sexta-feira, 8 de janeiro de 2021

As crónicas de costumes do Correio da Manhã

 Todos estes factos relatados no CM de hoje estão relacionados e espelham uma realidade dos nossos costumes, mais grave do que aparenta e escondida como sempre dos olhos de quem deveria escrutinar, incluindo os jornalistas que só apresentam estes factos e não os relacionam...

Primeiro, a capa do jornal é um repositório de enigmas. Associar o falecido Zé das Medalhas à actual ministra da Justiça é simplesmente interessante e na página aparece identificada a entidade que sabe porquê. 


No interior aparece outra notícia que revela mais uma coincidência espantosa acerca do "lapso" da indicação do procurador europeu como sendo já procurador-geral adjunto. Não era ainda PGA e daí o tal lapso, mas viria a ser em breve e aí está o rabo de fora para quem saiba identificá-lo. É esta, para mim, a prova principal da mentira e da falsidade se efectivamente existiu, dolosa e intencional. [ a pergunta a colocar à ministra, ontem, no Parlamento deveria ser esta: a senhora sabia quando é que o procurador José Guerra iria ser promovido a PGA?] E por isso talvez a investigação do crime de falsificação que me parecia ridícula, não seja assim tanto. É muito grave isto, de facto e talvez o PSD tenha razão. Talvez. Veremos...  


Na edição de ontem do mesmo jornal aparece uma notícia antiga que também se relaciona com o momento presente. É um episódio que só se tornou público devido a gravações de escutas telefónicas e revela o modus operandi, corrente, de pessoas como o primeiro-ministro actual: estão a c. sempre para as leis quando julgam poder escapar ao seu domínio. E neste caso escaparam...pelo que o incentivo para tais procedimentos continuou.  


Finalmente um retrato da sociedade em que vivemos e as leis protegem. As aparências legais são tudo no jacobinismo vigente. Ora leia-se o que vem no CM de hoje porque estes são os truques expostos dos chico-espertos que abundam por aí:





Sem comentários:

Os escombros do apocalipse