Páginas

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Epístola do santo Recluso 44 aos fiéis

O Diário de Notícias de hoje publica na íntegra a transcrição de uma epístola contrabandeada para o jornal pelo recluso 44.



O tom da epístola é apocalíptico e adivinha um futuro martirizado para o seu autor. Coloca no gancho do pelourinho da sua elevada auto-estima narcísica,  uma boa parte da superestrutura do Estado, incluindo no labéu exposto os jornalistas ( só alguns, os cobardes, porque uma boa maioria ainda está do lado certo da permanente presunção de inocência); os magistrados e polícias, todos mancomunados com os cobardes jornalistas do costume e até os  cínicos professores de Direito, mais os políticos também cobardes e, estranha cereja no topo do pelourinho,  do sistema também faz parte  "o desprezo que as pessoas decentes têm por tudo isto". Pessoas decentes são, por exemplo,  os que o vão visitar...ou os que na SIC nunca se cansam de o inocentar presumidamente. Os demais são piores que cães. São os inimigos, os "pistoleiros do costume".

A epístola de contrabando termina com uma frase de retórica antiga- "quem  nos guarda dos guardas?" pergunta platónica que fizeram ao seu homónimo e que agora retoma como sua carga de pesadelos a anunciar quiçá uma obra futura, tal como a que deixou em Paris devidamente traduzida para um francês de uma correcção linguística impecável. Notável..o tradutore, claro está. Notável mesmo. Vamos ver se respeita o aforismo...

Ora bem, A partir deste patamar só resta ao recluso um último recurso, já usado com sucesso por antigos reclusos injustiçados: greve de fome.

Antes de encetar a luta, porém, convinha ler ( pode ser que o advogado Araújo lhe leve o recorte...) um pequeno artigo de Viriato Soromenho-Marques, insuspeito de cobardia de género e que aparece na Visão de hoje, a mesma que traz uma reportagem desenvolvida sobre outro misterioso personagem da terra do recluso 44 que se intitula "os mistérios da Covilhã".  Mais outra cobardia infame, pela certa.

O artigo de VS-M, porém, é sobre um tema desagradável : a putativa república de juizes. Diz que é um mito. Quem diria...


18 comentários:

zazie disse...

Greve da fome

AHAHAHAHAHAHAHAHA

S.T. disse...


Dêem-lhe ideias,dêem...

S.T. disse...


( Já ouvi dizer que está na calha um habeas corpus por causa da tensão arterial do homem... )

foca disse...

Entretanto o alto comissário da ONU para os refugiados foi a Évora.
Só não veio a Angelina Jolie.

Ele e o outro palerma que foi colocado na GALP a fazer um pé de meia monstruoso. Até saiu emocionado, tadinho.

Luis disse...

A narrativa do recluso 44 não é nada de especial. Para quem se "mestrou" em filosofia exigia-se muito mais da capacidade reflexiva deste narrador.
E ainda tem a distinta lata de invocar o apoio de cidadãos decentes. Ele sabe lá o que e a decência!
E todos aqueles que exerceram funções com ele, e que tinham jurado defender as leis e o interesse público, não têm vergonha de ir em procissão até à cela do recluso 44?
Não conheciam o que ele fazia em interesse próprio e as leis que transgredia?
Todos esses que vão em beija-mão devem recear muito. Talvez não tenham a consciência tranquila por saber o que andaram a tramar quando deveriam andar a proteger os bens e o interesse público: a “res publica”.
Assim, o receio deles é que alguma vez se vejam a fazer companhia ao recluso 44. Então, há que conseguir o afastamento destes magistrados, nem que seja necessário partir para a violência. Basta uns jarretas "cabronários" reunirem para ai e redigirem as ordens de operações que outros executarão porque a sua coragem é pouca e a força física também já viu melhores dias. Tristeza saber que um dia estes desempenharam das mais altas funções neste pobre Estado.

Floribundus disse...


com este ritmo, superior ao da freira Mariana
ainda vamos ler as cartas do zé alcoforado

a 'picareta falante' esteve de visita a um ex-refugiado de luxo

cada pedido de HC são 3000€

zazie disse...

AHAHAHAHAHA
O zé alcoforado

josé disse...

O "zé alcoforado"? Genial.

Ahahahahah.

Floribundus disse...

ambos a escrever atrás das grades cartas de pretendiam ser de esperança, mas que se transformam em incerteza e posteriormente em abandono.

Camilo em resposta a Madame Rata-zzi
escreveu o opúsculo 'o voo da pássara'
aqui queriam o outro 'género'

hajapachorra disse...

Acho que vou propor um doutoramento em estudos feministas sobre essas novíssimas cartas do ze alcatroado.

hajapachorra disse...

A maquineta corrige alcoforado! Não deve ser coisa decente.

Manuel disse...

O Luís acertou na mouche:
"Todos esses que vão em beija-mão devem recear muito. Talvez não tenham a consciência tranquila por saber o que andaram a tramar quando deveriam andar a proteger os bens e o interesse público: a “res publica”.

O Zé Alcufurado, chora pelo abandono do Marquês de Chamilly.

Manuel disse...

http://www.cmjornal.xl.pt/nacional/politica/detalhe/pedido_levantamento_de_imunidade_para_paulo_campos.html

foca disse...

Hajapachorra
Que maquineta é essa?
Associar o 44 a alcatrão é muito mais corretor ortográfico.
Essa máquina pensa!

Joaquim Carlos disse...

O Santa Alcoveta está a enterrar-se todo, mas exige uma multidão no solene beija-cu eborense ao detrito de sua pessoa.

Carlos disse...

"cartas do zé alcoforado"

Talvez do cárcere, saia: Cartas do zé alcufurado

Terry Malloy disse...

Houve uma mudança decisiva após o congresso do PS. Antes "estava óptimo" e sentia-se "mais livre que nunca".

Então o congresso, de onde devia ter vindo a vaga de fundo que haveria de pressionar o Sistema até à sua libertação, cujo toque a reunir fora dado por Soares, calou-se. Ordem da direcção: silêncio e "não se mencione o excremento". As instituições estão a funcionar.
Ora, o menino d´oiro lembra-se bem de como ganhou as eleições internas em 2004 (há 10 anos) sobre as cinzas do processo Casa Pia. O espírito de corpo, o cerrar de fileiras, as pressões infinitas e as manobras, desde o secretário-geral de então (ora líder parlamentar), ao PR da altura, ao próprio Costa que agora o abandona. A recepção em ombros do Pedroso na AR, um mero ex-ministro.

A seguir ao congresso, percebemos um desnorte e uma desagregação interna da personagem. Aquele narciso que, ao comunicar ao país a bancarrota e o resgate financeiro, perguntava ao Luís se ficava melhor "assim ou assim", agora escreve a vermelho, com rasuras e chavetas, chama os políticos (quais?) de cobardes, os jornalistas de cúmplices.

É que o Costa, com ou sem SMS, também deu aos media as suas instruções. É um problema pessoal. A Justiça está a funcionar. O que é preciso preservar é o PS e o seu próximo score eleitoral. Alguém sabe onde param os Sousa Tavares, Ferreira Alves e demais indignados?


Dos livros: "um animal feroz nunca é tão perigoso como quando está ferido e encurralado".


Isto vai ser giro.

josé disse...

Esperemos para ver porque ainda há muito para ver. Muitíssimo mesmo.