sábado, 21 de outubro de 2017

Galamba, pá, um porta-voz do PS, pá.



 Segundo o CM de hoje, que transcreve parte de escutas telefónicas entre João Galamba e José Sócrates, de uma conversa ocorrida em 8 de Outubro de 2014, alguns dias antes da detenção deste no aeroporto, aquele Galamba foi avisado por um amigo chegado, do CDS, acerca de algo que poderia acontecer por aqueles dias ao dito Sócrates. O tal amigo chegado do CDS não sabia o que seria, mas apenas que teria impacto mediático. E vai daí, pá, avisou o amigo Zé Sócrates, pá. 

Em resumo: alguém no processo violou o segredo de justiça e tal violação aproveitou a um arguido.  Sobre esta violação nunca se ouviu uma palavra do tal Galamba, um patifório notório da baixa política do PS. É ainda  porta-voz do dito partido e tem uma concepção instrumental do princípio do segredo de justiça e do seu uso cirúrgico. Escreveu assim na loca infecta:

 1) Há um conjunto de pessoas que têm informação privilegiada sobre um determinado processo e que usam o seu poder plantando notícias nos jornais. Esta prática constitui um abuso de poder, pois viola o "contrato social" que rege a sua profissão.



2) Perante a violação cirúrgica e interessada do segredo de justiça, os seguidores do "isto é uma questão política" desvalorizam o modo como a informação é produzida e centram-se exclusivamente no seu conteúdo: "diz-se que se falou do amigo joaquim", "diz-se que existem indícios de práticas de crime". Diz-se. Ponto. E, perante isto, exigem que o primeiro ministro esclareça as dúvidas todas.

 Como se vê pela escuta acima transcrita, recebeu um aviso de um seu amigo chegado do CDS ( "essa gente, pá!") e passou-o ao seu amigo Zé Sócrates. Colaborou activamente na violação de um segredo de justiça, embora não cometesse crime algum. Mas cometeu outro delito: o de suprema hipocrisia porque se fartou de denunciar a violação de segredo de justiça, também em casos em que tal não ocorrera.

E continua como porta-voz do PS.

Por outro lado, quem ouviu a escuta em tempo real, apercebeu-se dessa violação de segredo de justiça? Claro que sim.
Parece-me que seria relativamente fácil saber quem foi o autor, se fosse seguido o fio condutor: identificar o tal amigo chegado do CDS, ver de quem recebeu o sms em causa, continuar por aí fora e chegar à fonte.Tal investigação,  não se realizou porque não poderia realizar-se desse modo. 

O crime de violação de segredo de justiça é punido com pena até dois anos de prisão ou multa. O advogado Rui Patrício que defende arguidos no processo Marquês sabe explicar o que é este crime.

Poderia tal crime ser investigado com base em análise de escutas telefónicas ou dados de tráfego? Não...e tal questão foi suscitada em tempos, aquando de uma  célebre auditoria, realizada pelo procurador João Rato. Este disse então que se verdadeiramente quisessem apurar a autoria desse crime tal implicaria a autorização legal de utilização de escutas telefónicas. Só isso e não exactamente o que o Público diz que o mesmo disse.

Até lá...continua a hipocrisia e o Galamba na patifaria.

6 comentários:

Floribundus disse...

disse que o PR se aproveitou da fragillidade do governo de antónio das mortes, verdadeira da múmia paralitica

Jorge Marques de Tocqueville disse...

Aparentemente lateral mas verdadeiro cerne da podridão em que vivemos é a omnipresença dos jurisformados e jurisocupados em tudo, mesmo tudo, o que sejam instituições, órgãos de soberania, lobbying (este proibido por lei), direcção e benefício económico de empresas, etc. Ninguém quer ver. Ninguém quer perceber que este polvo começou na madrugada dos abris em conspirações de claustros ditas pela liberdade e acabou num nunca acabar de promiscuidades e culto da obtenção de vantagem ilícita. Desde a actuação de titulares de cargos e investidos em funções da coisa pública até à crónica impossibilidade de fazer comparecer perante a justiça, a coisa é sempre uma e a mesma: o corporativismo de regime autoritário foi massivamente substituído por um corporativismo clandestino criminoso que é tão invisível e tão omnipresente como o ar (só não digo o ar que respiramos porque até quando este é irrespirável a coisa porfia).
Dúvidas? Temos um primeiro-ministro que enquanto edil se permitiu viver em concubinato com uma grande holding familiar habitando num hipotético regime de inquilinato um sumptuoso apartamento sem que, ao menos, registasse o devido contrato com uma renda de mercado, nada disso porque era renda subsidiada ou nem isso sequer porque o dito contrato veio a ser registado tardiamente quando a coisa se soube. É esta pulhice de corrupção, pelo menos moral, que é amiga dos sete costados de um Presidente da República que ainda passa, até aos olhos dos aparentemente mais atentos que repudiam os establishment, por ser íntegro e corajoso, que é lá isso?!
Aquele que se quer fazer rei começou por andar à cata de festa e festança, aquele que no imediato do massacre de Pedrógão afirmou tudo ter sido feito, aquele que agora abandona os portugueses lavando as mãos como Pilatos abdicando do uso dos seus poderes e remetendo para a Assembleia da República a consequência política sobre os algozes, os que dizem nos governar e os que os sustentam. Dizem-me que este PR foi duro e pasmo: o que esse mais não fez foi gritar"Agarrem-me senão... Senão eu fujo" Mais um cobarde cuja vaidade e ódio visceral a PPC são o único azimute.
Dizem que tudo vai mudar?! Mais não é do que um continuar tudo na mesma graças a este PR e graças à multidão amorfa e até graças aos mais atentos, incluindo os que por aqui postam e comentam...
Tal é a cegueira regimental que mesmo quem não é cego prefere fechar os olhos para aos outros equivaler.
Temos sido nos últimos 4 meses um país ainda mais desgraçado do que a triste norma mas, pelo que acima exponho em convicção, merecemo-lo.

joserui disse...

Que vómito verde este indivíduo… só de olhar para ele…
Uma coisa que acho curiosa na conversa inacreditável, é o 44, sendo quem é, não perguntar logo quem é a tal fonte… Cada um tem a sua network e respeitam-se — anedótico. Ficamos a saber que é do partido mais pequeno. O emerdé também está bom, já andava na Sorbonne o trafulha.

joserui disse...

O Ricciardi na altura também não recebeu o comunicado da ordem dos inginheiros… nem lia o Porta da Loja ou o "Do Portugal Profundo". O "afinal" não é engenheiro é grotesco. Até o CM.

aguerreiro disse...

Qual violação de segredos qual caracho! Isto não passa da mais pura alcoviteirice aplicada ao parlamento. A este galamba, se calha o pinto de sousa retribuía -lhe com um pagamento "á mexicana": -Dois pesos e um duro! Claro pela porta dos fundos, para não chamar a atenção.

Maria disse...

A gente lê estas notícias todas e não acredita. Não acredita que temos vindo a ser governados desde o 25 de Abril pelos mais promíscuas, corruptas e desavergonhadas e falsas criaturas armadas nos mais impolutos políticos que Deus ao mundo deitou. Um bando de pulhas do pior calibre, é o que todos eles são, sem excepção.

Parabéns José por publicar estes oportunos e imperdíveis artigos de jornal. Estes e os anteriores. São para ler e guardar. E depois meditar no género de gente do mais baixo extracto a quem desgraçadamente decidimos um dia de enorme azar entregar a condução deste infeliz País.

Primeiro desfizeram-se criminosamente de 90% do território à revelia do povo português e depois, não satisfeitos com a obra traidora, pegaram no que restou de país e andam a retalhá-lo aos pedacinhos desde há quarenta e três anos bem contados.

Chega de bandalhos. Fora com eles. É urgente susbtituir estes genuínos ladrões de casaca e reerguer Portugal.