Páginas

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

O PCP teve prendas do BES?

O Público de hoje diz que sim e que eram ilegais...mas o bravo Jerónimo, cerra a mandíbulda, range os dentes e nega. N-E-G-A. Nega.
A culpa, se a houver? Casará com o contabilista, coitado.
Estou para ver se o Filipe e o Jerónimo e o Tiago, pedras morais das paredes de vidro, não irão esbarrondar de  tanto engolirem em seco...mas isso apenas se forem inquietados no Parlamento, o que se duvida vá acontecer.
Para já fica a notícia deste muro de vergonha.




4 comentários:

Floribundus disse...

a 'vingança serve-se' sem aquecimento global em pleno outono

cai a folha, cai o bes, estatela-se o pcp

fica tudo a nu

foca disse...

José
11000€ são trocos, quando estamos a falar da festa comunista
Há muito mais, desde os trabalhadores das autarquias comunistas que vão para lá trabalhar em horário de serviço, usando os recursos das câmaras. Veja o livro da festa para perceber os patrocínios, estão lá expressos e com grande orgulho.
Todo o enquadramento do Avante é feito como se de uma manifestação artística se tratasse, com vantagens fiscais.
No final o lucro reverte para o partido
É assim hà décadas, e curiosamente continua como se não fosse nada.

PS. Para os mais distraídos, como é que pensam que a maquina do PCP consegue ter tantas meios de campanha em permanecia?

bertoal disse...

Não se esqueçam que as democracias da treta necessitam da diversidade partidária, para iludir o retardado do tuga da falsa existência de um regime plural. Daí, ter que alimentar e manter no ativo, um conjunto de agremiações que, em pleno parlamento, se gladiam pelo titulo do mais demagogo.

Não é por acaso que em França, a assembleia nacional atribui ao PCF um montante monetário claramente acima daquilo que está estipulado por lei, para os 7 deputados eleitos.

O bolo extra atribuído, com a conivência dos restantes partidos, é a ilusão de uma pluralidade inexistente.

Maria disse...

Mas então não eram os comunistas e os esquerdistas em geral, que durante o anterior regime não se cansavam de difamar os banqueiros 'capitalistas', querendo correr com eles para fora de Portugal e já em pleno regime social-fascista, este em que nos encontramos, continuaram a fazê-lo persistentemente o que se prolongou por décadas (parece ser que, dadas as escandaleiras em que todos eles estão envolvidos e que finalmente se estão a tornar públicas, os insultos pararam num repente... ou será que foram suspensos até mais ver?) até que e isto apenas desde há poucos meses para não dizer semanas, os insultos de toda a esquerda impante aos supostos 'donos de Portugal' - com fins obscuros porém hoje perfeitamente descortináveis - só tinham um único objectivo que a esquerda antevia próximo e que era, à custa de ameaças, terror instilado, chantagens e sobornos aos capitalistas em geral e aos banqueiros em particular, o retorno em brutos subsídios, avenças, contribuições, presentes, etc., tudo em triplicado e a seu favor. Por outras palavras, após o regresso daqueles de um exílio forçado, regresso 'generosamente consentido' pelos grandes democratas e aos quais eles, capitalistas e banqueiros, deveriam ficar eternamente agradecidos em permanente dívida, era tê-los inteiramente nas mãos e ao seu completo dispor, o que veio efectivamente a acontecer. Como hoje se pode claramente constatar até d'olhos fechados.

A hipocrisia, o cinismo, a mentira e a maldade dos 'nossos' democratas atingiram limites inimagináveis e absolutamente inconcebíveis ainda não vão trinta anos. Na realidade foi sensìvelmente a partir dessa altura, inícios dos anos oitenta, que o castelo de cartas se começou a desmoronar e sua verdadeira génese a vir à luz do dia.

Com qu'então os Espirito Santo (e os demais, poucos, capitalistas da época) é que eram os donos de Portugal e fartavam-se de roubar os portugueses e como tal os seus Bancos e as suas grandes empresas tinham que ser obrigatòriamente nacionalizados e simultâneamente os respectivos administradores, directores e proprietários ràpidamente escorraçados do País. Era assim não era?, claro que sim..., mas afinal não têm os mesmos democratas e demais ex-revolucionários e actuais extremo-esquerdistas beneficiado e de que maneira ao longo de todos estes anos, ainda que de um modo secreto, dos muitos milhões com proveniência justamente nos Bancos dos ditos capitalistas que eles tanto difamaram fingindo cìnicamente deplorar?! Bando de farsantes, mentirosos, pulhas e ladrões é o que todos eles, os democratas e restantes apaniguados, são.

Afinal que raio de espécimes são estes que temos tido como governantes, os mesmos que hipòcritamente sempre se consideraram democratas avant-la-lettre? Ou caberia preferencialmente perguntar por que espécie de "raça" infra-humana temos vindo a ser governados? Porque e isto é um facto comprovado, estamos perante a mais prepotente e despundonorosa gente que, para mal do nossos pecados, ascendeu ardilosamente ao poder em Portugal. Gente esta infernal que de humano só tem a aparência física, o seu interior é uma amalgamação de malignidade crudelíssima e do mais aterrador satanismo.

Sabíamos que éramos governados por um bando de corruptos e ladrões do pior extracto, mas nem sonhávamos até que ponto iria chegar a malvadez, a baixeza de carácter e a pulhice generalizada deste bando de políticos traidores - e muitos deles também criminosamente pedófilos - que nos caiu em sorte num dia de tremendíssimo azar. O que só nos faz chorar e ir suplicando diàriamente a Deus que nos livre depressa do autêntico inferno em que uns tantos espíritos malígnos transformaram dramàticamente a nossa vida colectiva e definitivamente o destino de Portugal.