segunda-feira, 11 de março de 2019

A violência no casal e entre homens e mulheres...em Espanha

O problema da violência de género e espécie não é apanágio nacional. Fui espreitar à casa do vizinho e encontrei isto:

Algo se torna evidente quando se procuram números e estatísticas. Eles tem-nas. Nós, não. E a responsabilidade, neste caso é de quem governa. Em vez de andarem a acusar o poder judicial de não fazer o que deve, deveriam, este António Costa e os outros, olhar para o que ainda não fizeram e depende deles.

Em Janeiro deste ano o problema era assim apresentado.

Assim, estatísticas da violência de género, segundo os espanhóis e de há alguns anos (2006):

Mundial:



Europeia:

Actualmente, os espanhóis consideram que nem estão assim tão mal na média europeia ou mundial, embora a percepção pública do problema tenha aumentado com a exposição a fenómenos como os que ocorreram estas semanas em Portugal: activismos de causas...

Os dados recentes mostram que  das doze vítimas este ano. até Fevereiro, oito nem sequer haviam apresentado queixa alguma às autoridades.



No ano de 2018:


E desde 2003:



Causas e modos de resolver o problema? Isso é que era bom saber, mas continuam às cegas como nós.

Aqui cita-se um estudo americano que conclui pela prisão do "agressor" como a forma mais eficaz de combater: 

Ante estas diversidad de causas, ¿qué se puede hacer para acabar con la violencia de género? Para poder responder a esta difícil pregunta, hace tres décadas el departamento de policia de Minneapolis decidió llevar a cabo un experimento aleatorio. Este experimento se implementó en casos de violencia doméstica de baja intensidad en los que el agresor era pareja de la víctima. Los policias disponían de tres tarjetas de colores con tres posibles tratamientos: (i) proporcionar información al agresor acerca del problema y advertir sobre las posibles consecuencias, (ii) una orden de alejamiento o (iii) el arresto del agresor. Cada vez que se planteaba un episodio de violencia doméstica los policias aplicaban de manera aleatoria uno de los tres tratamientos. De los tres métodos, el más efectivo resulto ser el arresto del agresor. Replicaciones posteriores del experimento en otras ciudades sugieren que la efectividad del arresto dependería en gran parte de las características del entorno y del grado de censura social asociado a la detención.


Será assim? Não sei e eles também não. E muito menos os nossos "especialistas". Aqueles que costumam ir a programas de tv t do género Prós&Contras.

A verdade, porém é que em Espanha há outros a analisarem a violência não só reduzida ao género mas ampliando-a ao casal e incluindo os homens que são vítimas da mesma. São menos, mas contam...e quem se ocupa de tal? O Vox...

Por cá também chegará o dia em que as feministas terão concorrência...

Sem comentários: