sábado, 30 de janeiro de 2021

Valente, sem papas na língua

 Artigo de Guilherme Valente no Sol de hoje, o discurso que é necessário generalizar: 


Em França o que é aqui denunciado atinge já paroxismo. O filósofo Finkie, na revista Valeurs Actuelles é apresentado como a última vítima do politicamente correcto desta nova esquerda.

Finkielkraut pronunciou-se por escrito sobre o caso de incesto de um "notável" francês da elite de poder ( lembra a Casa Pia, inapelavelmente, embora noutra dimensão) e teve a coragem de sugerir que o caso deveria ser visto para além da simples condenação de preceito, o que aliás também fez inequivocamente. Mas bastou lançar dessa forma uma pequena dúvida para todos lhe cairem em cima, acusando-o de proteger o prevaricador e votando-o ao estado de paria mediático. Tal como a outros...


Na revista fala-se das "cadeias de informação"...e tal lembra o que se passa por cá. Quem se ocupa em denunciar tal estado de coisas é o crítico de tv na sua página no CM. A edição de hoje, no Panóptico:



Sem comentários:

Os escombros do apocalipse