, os do PS e na altura mesmo de um governante ( António Costa) é muito fértil. 
Este exemplo que na altura ficou em águas de bacalhau, tal como o jornalismo que por cá se pratica, é muito revelador:

Lisboa, manhã do dia 21 de Maio de 2003, dia da Prisão do deputado Paulo Pedroso.
    Já fiz o contacto. Vou falar imediatamente com o procurador, o Guerra. O único receio que tenho é que a coisa já esteja na mão do juiz. Talvez seja altura do teu irmão procurar o Guerra
    Dr. António Costa (Ministro da Administração Interna) em conversa com o deputado Paulo Pedroso [TSF]
Ainda bem que o Google não é controlado por esta gente. Se o fosse há muito que estes registos tinham sido apagados, porque como dizia outro notável , Jorge Coelho, que nunca fez telefonemas destes enquanto foi governante e depois de sair integrou os quadros de aministração de uma empresa de regime privado, " a memórias das pessoas é muito curta".
Tal como a vergonha desta gente.

Tal como diz um comentador no postal que antecede, nenhum jornal de hoje se refere ao escândalo que envolve a sonegação de dados essenciais, ao tribunal de Contas, pelo anterior governo a propósito das PPP.
Nem essa sonegação nem muito menos a outra que ocorreu no interior do próprio tribunal de Contas, da responsabilidade do seu presidente que impediu a publicação desse relatório antes das eleições.
Isto é uma pouca- vergonha e um escândalo e andam agora a ampliar o telefonema do Relvas que assumindo importância cobre aquela por ser mais conveniente...

14 comentários:

Luis disse...

José,
Estes já adquiriram os tiques dos anteriores. Relvas pensará que se estes métodos resultaram para o pinóquio porque não resultarão com ele. Tristeza.
Relativamente à referência que faz ao militar reformado e o computador do JSC, devo dizer-lhe que esse militar (na reserva e não na reforma) é o perito informático do DIAP, licenciado em informática também, com formação complementar na matéria (que o tornou apto a esgravatar e apanhar o que tinha sido apagado do disco rigido, quiçá por alguém com experiencia informática da ongoing) e que desempenhou funções idênticas na PJ militar.
É que há muitos militares muito competentes em muitas matérias para além da ordem unida.

josé disse...

Sobre isso é que não tenho qualquer dúvida e tal se comprovou aquando da tragédia de Entre-os-Rios.

Os militares ainda são a reserva da Nação, como dantes se dizia.

E sobre o pobre Carvalho estamos conversados: é incrível como chegou tão alto.

josé disse...

E já me esquecia: a notícia do Expresso é que diz que foi um militar reformado... em mais um exemplo do jornalismo para quem é bacalhau basta.

josé disse...

E diz que o software usado para recuperar os dados era utilizado pelo FBI.

Pode ser, mas costumo comprar uma revista de informática inglesa (PC Plus) sempre que traz artigos do género e sempre li que apagar dados permanentemente é coisa difícil.
Por isso estranho que os peritos do pobre Carvalho o tenham enganado.

Wegie disse...

Apagar dados permanentemente é facílimo!!Basta utilizar um programa como o Tune-Up Utilities. Deve ter sido este programa que foi uilizado para a sua recuperação. Malha-me Deus...

Monchique disse...

Tenho para mim que enquanto não for resolvida a privatização da TV pública e das rádios, o Governo e o Ministro Relvas vão estar sujeitos a uma pressão inimaginável. Usando a cassete do PCP (às vezes certeira) «a que título o Bom Povo Português - a classe operária, os camponeses, as massa trabalhadoras, os pequenos e médios agricultores, comerciantes e industriais, os intelectuais e os reformados - há-de apoiar com os seus impostos e sacrifícios, que seja mantido um compromisso com os monopólios da informação, segundo o qual estes garantiriam respeitar a democracia e a democracia garantiria respeitar os monopólios?». Tenho pena que na salvaguarda destes monopólios da informação, a Rádio Renascença dê uma mãozinha à SIC e à TVI, fazendo eco das reivindicações do Balsemão, do Pais do Amaral etc. etc. .. Acabemos de vez com os privilégios das empresas de informação para que possamos ter uma informação mais plural e verdadeiramente livre. Acabe-se com a manipulação dos grupos de informação, bem patente nos noticiários e nos programas de informação.

Karocha disse...

Wegie

Não, não é assim tão fácil, mas se o diz presumo que saiba apagar os dados de uma impressora!
Também sabe DOS ?

Wegie disse...

Karocha,

Quando comecei só havia MS-DOS. Depois qualquer programa que proceda a um "rewrite" de dados pelo menos por 7 vezes, torna-os de facto irrecuperáveis.

Karocha disse...

Cá para mim só pegando fogo Wegie,e mesmo assim um bom técnico consegue retirar dados!!!

Wegie disse...

Teoricamente só derretendo o disco. Mas na prática há formas mais simples.

Karocha disse...

Pois!
E a impressora Wegie?

mujahedin مجاهدين disse...

A melhor forma de apagar dados não é apagá-los. Basta encriptar a informação e deitar fora a chave. Depois ainda se pode apagar e re-apagar como diz o Wegie.

Mas se a informação estiver encriptada com um algoritmo standard hoje em dia (o TrueCrypt é um programa livre que suporta a maioria dos standards), é praticamente impossível alguém obter a informação em tempo útil para alguma coisa. Se em cima disso se acrescentar o tempo e recursos para recuperar informação apagada ou que tenha sido sobre-escrita, então é como se efectivamente já não existisse.

No entanto, a segurança informática na maior parte das empresas é risível. Mais ainda nas hierarquias de topo. A explosão de dispositivos móveis expôs um monte de informação que dantes não estava acessível por exemplo. E os "executivos" não pescam nada disso.

Karocha disse...

"E os "executivos" não pescam nada disso."

Bem verdade mujahedin!
O meu rapaz mais velho, costuma rir-se que nem um perdido.

Jim disse...

Os telefonemas dos governantes para as redações