sexta-feira, 14 de novembro de 2008

A manada da fronda

A contestação desta equipa da Educação, já chegou aos alunos do ensino básico. Trágico. Tão trágico que Vitalino Canas, o atarantado porta-voz do PS, acha que só pode ser tangida pelos grupos radicais.

O que são grupos radicais?
Qualquer coisa que o Ministério da Educação, o porta-voz do PS ( onde a coisa já vai...) e o Governo, tudo junto, não entendem. Coisas marginais, de extremistas, atiradores de ovos e tomates. Em resumo e como definiu o escriba da causa, "a manada".

Perderam o controlo, é o que é. E já não sabem o que fazer. Nem o que dizer, com um mínimo de senso.
As causas estão perdidas.

10 comentários:

David Oliveira disse...

"As causas estão perdidas"
se é que alguma vez tiveram causas.
Mas você acha mesmo que um traumático obcessivo como Sócrates por exemplo, tem causas? ou tem uma insaciável necessidade de sublimar uma série de recalcamentos?
como se fala de instrução/ensino esclareça-me então como é que emoldura, como é que enquadra, como baliza essa causa deles? Ora...ora...
David Oliveira

josé disse...

As causas, são as dos próceres, como Vital Moreira.

As do Sócrates, são fáceis de enunciar: "nascido para o poder".

Ao pé do Capitólio, está a rocha Trapeia, também se diz.

E o tipo quando cair, ninguém o vai socorrer. E vai cair.

Anónimo disse...

Qualquer dia Vitalino e Sócrates abrem a porta da sala de reuniões do Rato e têm à sua espera um bando de radicais vestidos de rosa. Por enquanto eles só cospem fogo nos bares depois da reunição, mas não dura muito, bastando que sintam o tapete mover.

zazie disse...

É, mas esta historieta por causa do estatuto do aluno e das faltas tem muito que se lhe diga.

E cada vez me convenço mais que o José tem razão- não faz sentido progressões na carreira, por mera tarimba, como na tropa, para depois ficar tudo a fazer o mesmo. Sem mais responsabilidades ou tarefas.

Esta historieta é inviável. Deve ser inviável passar o tempo a fazer avaliações e dar aulas particulares a cada aluno que falta.

Por isso mesmo é que em Inglaterra existem os "tutores".

E assim faria sentido- existirem tarefas e responsabilidades diferentes e ganhos em função delas.

Lura do Grilo disse...

A verdade é que um partido político já mandou os seus comissários juvenis para a porta das escolas distribuir panfletos.

VML disse...

E lembrar quando eles andavam nos liceus a ministrar cursos de desobediência civil, cursos esses que hoje são peça obrigatória (e quase única) dos seus currículos, o seu passado "antifássista".

lusitânea disse...

"E cada vez me convenço mais que o José tem razão- não faz sentido progressões na carreira, por mera tarimba, como na tropa, para depois ficar tudo a fazer o mesmo. Sem mais responsabilidades ou tarefas."
zazie

zazie
A tropa como diz tem uma progressão complicada.Curso de promoção capitão, curso de promoção a oficial superior, curso para tentar ir a general.Avaliação para tudo.A piramide é mesmo piramide actualmente, embora os propagandistas recorram por vezes aos numeros dos que fizeram a guerra e geriam as colónias para ilustrarem o exagero do numero.Enfim técnicas velhas de propaganda vermelha
Quanto à avaliação só não percebo porque é que ela não pode ser efectuada em função da avaliação dos alunos em exames nacionais, coisa que os políticos não querem ...

zazie disse...

Lusitânea:~
A questão é essa- o que é que vão avaliar e para quê.

Se é para se classificar os profs por escala como os alunos, então nem podia haver restrições de classificação de acordo com o quota para a progressão.

Se é para aferir entre as notas dadas aos alunos e as que eles obtêm por exame nacional- isso só permitiria classificar os professores desses anos lectivos e por delegação no resultado dos outros.

Só que o Ministério não tem qualquer curiosidade em saber se há profs de o valores ou 20 valores; profs com medíocre ou Excelente. Tem apenas como intuito evitar que a tarimba atinja muitos e que eles ganhem a classificação por chantagem, passando outros tantos alunos para o sucesso da ministra na UE. O VPV contou a historieta em 3 tempos.

zazie disse...

Mas a comparação militar faz sentido e traduzia-se assim:

Não há dinheiro para chegarem todos as coronéis. Então vamos inventar cabos razoáveis e bons e fazer de meia dúzia coronéis excelentes.

E isto em função de trabalharem todos para a mesma farsa- uma guerra virtual que se ganha por tirinhos de consola e depois enviam-se os pontos para as estatísticas de sucesso da Pátria no ramo da educação.

":O))))

lusitânea disse...

A malta desconhece o que tem.As FA´s de hoje têm um poder de destruição muito maior do que algum dia tiveram.Em todos os Ramos.O problema está na sustentabilidade pois que tudo é importado.E escusam de refilar pois que as responsabilidades militares fazem parte do pacote dos milhões de euros que entram todos os meses.E se houver guerras a malta vai mesmo.E não vai ver ninguém a dizer que não...