sábado, 14 de outubro de 2017

Sócrates e os buracos.

Fernanda Câncio, uma jornalista espertalhona que já disse nunca se ter apercebido da origem da fortuna aparente do então acompanhante, chamou-lhe um dia "buraco". Isso porque o mesmo não aceitou o convite para ir apreciar um apartamento que custaria mais de dois milhões de euros em que aquela espertalhona estava interessada. O então acompanhante  acabou-lhe logo com as ilusões dizendo que o sítio era um buraco e que se fosse lá visto era notícia do Correio da Manhã...e foi então que a espertalhona ingénua lhe disparou: "buraco, és tu! Tu é que és um buraco!".

Ora bem, um buraco e cada vez mais negro. O dito ganhou mais um sobrenome: "buraco".


Isto é tão pindérico que até dói.

Outros personagens do grupo dos buracos:

9 comentários:

Floribundus disse...

parece a reportagem feita com um paneleiro nu a correr num campo de golfe com uma seta descendente nas costas a indicar o 19º buraco

zazie disse...

ahahahah

Ai o buraco da buraca de Formentera.

É só pessoal das barracas

joserui disse...

A Câncio tem uma coisa boa: É de esquerda, só rouba em nome dos pobrezinhos.

antónio disse...

Quem, como eu, andou a estudar na Universidade de Coimbra antes de 25/4, ou leu o "In Illo Tempore" do Trindade Coelho, sabe que, nessa altura, o prestígio daqueles que intervinham na sociedade era medido numa escala que tinha por referência o cão. O valor mais baixo dessa escala era ocupado pelos polícias, que estavam sete vezes abaixo de cão.
Depois dessa data tudo mudou, a começar por aquela corporação. Mas acontece que nem tudo mudou para melhor. Isto porque surgiu uma outra corporação, a dos jornalistas de ente os quais se evidencia e aparece destacada a ex-namorada do inenarrável JS, que conseguiu ultrapassar a classificação dos polícias. Estes, hoje, estão oito vezes abaixo de cão. Reside aqui uma das explicações para a forma como está o nosso país, uma vergonha de entre as nações civilizadas.

Floribundus disse...

António
tenho comigo um livro de praxe do meu Amigo Mário
publicado em 54

nesse tempo eram 30 furos abaixo de cão

provavelmente eram os cães do Livro do Pirata da Leitaria Académica nos Arco do jardim Putânico

actualmente os cães são a dívida pública e os geringonços

antónio das mortes mandou o PR dar uma volta ao bilhar grande a respeito dos mortos de Pedrógão

joserui disse...

Os cães têm uma coisa boa: coçam-se onde têm comichão e cada cão coça-se no seu sítio. Estes trafulhas, câncios e clarinhas, coçam-se todos uns aos outros. Deve ser só percevejos.

Lura do Grilo disse...

A Câncio é daquelas a que vulgarmente se chama Gold diggers (e as outras também)

Bic Laranja disse...

Pois é. Pois são. Mas é cá com cada estafermo!...
Cumpts.

José Luís disse...

“A Câncio é daquelas a que vulgarmente se chama Gold diggers (e as outras também)”
Em português corrente chamam-se putas :)

Desta vez é "crime violento"...