Páginas

quarta-feira, 1 de abril de 2015

O INEM debaixo de fogo suspeito

Observador:

A lista de acusações é extensa: alegados favorecimentos, suspeitas de acesso a documentos de dirigentes e funcionários, escutas e falta de diálogo. O presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) está debaixo de fogo. O Sindicato dos Técnicos de Ambulância de Emergência (STAE) já pediu a sua demissão e o ambiente que se vive dentro da instituição é de “medo”, contaram ao Observador vários trabalhadores e ex-dirigentes, pedindo anonimato. O major médico Paulo Campos, de 43 anos, assumiu a liderança do INEM há um ano e refuta todas as acusações que lhe têm sido feitas. A verdade é que a sua posição está em xeque e dependerá dos resultados das duas investigações que estão a ser levadas a cabo pela Inspeção-geral das Atividades em Saúde (IGAS), relacionadas com episódios na operacionalidade do INEM. Só depois disso o Ministério da Saúde tomará uma decisão. Pode levar semanas, ou apenas dias, uma vez que a tutela pediu rapidez na investigação.

Esta notícia deve ser complementada com esta:

O ex-primeiro-ministro José Sócrates, em nome da Octapharma Portugal, "ameaça o INEM por 4 milhões" quando quis marcar almoço com o presidente do INEM, conta o Correio da Manhã, adiantando que   Paulo Campos recusou e "limpou" a casa. O objectivo era a contratação da multinacional para dar formação nas escolas.
O mesmo jornal realça ainda uma lista VIP alargada à Saúde, adiantando que a Universidade de Aveiro cria sistema de segurança de informações de doentes e contribuintes.


E pode ser contextualizada com esta história.

4 comentários:

Floribundus disse...

o 44 e os sovietes são sempre inocentes

a culpa é sempre da máquina

os contribuintes portugueses são existencialistas
'persistem em existir'

Carlos Loureiro disse...

"ministro" Paulo Campos?

josé disse...

lapsus camali

josé disse...

calami