sexta-feira, 4 de dezembro de 2020

Lembrar Sá Carneiro é recordar a luta contra o esquerdismo comunista

 Em 6 de Junho de 2014 escrevi aqui o postal que segue e um ano antes tinha escrito este sobre o mesmo tema:

"Sá Carneiro representava para o PCP o verdadeiro adversário político-ideológico, capaz de mudar o paradigma de Esquerda que vicejava em Portugal desde os primeiros dias do 25 de Abril de 1974, como se pode ver pelos recortes de imprensa que por aqui tenho publicado. Em 1979, na altura da AD, os comunistas andavam em pânico eleitoral e desfaziam-se em comícios, reuniões e sessões de esclarecimento para obstar à onda "contra-revolucionária", "reaccionária" e no final de contas "fascista" que aquele representava. E sem grande sucesso, atento o resultado eleitoral. Em 12 de Março de 1976, Álvaro Cunhal dava uma entrevista extensa ( duas páginas) ao O Jornal em que dizia claramente " Nós, os comunistas. não consideramos [o PPD] nem "popular" nem "democrático". Ficava assim claramente dito o que o PCP pensava da democracia..."

"Há por aí quem se pergunte sobre o que faria Sá Carneiro perante a situação do país, se fosse vivo.

Em Dezembro de 1983, o Semanário organizou uma entrevista imaginária com o político, baseada em declarações e escritos do mesmo, compilados para esse efeito.

Em 22 de Janeiro do corrente ano [2014] já publiquei essa entrevista que agora repito.



Sem comentários:

Os escombros do apocalipse