segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Oh la la! A França já perdeu o combóio...

Sapo:

 


Aqui há dias a Marianne ( 8 de Janeiro) chamava a atenção para o falhanço da França na administração das vacinas contra os bichos e realçava que tal era uma vergonha na terra de Pasteur. 

Impressionante, o libelo...que só me fez sonhar como seria uma revista destas em Portugal. O que escreveria sobre o governo que temos e os governantes da estirpe de uma Temido ou de um Brandão Rodrigues...


Jacques Julliard termina o escrito com uma obervação que o Observador de cá não seria capaz de fazer: 

"o que é fundamental para este país esquecido da glória do seu passado será, por todos os meios, recomeçar pela educação, quer dizer pela reforma intelectual e moral da França".

Portugal precisa exactamente da mesma coisa mas duvido que mesmo o André Ventura tenha consciência plena disso. Quanto ao presidente eleito, enfim, nem me atrevo a pensar no que pensará do assunto. 



A França descobriu aliás na mesma altura que tem uma elite corrupta e que se coopta entre si para dirigir o país. Na semana seguinte a mesma Marianne referia a um caso singular que envolveu em escândalo o ex-presidente  Olivier Duhamel,  da famigerada escola Sciences Po, uma espécie de ISCTE local. 

O assunto tinha ver com (mais) um escândalo sexual, neste caso de incesto, denunciado por um familiar, aproveitando o articulista para denunciar a rede promíscua e endogâmica entre os dirigentes franceses de tais instituições, as principais empresas do país e determinadas elites políticas. 

Nada que por cá não suceda, no completo segredo e omissão informativa dos media do sistema político-mediático que temos. 


Para explicar melhor o caso a revista L´Express de 14 de Janeiro dava duas páginas concisas ao assunto:


Por algum motivo a França perdeu o combóio...e nós nunca chegamos a qualquer apeadeiro, quanto mais estação!

Sem comentários: