segunda-feira, 2 de outubro de 2017

Andam a partir os dentes ao comunismo, em Portugal.

Esta notícia sobre as eleições de ontem promove a ideia que o partido comunista anda a perder terreno a passos largos, em Portugal.

Já não era sem tempo porque a ideia fossilizada que alimenta o PCP é coisa de um passado sem retorno e sem renovação possível.

A revista Visão História de Setembro deste ano pretende traçar um retrato do que foi a Revolução de Outubro na Rússia czarista e o que a seguir se passou.

A revista foi buscar uns articulistas de esquerda e outros que já foram comunistas e deixaram aparentemente de o ser, por terem aberto os olhos da mente e lida assim com o assunto:

Um dos articulistas é Francisto Louçã, o intelectual que cultiva um comunismo sofisticado que vai alentando o Bloco de Esquerda porque se demarca dos fósseis do PCP mas não são menos fossilizados nas ideias trotskistas que acalentam e ninguém discute.

O modo de escrever de Louçã para explicar o que aconteceu na Rússia após a Revolução é enternecedor para os seus seguidores porque representa bem o paradigma de quem pretende explicar tal Revolução como uma caminhada em frente da Humanidade, passando por cima de milhões de mortos como cães sob vinha vindimada. A repressão sangrenta e hedionda de Estaline, os crimes contra a Humanidade e a semelhança evidentes com o holocausto nazi não os impressiona por aí além e contextualizam com a repressão que vinha antes, do czarismo. Portanto, um mero fait-divers descartável numa frase solta "a partir de 1936, e centenas de milhares de comunistas e de opositores foram aprisionados no gulag". Assim ipsis verbis.  Portanto, um regime respeitável que se perdeu por ter perseguido um dos seus próceres ( Trotski). E mais nada.


Depois há artigos extensos do editor da revista Luís Almeida Martins, um esquerdista moderado para quem os fait-divers dessa Revolução são para contar em modo historicista asséptico. Agora, porque há 40 anos, na altura de o Jornal tais factos não existiam, para este companheiro de percurso comunista.

Porém, o panorama parece estar a melhorar um pouco, depois destes últimos 40 anos, para cima: aparece agora um José Milhazes desiludido com o comunismo que então o iludiu de modo rutilante e o conduziu ao frio de Moscovo, onde descobriu o logro.
Ainda bem que assim foi e que lhe permitem a escrita na primeira pessoa, de acordo com a experiência. Outros foram lá e vieram na mesma ceguetas, mudos e surdos aos factos que presenciaram e silenciaram, como um tal Francisco Miguel e outros que sabem pronunciar a palavra "tarrafal" mas esqueceram o significado de "gulag".

Milhazes malha no regime soviético como em centeio verde:









Outro artigo a malhar no mesmo ferro frio é o de Vânia Maia sobre o modo particular e idiossincrático de Estaline matar em massa: pela fome.


E para mostrar às ritasrato que os comunistas costumavam dar tiros na nuca aos adversários descartáveis, aos milhares, outro artigo de Pedro Caldeira Rodrigues:





Porém, apesar disto tudo que em Portugal não é pouco e é raro, com artigos que nunca seriam mencionados sequer no O Militante, a Visão História foi buscar uma luz de esperança para a Esquerda que patrocinou, caucionou e aplaudiu estes crimes contra a Humanidade.

Num pequeno apontamento de duas páginas, José Neves namedropa uns tantos intelectuais de tretas que continuam a vicejar no quintal comunista.
Afinal a História ainda não acabou e os mesmos que fizeram o serviço acima exposto estão dispostos a sair do formol para se renovarem, mudando a pele, mas não deixando a condição reptiliana.


Assim o epílogo da Visão História é uma mensagem de esperança que o jornalismo caseiro vislumbra como solução para as contradições e modo de sair do armário de formol.

Não fosse a Visão História uma das jóias ( agora descartáveis)  do grupo Impresa...

13 comentários:

joserui disse...

Há quem se tenha esquecido do Gulag e quem nem saiba o que isso é, como as jovens militantes comunistas modernas. Mas fiquei triste com o resultado do PCP, surpreendentemente ainda lideram autarquias…

Bic Laranja disse...

António José Saraiva, um dos mais proeminentes homens de cultura da nossa contemporaneidade, começou por militar no P.C.P., de quem se afastou, na sequência de uma visita à União Soviética, onde viu coisas de que não gostou, quando já se encontrava exilado em França, para onde partiu em 1960. A partir desse momento começou a pôr em questão as teorias marxistas, em que acreditava.


Conta-se que numa conferência proferida em Paris, repleta de gente, expôs as suas ideias sobre a ideologia marxista de tal forma contundente, que quando acabou a sua prelecção, nenhum dos presentes o aplaudiu. Ficaram todos perturbados com as blasfémias que ouviram. Um antigo operário vidreiro, militante do P.C.P., presente na assistência, quebrando o silêncio gelado, que imperava no auditório, afirmou: «Ó Dr. Saraiva, se eu acreditasse no que acabou de dizer, ia-me atirar ao Sena» [...]

Numa carta datada de 8 de Agosto de 74, dirigida a Rita Lopes, a residir em França, dizia a dado passo o seguinte: «O P.C. tem aqui grande aceitação. As pessoas falam do P.C. com grande ingenuidade, ignorando tudo o que nós sabemos pelo Monde, etc. Não sei se terei alguma possibilidade de intervir. Criou-se uma espécie de censura tácita, que consiste em tudo o que é anti-P.C. como sendo contra a democracia. Desta forma, não se pode fazer qualquer crítica à U.R.S.S. ou ao partido sem incorrer no risco de ser considerado reaccionário. Estão criadas as condições psicológicas para o P.C. tomar o poder. Ninguém nos jornais de Lisboa, se atreve a criticá-lo».
Numa outra missiva com data de 31 de Outubro de 75, é possível ler o seguinte: «O Rogério Paulo está opiparamente amesendado como director do I.N.A.T.E.L. (sucessor da F.N.A.T.), que paga 80 contos por mês à Intersindical; e emprega diversos outros jornalistas e escritores do P.C.»[...]


Eduardo Varandas, «Os intelectuais e a política», in A Voz de Trás-os-Montes, 28/9/17.
https://www.avozdetrasosmontes.pt/noticia/16101

Floribundus disse...

o barreirinhas queria partir os dentes à reacção

o actual pcp acabou desdentado

antónio das mortes comeu os parceiros de geringonça

e montou-se no PR porque este se põe a geito

espero ver
'cenas dos próximos capítulos'

Lura do Grilo disse...

Há um triste convencimento que Trotsky era um santo perseguido. Mas em métodos e resultados, contados ás dezenas de milhares, não ficou nada atrás de Estaline.

Zephyrus disse...

Ontem foi um dia triste aqui em Inglaterra. A Monarch faliu. A queda acentuada da libra ditou o fim da companhia. Eu era cliente. O servico era melhor que o das outras companhias de baixo custo.

Devido ao terrorismo a Monarch e as agencias desistiram da Turquia, Egipto, Siria ou Tunisia e comecaram a desviar os clientes para Portugal e Espanha. A Monarch fez o mesmo. Os artigos que tem aparecido nos ultimos anos a elogiar Portugal na imprensa anglo-saxonica e francesa nao surgem por acaso. A industria turistica precisou de uma alternativa ao mundo arabe. E a alternativa barata e segura qual e? Portugal, Espanha ou Croacia? Mas nuvens negras pairam sobre o sector em Portugal. A queda da libra, a possivel saida do RU do mercado unico e novas regulamentacoes com cunho ideologico do Bloco de Esquerda podem matar o sector que esta a disfarcar os miasmas da nossa fraca economia.

Zephyrus disse...

Deixei no outro dia aqui um artigo, nao sei se o Jose leu.

Em Espanha desde a ascensao do Podemos tornou-se moda chamar fascistas aos membros do PP e do partido Ciudadanos por tudo e por nada. Os nacionalistas catalaes fazem agora o mesmo. Tal e qual como tem feito o PCP ha decadas.

O que se passou na Catalunha foi de uma imoralidade tremenda. Mas o que me surpreendeu mais foi o apoio da Igreja catolica catala. Padres a fazer discursos a favor da independencia, urnas escondidas em igrejas... a independencia catala sempre foi coisa de aventalzinho de cozinha para destruir a Monarquia e instalar um federacao iberica com aventais. Supreendeu-me que a Igreja esteja a pactar com isto.

Eu sou portugues e defendo os nossos interesses. E nao e do nosso interesse um estado catalao. Poderia ser no passado, mas nao agora.

Fico impressionado com a ingenuidade do Rajoy e a inteligencia do Rivera, do Ciudadanos. O Rivera anda ha anos a denunciar as tacticas dos radicais. Quem tem definido a agenda e a CUP, partido de extrema-esquerda que mistura comunistas com anarquistas. Hoje ja diziam que a UE nao e de confianca... la no fundo sabem que so deixando a UE poderao aplicar o "modelo". Mas nao o dizem directamente... o caos gerado por uma independencia unilateral poderia acabar com nacionalizacoes... PREC catalao.

Hoje ja ha greves gerais convocados. O Governo regional paga. E de doidos.

Disseram-me que os jornalistas portugueses babam de alegria com isto da independencia. Como e possivel? Uma fraude eleitoral monumental, com pessoas a votr varias vezes, urnas com votos la dentro logo de manha, ausencia de censo, observadores internacionais que na realidade eram membros de partidos radicais vascos e galegos... impressionante!

Portugal historicamente sempre teve um povo conservador e ceptico, especialmente no Norte rural. Como chegamos aqui, a esta geracao, que se deslumbra perante toda e qualquer novidade, movimento, causa que venha de fora? Nacionalismo catalao, jacobinismo, agenda rosa, feminismo, Esquerda caviar... na realidade que trouxeram de bom estas ideias? Numeros recorde nos divorcios e violencia domestica, os indices de fertilidade mais baixos do mundo, o aumento do numero de casos de HIV em homens com certos gostos, a violencia que se viu no Domingo nas ruas catalas, crises economicas e fome, endividamentos estratosfericos, Estados sociais insustentaveis, niveis recorde de desemprego jovem, novas formas de censura via regras do "politicamente correcto"...

Zephyrus disse...

Tenho de abrir um blogue e por um artigo que tenho aqui em casa sobre as comunas sovieticas. Comecou ai a agenda "fracturante" do BE. Partilhavam as mulheres uns com os outros. Monogamia? Coisa de burgueses... e nada de engravidar...

zazie disse...

Milenarismos, Zephyrus. O Marx inspirou-se nesse comunismo primitivo- de Munzer e outros heréticos que também incluíram a Reforma.
Era a desbunda permamente- Nos Países-Baixos as beguinas castas deram em prostitutas e aquela malta seguida toda o profeta.

zazie disse...

O José Neves é um finório bloquista que está em todas.

joserui disse...

"Se nada for feito pelos seus militantes, o PSD mudará de carácter consolidando a sua deriva à direita" diz o Pacheco Pereira… o que o país precisa é de mais esquerda. Que o PSD derive à esquerda. Grande receita. Só dá disto…

josé disse...

A Impresa acoita essa fauna toda e devia ser claro para todos qual é a ideologia que lhe subjaz.

lidiasantos almeida sousa disse...

sempre a houver no passado, que interessa muito aos historiadores é o seu modo de vida . NO PRESENTE PASSAM-SE COISAS NUNCA VIVIDAS O IMPÉRIO BRITANICO INVADIU A CHINA E ROUBOU A MAIOR PARTA DAS PRECIOSIDADE A QUE CHAMAVAM, OS DESPOJOS DA GUERRA, nunca devolveram nada. Quando derrotados para se vingarem destruiriam a ROTA DA SEDA cortando aos chineses a ligação com os Mundo, Agora estão a reconstruir a ROTA DA SEDA, e espero não morrer antes de lá voltar. PARA CADA MALUCO A SUA LOUCURA.

lidiasantos almeida sousa disse...

A ROTA DA SEDA UM NOVO FÔLEGO PARA A HUMANIDADE, CORTAR IS DENTES IMPÉRIO AMERICANA.

http://www.jornaldenegocios.pt/economia/mundo/detalhe/nova-rota-da-seda-como-a-borboleta-chinesa-espalha-influencia-globa